quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Bravo, bravíssimo!!!

Momento poético



A realidade refuta
(Larissa Marques)


a realidade refuta
e redunda na ilusão
sim, aquela grata ,que nos fere
e nos cala
tal chibata em tronco de perdição

talvez eu fique presa
pelo serpentear e o repique
de tua voz de gargalo
tentando convencer-me
a despir-me de luta

e quem sabe por algum minuto
ou vários, permita-me ser surda
ou solta, sem castigos ou mentiras
só ou contigo em insanidade
entregue à leviandade, cobiça da carne

por hora, sinto-me bem por não ter cedido
aos devaneios de uma vida rapariga
escondo-me ainda nesses risos falsos
em torturas desmedidas
sob meia dúzia de saias floridas

ledo engano essas verdades absolutas
como se não houvesse antônimos
nesse cárcere interno, no inferno íntimo
que ata-me ao teu terno de risca-de-giz
e ao teu chapéu de aba curta

convenci-me da relatividade de tudo
sem as certezas ou dúvidas que nos cercam
quem não vive assim,
não sabe do absurdo
que cega o santo e inspira o vagabundo

eis que nesta hora incerta, sã
por tudo que pude ter e perdi
que valho-me da falta de fé e da descrença
dou-me algumas gotas de mortal veneno
pois a esperança é que me mata.

Herval recebe ônibus escolar



Chegou a Herval na manhã desta terça-feira, 28, um ônibus escolar do Programa Caminhos da Escola. O veículo com capacidade para transportar 44 alunos da zona rural será utilizado no transporte de estudantes da Escola Estadual Corintho Ávila Escobar, da localidade Basílio.
O ônibus foi adquirido em julho, no valor de R$ 198 mil, com recursos do FNDE. Na primeira quinzena de janeiro estará chegando outro veículo com capacidade para 59 alunos, para fazer o transporte dos estudantes da rede municipal de ensino, na zona rural.

notícia publicada pelo jornal A Fronteira: http://jornalafronteira.blogspot.com/

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Rir é o melhor remédio

Um pouco de Carpinejar




Reproduzo aqui uma crônica sensacional do sensacional Fabrício Carpinejar:


CAINDO NA PEQUENA ÁREA

Assim como atacante simula um pênalti, o casal cava brigas.

Grande parte das discussões de relacionamento não acontece por uma justificativa clara e evidente, é pressa, desejo de resultados imediatos.

O divórcio tem motivo, a briga não. É aleatória, e invade inclusive os momentos felizes. O atacante poderia fazer gol e comemorar com a torcida, mas preferiu se jogar na área e contar com a cumplicidade do juiz. A esposa poderia beijá-lo, mas decidiu teimar com a aproximação de uma colega de trabalho e tecer perguntas constrangedoras.

Não existe briga legítima. Todas são forçadas, artificiais e teatrais. É um ranço à toa, uma provocação passageira, uma vontade de incomodar que escapou do controle. Há o equívoco de se pensar em criticar algo e logo mudar de assunto, ferir e esconder a arma, como se a palavra não fosse bumerangue e não viesse de volta, com muito mais força, cortar nossa cabeça. Planejamos a briga, o que não prevemos são as consequências. Entrar numa discussão é fácil, o orgulho não nos deixa sair.

A mulher tem algumas cartadas implacáveis para puxar seu parceiro ao ringue. Mesmo quando ele não quer e programou assistir seu futebol tranquilamente.

Eu já sofri com o blefe. Fui um zagueiro que não atingiu a centroavante e ela simulou agressão.

Estava quieto, pensativo, aguardando a rodada do Brasileiro, e minha namorada começa a antecipar a lista de tarefas da semana. Eu respondo educadamente, não entro em detalhes. Nada nos magoou durante o dia. Ela repete um ponto, replica de novo. Não que eu não tenha respondido, é que a resposta não a agradou. Tento reagir diferente, com outras palavras. Tudo sob controle, vocábulos neutros, os times entraram em campo.

Na hora do apito, como não encontrou qualquer argumento para discutir, ela vem com a tese de que a minha voz está diferente. Que voz de homem não fica diferente assistindo sua equipe?

Eu me ferrei, ninguém se salva dessa abordagem. Em vão, busco dissuadi-la da ideia, não reparo que é uma ideia fixa, indicando uma obsessão incontornável.

— Não, minha voz está a mesma.

— Não me engana, sei que aconteceu alguma coisa, o que foi?

— Nada, estou ótimo, te amo.

Apliquei o “te amo” para espantar as desavenças, um “te amo” preventivo. Faltou experiência no ramo, sempre que mencionamos um “te amo” solto do assunto é que virá guerra, é visto como um ato falho ou um sentimento de culpa.

— Eu conheço, sua voz está diferente.

— Não está, não está…

— Está sim! Está sim!

Ela aparecia com o velho papo de que me conhecia melhor do que eu, o que é irritante. Meu timbre permanecia igual, até que não aguento mais a insistência e passo a gritar.

— Que merda…

— Viu?

— Viu o quê?

— Está brabo, acertei, sua voz estava diferente. Vai agora me dizer a verdade?

Não me pergunte qual foi o placar do jogo.



Crônica publicada no site Vida Breve

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Licença poética...



Peço licença outra vez para entregar-lhes algumas palavras simples e sutis arrancadas do fundo do baú do meu ser e também inspiradas na minha musa imaginária:

Duvides da minha força para enfrentar minhas sombras, medos e manias, mas nunca tenhas dúvida do meu amor por ti.
Se um dia eu partir, será com o coração partido...
Às vezes posso parecer sobra, fragmento, bagaço. Ledo engano!
Sou por inteiro, e como todo ser vivente neste mundo, tentando ser mais gente; embora sempre há de me faltar um pedaço.
Se é que entendes!
Se é que me entendes!

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Feliz Natal!!!


Que este natal represente o renascimento do Cristo dentro de cada um de nós, renovando as nossas esperanças na vida e em nós mesmos.
FELIZ NATAL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Rir é o melhor remédio



Tento ser o mais sério e solidário que posso com as dores, deslizes ou devaneios alheios, o que não me livra de ser incompreendido ou julgado de forma incorreta ou desonesta.
Também por isso, uma das coisas que aprendi nesta minha passagem por este “mundão de meu Deus”, é que devo sempre rir das minhas próprias dores, deslizes e devaneios.
Assim, as tormentas e tormentos da vida, se não deixam de existir, ao menos se tornam mais leves e breves em meus dias.
Pensando nisso, inauguro no meu blog o espaço RIR É O MELHOR REMÉDIO, como uma forma de descontrair das tribulações das horas e como um convite ao riso...


"Um casal esta na cama, prestes a dormir. O marido começa a acariciar a mulher. Ela volta para ele e diz: - Sinto muito, querido, mas amanhã eu tenho uma consulta no ginecologista e quero estar limpinha. O marido, rejeitado, vira para o lado. Alguns minutos depois ele vira de novo e volta a acariciar a mulher, dizendo: - Você tem consulta no dentista também?"

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Momento poético



A esposa
(Vinícius de Moraes)

Às vezes, nessas noites frias e enevoadas
Onde o silêncio nasce dos ruídos monótonos e mansos
Essa estranha visão de mulher calma
Surgindo do vazio dos meus olhos parados
Vem espiar minha imobilidade.

E ela fica horas longas, horas silenciosas
Somente movendo os olhos serenos no meu rosto
Atenta, à espera do sono que virá e me levará com ele.
Nada diz, nada pensa, apenas olha - e o seu olhar é como a luz
De uma estrela velada pela bruma.
Nada diz. Olha apenas as minhas pálpebras que descem
Mas que não vencem o olhar perdido longe.
Nada pensa. Virá e agasalhará minhas mãos frias
Se sentir frias suas mãos.

Quando a porta ranger e a cabecinha de criança
Aparecer curiosa e a voz clara chamá-la num reclamo
Ela apontará para mim pondo o dedo nos lábios
Sorrindo de um sorriso misterioso
E se irá num passo leve
Após o beijo leve e roçagante...

Eu só verei a porta que se vai fechando brandamente...
Ela terá ido, a esposa amiga, a esposa que eu nunca terei.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Câmara Municipal elege nova Mesa Diretora



Em votação transcorrida no último dia 14/12, a Câmara Municipal elegeu a Mesa Diretora para o exercício legislativo 2011.
A eleição contou com a inscrição de apenas uma chapa para a disputa da direção da Casa Legislativa hervalense, o que não impediu o protesto dos vereadores da bancada do PDT, Bebeto, João Batista Sais e Jackson Xavier, os quais se retiram do plenário no momento da votação. Além desta manifestação de protesto, a eleição ainda registrou um voto em branco.
Confira a nova composição da Mesa Diretora da Câmara Municipal:

PRESIDENTE: Claudiomor Inhaia (PT)
VICE-PRESIDENTE: Paulo César Martins Carvalho (PMDB)
1º. SECRETÁRIA: Solange Tavares (PMDB)
2º. SECRETÁRIO: Elio Soares (PDT)

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Aviso aos navegantes...



Para todos aqueles que em 2010 me passaram correntes dizendo que, se reenviasse, ia ficar rico ou milionário, informo que NÃO FUNCIONOU! PELO MENOS ATÉ ESTA DATA!!!!!
Em 2011 por favor mandem dinheiro, presentes ou vales de cerveja.
Obrigado.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Marroni permanece na Câmara dos Deputados




A presidente eleita, Dilma Rousseff, anunciou oficialmente na quarta-feira (dia 8) a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) como secretária nacional de Direitos Humanos. Com isso o deputado federal Fernando Marroni permanece na Câmara dos Deputados na próxima legislatura.

Com 87,1 mil votos obtidos na última eleição, Marroni era o primeiro suplente do PT gaúcho à Câmara dos Deputados. “Fico muito feliz pela deputada Rosário assumir uma missão tão importante como essa no governo da presidente Dilma, pois é uma mulher que tem uma história de lutas na defesa dos direitos civis e, por outro lado, não há como negar que me sinto imensamente satisfeito por poder continuar a representar minha região no Congresso Nacional e ajudá-la a se desenvolver ainda mais”, declarou o deputado que retornou à Brasília depois de participar da COP-16, no México.

Marroni fez questão de salientar que assumirá o novo mandato com o mesmo entusiasmo que possui atualmente. “Os quase 90 mil votos obtidos em outubro dão plena e inquestionável legitimidade a este mandato, por isso irei trabalhar com o mesmo afinco dos dois últimos anos”, disse.

Retirado do site: http://www.fernandomarroni.com.br

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Patricinha fascista


por Juremir Machado - Extraído do Jornal "Correio do Povo"

A estupidez está sempre ao alcance de todos. Mayara Petruso, patricinha paulista, estudante de Direito, saiu do anonimato para fama, via Twitter, graças a um coice na inteligência nacional. Indignada com a vitória de Dilma Rousseff, a moça disparou este petardo: "Nordestino não é gente, faça um favor a São Paulo, mate um nordestino afogado. Tinham que separar o Nordeste e os bolsas-vadio do Brasil (...) Construindo câmaras de gás no Nordeste, matando geral". No Facebook, a burrinha racista se atolou um pouco mais: "Afunda, Brasil. Deem direito de voto pros nordestinos e afundem o país de quem trabalha pra sustentar vagabundos que fazem filhos pra ganhar bolsa 171". Mayara já perdeu o emprego no escritório onde trabalhava e sofrerá ação judicial protocolada pela OAB.

Alguns jovens universitários paulistas têm revelado um grau superior de idiotice. Depois da turminha que hostilizou uma guria por causa da sua minissaia, apareceu o bando do "rodeio das gordas", propondo tratar meninas obesas como animais. E agora entra em cena a tal Mayara. O escândalo maior é imaginar que isso representa uma opinião média difundida na Internet. Como será que a mulinha Mayara explica a vitória de Dilma em Minas Gerais? Achar que as ajudas sociais são incentivos à vagabundagem é típico de uma elite primitiva ou de uma classe média ignorante. Qualquer país civilizado, a começar por França, Alemanha, Inglaterra e, evidentemente, países escandinavos, oferece mais ajudas sociais que o Brasil. Não adianta ir à Europa só para comprar bolsas Vuitton. É preciso espiar o cotidiano.

Quem não recebeu e-mails dizendo que Dilma não podia ser candidata por ter nascido na Bulgária? Quantos analistas têm por aí sugerindo que os nordestinos são subeleitores que votaram com o estômago? Quando um empresário escolhe um candidato seduzido pela possibilidade de redução de impostos, o que é legítimo, não se trata de voto por interesse? Não é voto com o bolso? Quando ruralistas votam num candidato na esperança de conseguir mais incentivos, o que é comum, não é voto interesseiro? Mayara não deixa de ser o produto de uma estratégia perigosa, a divisão ideológica entre bem e mal. Foi essa perspectiva, cara ao vice Índio da Costa, que José Serra adotou. A revista Veja e o jornal Estado de S. Paulo deram aval a essa idiotice retrógrada. Uau!

O PSDB, que nasceu pretendendo ser moderno e racional, podia mais. Veja, que se acha mais moderna do que os modernos, acabou por produzir leitores Mayara. Isso não tem a ver com partidarismo como imaginam os mais simplórios ou ideológicos. Eu jamais terei partido. Meu único capital é a independência selvagem. Sou a favor do voto de castidade partidária para jornalistas. Tudo pela liberdade de dizer que quem acha o Bolsa-Família um incentivo à vadiagem pensa como Mayara. Esse foi o principal erro tucano na campanha eleitoral: ter guinado à direta para tentar seduzir as Mayaras, que arrastaram um intelectual progressista como Serra para o reacionarismo rasteiro do Estadão e da Veja. Mayaras, nunca mais!

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Momento poético


Escrever, Humildade, Técnica

Essa incapacidade de atingir, de entender, é que faz com que eu, por instinto de... de quê? procure um modo de falar que me leve mais depressa ao entendimento. Esse modo, esse "estilo" (!), já foi chamado de várias coisas, mas não do que realmente e apenas é: uma procura humilde. Nunca tive um só problema de expressão, meu problema é muito mais grave: é o de concepção. Quando falo em "humildade" refiro-me à humildade no sentido cristão (como ideal a poder ser alcançado ou não); refiro-me à humildade que vem da plena consciência de se ser realmente incapaz. E refiro-me à humildade como técnica. Virgem Maria, até eu mesma me assustei com minha falta de pudor; mas é que não é. Humildade com técnica é o seguinte: só se aproximando com humildade da coisa é que ela não escapa totalmente. Descobri este tipo de humildade, o que não deixa de ser uma forma engraçada de orgulho. Orgulho não é pecado, pelo menos não grave: orgulho é coisa infantil em que se cai como se cai em gulodice. Só que orgulho tem a enorme desvantagem de ser um erro grave, com todo o atraso que erro dá à vida, faz perder muito tempo.

Clarice Lispector (do livro "A Descoberta do Mundo")

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Lei prevê punição ao assédio moral



Foi aprovado pelo Legislativo Municipal, no último dia 23/11, o projeto de lei de iniciativa da bancada petista que “dispõe sobre a aplicação de penalidades à prática de “assédio moral” nas dependências da administração Pública Municipal Direta e Indireta por servidores ou funcionários públicos municipais efetivos ou nomeados para cargos em comissão ou de confiança”.
Conforme argumenta o autor da proposta, “o assédio moral é um problema de difícil diagnóstico e punição, pelo fato de ocorrer com ações covardemente clandestinas e dissimuladas, e por não haver instrumentos claros que coíbam estas ações; com isso, ocasiona a complacente aceitação dos ofendidos, que por receio de perder o emprego, submetem-se a esta forma antidemocrática e desumana de tratamento”.
“Para que as relações de trabalho nos equipamentos da administração pública municipal sejam melhoradas é que apresento a presente propositura, visando assegurar o cumprimento do princípio constitucional da eficiência (CRF artigo 37), bem como o respeito e a valorização do servidor e suas iniciativas”, acrescentou Claudio.
O vereador petista ainda salientou que, “enfrentarmos o assédio moral, com Lei que coíba definitivamente este entrave no serviço público municipal, é a saída lógica e nobre de nossa parte. Pois, ignorá-lo seria endossar ações que podem levar nossos cidadãos-servidores ou cidadãos-funcionários a problemas de saúde, familiar e social, devido a fatores emocionais, prejudicando o bom andamento dos serviços públicos. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, a Convenção 111 da Organização Internacional do Trabalho, o Direito Civil, o Direito Penal e o Direito Constitucional são alguns dos vários instrumentos legais que nos elucidam que não estamos sendo utópicos em aprovarmos esta Lei”, finalizou.

Legislativo inaugura Plenário Elio Soares



Foi realizada nesta sexta-feira, 26, a inauguração do novo plenário da Câmara Municipal de Vereadores. Junto à inauguração foi feita uma homenagem ao presidente da Casa e vereador que dá nome ao Plenário Élio Soares. A cerimônia contou com a presença do prefeito municipal, Ildo Sallaberry, dos ex-prefeitos Élio Ferreira e Marco Aurélio da Silva e da ex-vereadora pelo PMDB Zoila Lemos.
O nome do Plenário foi escolhido através da Lei 847/2010, de autoria do vereador João Bosco Sais de Paiva (PMDB). “Tenho a grata satisfação de fazer esta humilde homenagem em vida ao vereador Élio Soares e sou suspeito, pois era eleitor do vereador Élio, mas tenho muito orgulho pelas vezes em que votei nele, pois tenho certeza de que ele se manteve na vida pública porque tem uma caminhada, uma história de honestidade”, ressaltou o proponente da homenagem.
Para Élio Soares, que por mais de trinta anos ocupou uma cadeira no legislativo, a emoção de ser agraciado com o nome do plenário foi grande. “Fico muito emocionado porque não esperava. Sou o primeiro homenageado vivo do município”, declarou.


por Daiane Madruga - jornal A Fronteira

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Comunidade escolar hervalense pede Graça Souza



Confira abaixo a íntrega do documento em apoio à indicação de Maria da Graça Souza, atual Secretária de Educação de Jaguarão, para o cargo de Coordenadora Regional da Educação, bem como um breve comentário sobre tal manifesto de iniciativa do Diretório Municipal do PT apoiado por importantes trabalhadores e autoridades em educação do município:


Nós, professores, funcionários de escola, estudantes e pessoas ligadas à causa da educação, bem como dirigentes, autoridades e filiados ao Partido dos Trabalhadores de Herval, manifestamos, por iniciativa do Diretório Municipal do PT, nosso apoio total e irrestrito à indicação da educadora MARIA DA GRAÇA SOUZA para integrar o governo TARSO GENRO na condição de Coordenadora Regional de Educação, estando à frente da 5ª CRE, a partir de 1º de janeiro de 2011.
Assinamos tal documento, movidos pela certeza de que a nomeação de MARIA DA GRAÇA SOUZA para o mencionado cargo, virá atender muito mais do que o critério político-partidário, mas por entender que seu nome contempla a necessária capacidade administrativa, o conhecimento científico e o compromisso com a educação inclusiva, dialógica e humanizante.
Temos o direito e o dever de buscar o melhor para a educação da nossa região, por isso manifestamos com orgulho e alegria nosso desejo de ver MARIA DA GRAÇA SOUZA Coordenadora Regional de Educação.



OBS: o original deste documento, assinado por quase uma centena de pessoas ligadas ao PT e a comunidade escolar hervalense, foi entregue ao Coordenador Regional do Partido dos Trabalhadores, Sr. Cláudio Pereira, no dia 12 de novembro do corrente ano, de modo a reforçar a indicação de Graça Souza para o cargo de Coordenadora Regional da Educação.
Apenas como registro, cabe mencionar que entre as pessoas que assinaram tal documento, constam ex-diretores de escola, ex-Secretários Municipais de Educação e um escritor, o que dá a dimensão da importância e do enraizamento da companheira Graça junto às comunidades escolares da região, fruto do seu trabalho sério e competente.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Vereador Claudio livre de investigação


Em Sessão Ordinária realizada na noite de ontem (16/11), a Câmara Municipal de Vereadores decidiu, por 7 votos a 1, pela não criação de Comissão Processante com vistas à cassação do mandato do vereador Claudiomor Inhaia (PT).
A votação atendeu a uma representação do Ministério Público de Herval, que pedia a instauração de Comissão Processante da Câmara de Vereadores pela cassação do mandato do vereador petista pela prática de fato incompatível com a dignidade do legislativo e por falta de decoro na conduta pública. O fundamento principal para a representação foi a recente condenação criminal de Claudio pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJ/RS), por prática de delito de trânsito.
Os vereadores contrários à abertura de Comissão Processante, destacaram o brilhante trabalho parlamentar do vereador petista e que tal condenação por delito de trânsito em nada denigre seu trabalho legislativo. Segundo o vereador João Batista Sais (PDT), se a cassação do mandato do vereador impedisse o mesmo de cometer novas infrações de trânsito ou ajudasse a diminuir as infrações desta natureza cometidas por cidadãos comuns a abertura desta comissão e a cassação do mandato do vereador seria uma obrigação deste Parlamento, como tal ato não serve nem para uma coisa nem para outra, meu voto é pela não abertura de Comissão Processante.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Momento poético



O amor nunca morre de morte natural. Añais Nin estava certa.

Morre porque o matamos ou o deixamos morrer.

Morre envenenado pela angústia. Morre enforcado pelo abraço. Morre esfaqueado pelas costas. Morre eletrocutado pela sinceridade. Morre atropelado pela grosseria. Morre sufocado pela desavença.

Mortes patéticas, cruéis, sem obituário e missa de sétimo dia.

Mortes sem sangramento. Lavadas. Com os ossos e as lembranças deslocados.

O amor não morre de velhice, em paz com a cama e com a fortuna dos dedos.

Morre com um beijo dado sem ênfase. Um dia morno. Uma indiferença. Uma conversa surda. Morre porque queremos que morra. Decidimos que ele está morto. Facilitamos seu estremecimento.

O amor não poderia morrer, ele não tem fim. Nós que criamos a despedida por não suportar sua longevidade. Por invejar que ele seja maior do que a nossa vida.

O fim do amor não será suicídio. O amor é sempre homicídio. A boca estará estranhamente carregada.

Repassei os olhos pelos meus namoros e casamentos. Permiti que o amor morresse. Eu o vi indo para o mar de noite e não socorri. Eu vi que ele poderia escorregar dos andares da memória e não apressei o corrimão. Não avisei o amor no primeiro sinal de fraqueza. No primeiro acidente. Aceitei que desmoronasse, não levantei as ruínas sobre o passado. Fui orgulhoso e não me arrependi. Meu orgulho não salvou ninguém. O orgulho não salva, o orgulho coleciona mortos.

No mínimo, merecia ser incriminado por omissão.

Mas talvez eu tenha matado meus amores. Seja um serial killer. Perigoso, silencioso, como todos os amantes, com aparência inofensiva de balconista. Fiz da dor uma alegria quando não restava alegria.

Mato; não confesso e repito os rituais. Escondo o corpo dela em meu próprio corpo. Durmo suando frio e disfarço que foi um pesadelo. Desfaço as pistas e suspeitas assim que termino o relacionamento. Queimo o que fui. E recomeço, com a certeza de que não houve testemunhas.
Mato porque não tolero o contraponto. A divergência. Mato porque ela conheceu meu lado escuro e estou envergonhado. Mato e mudo de personalidade, ao invés de conviver com minhas personalidades inacabadas e falhas.

Mato porque aguardava o elogio e recebia de volta a verdade.

O amor é perigoso para quem não resolveu seus problemas. O amor delata, o amor incomoda, o amor ofende, fala as coisas mais extraordinárias sem recuar. O amor é a boca suja. O amor repetirá na cozinha o que foi contado em segredo no quarto. O amor vai abrir o assoalho, o porão proibido, fazer faxina em sua casa. Colocar fora o que precisava, reintegrar ao armário o que temia rever.

O amor é sempre assassinado. Para confiarmos a nossa vida para outra pessoa, devemos saber o que fizemos antes com ela.

Fabricio Carpinejar

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Herval escolheu seguir avançando



A coligação Para o Brasil Seguir Mudando, representada pela candidata Dilma Rousseff, venceu a eleição presidencial em Herval com larga vantagem.
A candidata petista obteve 2.541 (60,94% dos votos válidos), enquanto o candidato tucano recebeu 1.629 votos (39,06% dos votos válidos).
Segundo Toninho, “a vitória retumbante de Dilma demonstra que as forças progressistas da nossa terra tiveram a grandeza de esquecer antigas diferenças para marcharem juntas no 2º. turno desta eleição, em torno do objetivo maior de manter e aperfeiçoar as conquistas inauguradas por Lula, bem como impedir o retrocesso e o ódio destilado pela candidatura de José Serra”.
Ainda de acordo com Toninho, “além de ser a primeira mulher presidente eleita do Brasil, a vitória de Dilma carrega outro símbolo muito importante: ela foi presa e torturada durante o período da Ditadura Militar, o que nos dá a convicção de que o seu governo será marcado pelo mais absoluto zelo à democracia, não apenas em seu aspecto constitucional, mas como valor inarredável para o desenvolvimento do país e da pessoa humana. Ela sentiu na pele os horrores do cárcere criado pelo autoritarismo de Estado, e sabe como poucos a importância da verdadeira liberdade, a liberdade que não despenha para a licenciosidade, completou”.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Projeto prevê proteção a servidores da prefeitura



Em Sessão ordinária realizada no último dia 19/10, a Câmara Municipal aprovou o projeto de lei de iniciativa da bancada petista que “estabelece o fornecimento gratuito de filtro solar aos servidores públicos municipais”.
Segundo o autor da proposta, “nesses tempos em que a elevação da temperatura e a presença de raios ultravioletas oferecem cada vez mais riscos à saúde, é fundamental a adoção de políticas públicas de proteção dos servidores públicos municipais, bem como de estagiários e trabalhadores terceirizados. Nesse sentido, a presente propositura busca proteger esses profissionais que, expostos ao sol, correm o risco de contrair graves doenças de pele, entre elas o câncer”, argumentou.
A matéria ainda depende da sanção do prefeito Ildo para entrar em vigor.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Momento poético



O tempo

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.

Mário Quintana

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Agora é lei



A Câmara Municipal aprovou na noite de ontem o projeto de lei de iniciativa da bancada do PT que “dispõe sobre a inclusão de mensagem no rodapé dos receituários do Sistema Único de Saúde – SUS – alertando sobre a proibição da cobrança por atendimentos realizados”.
De acordo com o vereador proponente, a propositura objetiva assegurar o direito à informação, preceituado pela Constituição Federal de 1988 e pela Lei Orgânica do Município de Herval.
Tal iniciativa tem por escopo levar informações ao conjunto da nossa população alertando sobre a proibição da cobrança por atendimentos realizados no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Neste sentido, entendemos que os próprios receituários médicos e odontológicos, configuram-se em espaço privilegiado para veicular a informação relativa à vedação de tal cobrança.
No nosso entendimento, tão importante quanto à oferta das ações e serviços do SUS é a oferta permanente, pelo poder público, de informações sobre as suas normas de funcionamento e os direitos dos usuários.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Nota à Imprensa e aos eleitores



Em razão do novo cálculo de distribuição das vagas destinadas a representantes do Rio Grande do Sul na Câmara dos Deputados, divulgado hoje, 6 de outubro de 2010, pelo Tribunal Regional Eleitoral do Estado (TRE-RS) e que alterou a formação da bancada do PT, o deputado federal Fernando Marroni (PT), declara que:


"Tal situação ainda pode ser considerada de caráter precário, tendo em vista a existência de casos de candidatos eleitos que estão com sua situação sub judice, e que os desdobramentos destes julgamentos poderão alterar a composição da bancada gaúcha na Câmara dos Deputados.

Cabe-nos, ainda, considerar que o governador eleito do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, já explicitou sua determinação de garantir representação política para a Metade Sul do estado seja no Congresso Nacional ou em seu futuro governo.

Diante da importância política da Zona Sul e levando em consideração a diminuição da sua representatividade política no Congresso Nacional, conclamamos as lideranças políticas da região para uma profunda e elevada reflexão quanto às causas da pequena representatividade política que temos alcançados nos pleitos das últimas décadas, bem como seus efeitos para a defesa dos interesses de nossa comunidade regional.

Enquanto no exercício de nosso mandato, reafirmamos nossos compromissos que nos motivaram nesta jornada no Congresso Nacional e continuaremos desempenhando da melhor forma possível o mandato que nos foi confiado pela comunidade da Zona Sul, lutando especialmente por uma nova distribuição dos royalties do petróleo e pela aprovação das PECs do Pampa e 300, além de buscar a implantação da escola de turno integral e auxiliar na composição do Orçamento da União para o ano de 2011, contemplando as justas demandas de nossa comunidade regional.

Agradeço a todos os 87.103 eleitores que confiaram em meu trabalho e fizeram de mim o deputado federal mais votado da história de Pelotas e da Zona Sul do RS."

Fernando Marroni
Deputado Federal (PT-RS)

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Casa dos conselhos sedia primeira reunião



Foi realizada nesta quinta-feira, 30/9, a primeira reunião na Casa dos Conselhos, situada na esquina das ruas Rafael Pinto Bandeira e XV de Novembro. O primeiro conselho a se reunir na sede foi o Conselho Municipal de Saúde.
O prédio servirá para sediar os encontros dos dez conselhos municipais. Durante a reunião do Conselho de Saúde foram discutidos assuntos referentes à próxima eleição para a presidência da entidade e apresentado pelo contador Fabrício Falconi o relatório de gestão municipal do primeiro trimestre para aprovação.

por Daiane Madruga, publicado no site www.herval.rs.gov.br


*******************************************************************************

Apenas para complementar esta excelente notícia veiculada na página da prefeitura na internet, gostaria de salientar que a criação da Casa dos Conselhos foi proposta inicialmente por meio da proposição 003/2006, de iniciativa da bancada do PT no Legislativo Municipal, a qual sugeria ao Poder Executivo fosse disponibilizado um prédio para abrigar os Conselhos legalmente instituídos no âmbito no Município de Herval, denominando-o de CASA DOS CONSELHOS.
Parabéns a administração municipal por levar esta proposta a efeito e a todos nós, por mais esta conquista da democracia!!!

Da Vitória e da Luta



Vencemos as forças do atraso, da calúnia e da truculência com larga vantagem no primeiro turno da eleição presidencial em curso. Mas a luta para ampliar e aprofundar cada vez mais o mar de desenvolvimento, solidariedade e democracia aberto por Lula continua ao longo deste segundo turno.
Não podemos arredar o pé da boa luta e perder a oportunidade histórica de continuar sendo protagonistas da história de construção de um país mais soberano lá fora, mais igual aqui dentro e mais nosso dentro de nós mesmos!
É com este espírito que compartilho com vocês as palavras magníficas da magnífica vereadora porto-alegrense Sofia Cavedon:

Queridos(as) companheiros e companheiras, a mais linda vitória é aquela das idéias, do projeto de sociedade, resultado de diálogo, escuta, alegria e garra!

Mais que eleitoral, é uma vitória de compromissos profundos com a equidade, democracia e justiça social.

Ganhamos a confiança de tal jeito dos gaúchos e gaúchas que definimos o rumo do Estado no primeiro turno! E é deste tamanho a responsabilidade de realizar o generoso, ousado e inovador programa de governo que construímos coletivamente!

Mas a intensidade com a qual vamos conseguir realizá-lo vai depender de quem estará à frente do País.

De minha parte não haverá trégua na campanha até vermos Dilma presidenta eleita!

Convido todos vocês para mais esta tarefa extraordinária embalados pelo que Lula nos ensinou: pela democracia mudar a vida de milhões de pessoas!
E Dilma, guerreira incansável, exemplo de aprendizado permanente e de superação, está sofrendo os ataques preconceituosos e rasteiros daqueles que não se conformam com as mudanças de um Brasil, antes para o privilégio de poucos, que se alarga, chama seu povo, respeita, inclui, promove a cidadania e a dignidade. Não aceitemos o debate neste nível.

Sejamos todos e todas Dilma: pacientes, firmes, corajosos, obstinados no tamanho das esperanças de nosso povo!

Vamos confirmar e ampliar sua vitória do primeiro turno e mostrar que MULHER pode sim ser Presidenta da República e liderar a continuidade da construção deste novo Brasil, agora com a parceria do Governo do Estado do Rio Grande do Sul e seguir influenciando o mundo no caminho da paz e da equidade!

Tarso Governador será o grande líder da contribuição do Rio Grande para esta vitória, como foi de todo o processo até aqui!

Parabéns e obrigada a todos e a todas!!

Sofia Cavedon

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Momento poético



Amar

(Carlos Drummond de Andrade)

Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?

Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
e o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.

Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.

Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Obrigado e vamos em frente!!!



Obrigado a todas e todos que atenderam ao nosso apelo e nos honraram com o seu voto de confiança neste último 3 de outubro, assegurando uma extraordinária votação em Herval à deputada estadual Miriam Marroni e ao deputado federal Fernando Marroni.

Miriam Marroni 377 votos e Fernando Marroni 833 votos em Herval!!!
Obrigado do fundo do coração! Vamos seguir trabalhando juntos em prol do progresso do nosso país, do nosso estado, da nossa região e do nosso município, promovendo o desenvolvimento econômico aliado a justiça social e o respeito ao meio ambiente.


Viva o melhor para todos nós!!!
Viva todos nós!!!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Futuro Vice-Governador do RS visita Herval






O candidato a Vice-Governador pela Unidade Popular pelo Rio Grande cumpriu agenda de campanha em Herval ontem, 22/9.
Beto Grill visitou o Lar do Idoso, saudou as autoridades e servidores da prefeitura, cumprimentou eleitores nas ruas, participou de atividades com militantes da Unidade Popular pelo Rio Grande e, por fim, concedeu entrevista à Rádio Herval FM.
Em seus pronunciamentos ele afirmou que a Unidade Popular pelo Rio Grande pretende governar com todas as forças progressistas da sociedade gaúcha, valorizando e investindo nas potencialidades locais de cada região e municípios.
Beto ainda falou do seu compromisso com a metade sul do RS. Segundo ele, a sua disposição é trabalhar com afinco para inverter a lógica de que o Brasil termina na metade sul do Rio Grande. Queremos virar o mapa de ponta-cabeça, promovendo investimentos que tornem os nossos municípios conhecidos como a porta de entrada de um novo ciclo de progresso que será espalhado por todo o RS. Grill também salientou que depois de 40 anos, a nossa região tem a oportunidade de eleger um representante para um posto importante do Executivo Estadual, através da sua eleição ao lado de Tarso Genro Governador.
Beto Grill é médico, já foi deputado estadual, prefeito de São Lourenço do Sul e Cristal.

Bancada petista propõe criação da Casa do Artesanato


A Câmara Municipal aprovou, em sessão ordinária realizada no último dia 21/9, proposição da bancada do PT que sugere a criação da “CASA DO ARTESANATO”.
A iniciativa visa oferecer aos artesãos e artesãs locais um espaço público permanente para a exposição e comercialização de seus produtos.
Segundo o vereador proponente, “o trabalho artesanal, além de representar uma excelente alternativa para a geração de trabalho e renda é, sem dúvida, um instrumento capaz de promover ou resgatar a identidade cultural de um povo. Um trabalho, todavia, que tende a ser abandonado até mesmo para o ‘auto-consumo’, seja pelos seus altos custos de produção, seja pelas dificuldades de comercialização”.
“Neste sentido, é fundamental que o poder público crie políticas públicas de apoio aos nossos artesãos e artesãs, no intuito de gerar trabalho e renda, mas muito mais do que isso. Isto porque as políticas de apoio à produção artesanal é também uma forma de manter acesa a nossa cultura; de manter vivos os hábitos e as coisas que são nossas, e que nos diferenciam e nos distinguem dos demais povos, a exemplo dos trabalhos provenientes do artesanato em lã e da nossa rica e saborosa culinária”, defendeu.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Vem com a gente...





O blog do Toninho nunca se propôs a servir como palanque eleitoral. Por outro lado, nunca escondi que tenho lado e busco o melhor para Herval, para a nossa região, para o nosso RS e para o Brasil.
Por esse motivo, me utilizo deste espaço para reafirmar que no dia 3 de outubro voto em candidatos a deputado (a) da nossa região, que já mostraram trabalho pelo desenvolvimento do nosso município. Voto Miriam deputada estadual e Fernando Marroni deputado federal.
Para o Senado sou Paim (131) e Abgail (651).
Para a Presidência da República e Governador é Dilma lá e Tarso aqui, pro Brasil seguir mudando e o Rio Grande voltar a sorrir.
Vem com a gente!!!

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Momento poético


PAMPEANA (Basílio Conceição)

Vou te mostrar uma canção
Estranha e só
Nasceu por si
Pra ti pampeana

Foi como um sopro em minhas mãos
No meu cantar
No que eu amei
No que busquei
Em tantas virações

Nos temporais
Por onde andei
Por onde andavas

Só não me estranha se eu pedir
Um trago a mais
É que eu jurei
Me embebedar
Por noites e manhãs

Olha pra mim
Despeja em mim
Tua saudade
Tua solidão

Não quero mais
Amor assim de cão
Quero teu cheiro
De canavial

Bailão lá fora
Pra te apertar
E seduzir teu cheiro de animal

Olha pra mim
Te gosto assim
Índia pampeana

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Licença poética...


Peço licença para entregar-lhes mais algumas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser...


Pensando bem, é preferível que me queiras mal, a não me quereres de jeito nenhum...

************************************************************************

Não há mal que sempre dure nem mel que nunca se acabe.

************************************************************************

Se não existisses deverias ser inventada.
Mas existes, pro bem dos meus dias e da poesia!

************************************************************************

Nem sabes como sofro com esse frio.
Ainda bem que o meu coração se aquece por ti.

************************************************************************

Eu preciso dizer que te amo.
Não este amor de pele, de cama, de calor insuportavelmente frio.
Te amo como se ama as plantas que brotam em meu peito e o mar que molha minha alma que se levanta por te amar.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Lembrando o "sor" Osmar



Nesses dias de magros assuntos, que tal um conto?

“Eu 15 anos, nos meus trinta. Ela uns olhos azuis com gotas de horizonte por orvalho. A pele de nuvem. Houve uma época, em minha infância que eu pensava que as nuvens eram de algodão, e que grandes escadas postas nas montanhas elevavam homens para cortar as nuvens e vende-las em embalagens em que se lia: algodão. Eu era um menino do campo. E era com nuvens alvas que minha mãe limpava as mazelas do corpo rasgadas pelos campos de futebol. Seria, portanto, um pedaço de céu com nuvens que me curaria a alma inquieta na gaiola do corpo ansiando infinito. Como o algodão suga e se encharca das chagas ela poderia se encharcar de mim me arrebatando as magoas liquidas da solidão dos meus vícios.
Era sempre ela que aparecia e era aquela réstia de céu dentro de casa. A sombra fugia a sua chegada. Ela carregava um micro sistema de luz em suas pegadas. Eu dobrava os caminhos torcia as esquinas para encontrar com ela, só para poder dobrar o joelho em sua presença. Eram joelhos dados a reverência.
Às vezes eu chegava na sala e ela sentada, as pernas enormes semi-abertas, o corpo como um pano mole de preguiça se ajustando aos contornos da cadeira, acompanhado as paredes do vestido. Me mirava, depositando as duas fatias de céu em mim, e abria um leve sorriso. Mas tão leve que mal marcava os cantos da boca, como se uma borboleta ensaiasse um vôo pequenino sem o fazê-lo. Depois, seguia fingindo viajar dentro de si, numa distração sem par. Minha língua engordava de desejo de compreender o corpo dela letra por letra célula por célula pelo por pelo. Era um desejo físico de provar as moléculas, as gotas desconhecidas, beber-lhe a saliva do sexo o cheiro da axila a garapa da boca. A língua é órgão afoito ao sabor.
Um dia, dessas coisas da sala, era verão e brotou uma primavera no colo dela. Foi no momento em que ela, se ajeitando na cadeira, abriu mais as pernas. Eu tive certeza que ela fazia por preencher seu gosto de ter meu olhar noturno atilhado ao céu dos olhos dela.
Me afastei.
Me chamou.
Ardeu um fogaréu em mim.

Tem lances, no jogo de futebol, em que o adversário faz um movimento tão violentamente repentino que nos prega ao chão, e a bola passa lenta, debochada, entre as pernas, um segundo carrega sem esforço um século na ilharga. E a gente ali, pasmo. O pensamento a reverter a jogada, já que o corpo carrega o mundo. A voz dela era assim, como um adversário que faz uma jogada surpreendentemente previsível e nos pega desprevenido. Eu vi o som de sua fala, como uma bola debochada, passar por entre as pernas da minha fraca vontade de afastar-me. O que tinha de parentesco com o Garrincha aquela voz de quincha nua?
Reparei que minha língua se intumescia enredada nas curvas do desejo. Aquele chamado significava muito. Finalmente iria soletrar, numa língua arrastada, lambida, os escaninhos escondidos de um corpo que era puro mistério. Enquanto o comum dos homens deixa de ser comum por repartir o pão, eu repartiria a alma. Eu treparia pelas paredes do mundo e escreveria o nome dela nas partes pudicas da galáxia subiria nu ao céu e faria escorrer uma missa entre unhas e dentes e teria o gosto do corpo dela preso na ponta da língua de inventar lambidas.
A voz dela era uma isca do avesso. Era como se minhas pernas se abrissem voluntariamente para o aplauso da passagem da bola. Eu tinha novamente a chance de levar um gol nos descontos. Senti a saliva quente daquela boca que abrigou meu nome, encharcando os fonemas da fala que uso. Fustiguei o contentamento. Interrompi o percurso do sorriso. Me voltei, desinteressado. Já me via lambuzado da hóstia dos mamilos dela, santificado por suas auréolas bentas, bebendo o suor no cálice sagrado do púbis. Carregando outra vez a cruz de ser homem. Eu, que não passava de um triste menino do campo.
Não era somente meu prazer que estava na luz dos lábios, ela transgredira a fé no pudor nostálgico de seus “aí não pode.”.
Ela se abstinha de sentir um prazer que o corpo carregava na pele quente, e isso, por si só, já era pecado. Mas maior pecado ainda, era não permitir que um outro corpo sentisse o prazer que ela escondia entre as mãos, entre os lábios, na mordida branca e firme de seus dentes...
Diante da irremição terrível de um pecado mortal, ela entreabriu os lábios imensos e ensinou a minha língua a fala afável do favo, caminho que conduz ao mel. De suas axilas aprendi a fala agridoce da floresta. Do cálice escuro de seu sexo aprendi o idioma noturno das águas salobras. E há ainda muitos centímetros de idioma a serem aprendidos e descobertos. Não temos pressa.”

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Miriam Marroni inaugura Comitê em Herval




O Partido dos Trabalhadores de Herval inaugurou, no último dia 13/8, o Comitê Eleitoral Dilma Presidente e Tarso Governador.
O ato político prestigiado por um grande número de pessoas, contou com a presença da candidata a deputada estadual Miriam Marroni.
Logo após o ato inaugural do Comitê, Miriam ainda visitou o jornal O Herval e participou de um jantar com apoiadores da sua candidatura. Miriam é uma das maiores lideranças políticas do sul do RS, com uma trajetória marcada por um trabalho árduo e competente em prol do desenvolvimento da metade sul do Estado. Ela pretende voltar à Assembléia Legislativa para articular programas e investimentos que melhorem a vida das pessoas e assegurem voz e vez a nossa região no cenário político estadual, sobretudo nas áreas da educação, cultura e do desenvolvimento econômico com justiça social.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Filosofando...



(...) A verdade é que ninguém colhe o que não semeou. As grandes transformações históricas são como um fruto e precisamos respeitar o seu tempo de maturação. Não basta o fruto brotar, é preciso que ele esteja maduro para que possamos saboreá-lo. E antes da colheita do fruto vem o cuidado com a árvore que o abriga, um cuidado que precisa iniciar antes mesmo do nascimento do fruto. Antes do nascimento do fruto também vem o cuidado com a semente. Antes que a árvore possa produzir frutos deve existir o cuidado com o solo, de afastar as plantas “invasoras”. Além do cuidado de semear a árvore na estação correta.
O fruto pode até nascer e morrer por si mesmo, sem que precisemos meter-lhe o bedelho. O clima, o solo, a planta, tudo perfeito para o nascimento do fruto. O fruto pode estar nascido, pode estar ali à vista de todos; uma verdadeira obra-prima, que até parece ter brotado pela mão dos anjos. Mas e se as pessoas que rodeiam a árvore e seus frutos estiverem interessadas mesmo, em comer carne, se elas são carnívoras? Nós que enxergamos o fruto e conhecemos o seu sabor, também nos tornaremos carnívoros ou vamos ficar sentados ao pé do fruto, xingando a todos que se desviam da sua direção, dizendo: “hei, seu idiota, vem degustar o fruto da vida. Como podes passar pelo fruto da vida sem reparar na sua beleza e sem querer te nutrir com as suas proteínas?” O que fazer? Nos fartamos sozinhos do fruto; aprendemos a gostar dos sabores proibidos ou tratamos de conhecer melhor o caminho que nos levou a gostar de frutos, e os outros que estão a nossa volta, a se deliciarem com o gosto amargo das carnes? Deste encontro não pode brotar um outro alimento, menos proibido?
Ou seja, temos a imprescindível urgência, a incontornável obrigação de não dançar conforme a música, de mudar o rumo do barco, de escrever uma nova história. Mas nós não somos os únicos a fazer história e por ela ser feitos. Não somos os únicos a querer puxar a brasa pro nosso assado. Temos que prestar atenção no tempo, mas não podemos perder de vista à direção dos ventos e eles não tem soprado a nosso favor. Não basta ter coragem, é preciso ter cara e corpo. Não basta ter a alma aberta, o corpo precisa estar liberto e nunca estivemos tão acorrentados como nos dias correntes. Acorrentados em nossas próprias amarras, sem dúvida, mas não apenas nelas. Resolver nossos problemas e contradições não significa resolver as contradições e problemas insuportáveis da vida egoisticamente globalizada, embora este possa ser um passo importante nesta direção.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Momento poético



Poema em linha reta

Fernando Pessoa
(Álvaro de Campos)


Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.


E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.


Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...


Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,


Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?


Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?


Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Licença poética...



Peço licença uma vez mais para entregar-lhes novas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...


Estava aqui a pensar numas palavras quentes e candentes
para espantar o frio desta estação e do meu coração:

Tua alma me arrepia.
Teu corpo me desatina.
Tua luz me alucina.
Teu olhar me ilumina.
Teu jeito me fascina.
Teu peito me incendeia.
Tua boca me acende e sufoca.

Eu e a minha imaginação!

Apelo poético



Se queres me agradar, não fumes perto de mim.
Agora, se preferes que eu te faça um agrado permita-me sugerir-te que não fumes em lugar nenhum.
Faço gosto que continues tendo vida e a tenhas em abundância.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Pelo direito à informação



Ainda na noite de ontem, foi aprovado o projeto de lei de autoria da bancada do Partido dos Trabalhadores, estabelecendo a obrigatoriedade de introdução de texto informativo impresso nos carnês de cobrança do IPTU, contendo orientações sobre o direito à isenção (ou a outros benefícios tributários de qualquer espécie) do referido imposto, nos casos previstos em lei.
A proposta objetiva assegurar o direito à informação, preceituado pela Carta Magna do país e pela Lei Maior do nosso município, respectivamente a Constituição Federal de 1988 e a Lei Orgânica do Município de Herval, promulgada em 1990.
Tal iniciativa tem por escopo levar informações ao conjunto da nossa população referentes à isenção parcial ou total do Imposto Predial e Territorial Urbano nos casos previsto em lei. Neste sentido, os próprios carnês de cobrança do mencionado imposto, configuram-se em espaço privilegiado para veicular tais informações.

Política Nacional dos Resíduos Sólidos em debate


Em sessão ordinária realizada ontem, a Câmara Municipal aprovou requerimento da bancada do PT, solicitando a realização de audiência pública para debater o manejo correto dos resíduos sólidos no âmbito do município de Herval, a luz da Política Nacional dos Resíduos Sólidos, recentemente sancionada pelo presidente Lula.
A proposta visa promover a reflexão acerca da política atual de destinação do lixo em nosso município, bem como esclarecer a opinião pública e as autoridades locais sobre as novas regras do setor; as quais visam compartilhar a responsabilidade entre sociedade, empresas, governos estaduais, união e prefeituras no tocante ao manejo correto do lixo.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Cartão candente de aniversário!



Eis a seguir mais umas palavras inspiradas na minha musa imaginária...

Penso que o mais importante nesta data não são os festejos que ela sempre pede, mas as lembranças e os planos que acabamos preparando pro futuro; sempre inevitáveis no momento em que contamos mais um ano em nossas vidas.
Tempo de aniversariar é tempo de pensar na vida: na vida que levamos até aqui e naquilo que almejamos viver daqui para frente.
É tempo de pesar as coisas na balança: as conquistas, as derrotas, as delícias, as feridas, as dores e os amores (alguns deles perdidos para sempre nos abismos do tempo!).
Muitos preferem obsequiar os aniversariantes com presentes. Eu prefiro estar presente (ainda que seja em pensamento) neste momento tão importante, em que somos convidados a renascer para o mundo e, ao mesmo tempo, renascer das cinzas de nós mesmos.
Que este tempo de pensamentos intensos sobre o sentido das coisas e das tuas coisas seja um tempo leve e fértil. Um tempo profundo e infinitamente breve...
Que o tempo continue sendo generoso contigo e as marcas que ele carrega sigam realçando tua boniteza, de corpo e alma. Enfim, que este ano ora creditado na conta dos teus anos, tenha o peso e a medida exata de mais um botão a desabrochar de tua blusa!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Licença poética...



Peço licença novamente para entregar-lhes mais algumas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...


Dás-me vontade de reviver meus tempos de infância.
Mas como o tempo não aprendeu a andar para trás, permito-me escrever-te palavras ternas e despudoradas, como uma brincadeira de criança:

É impossível, eu sei. E a impossibilidade não é um detalhe tão pequeno entre nós dois.
Mas pior que a impossibilidade de te ter por inteiro, seria a impossibilidade de te ter perto.

Tua presença me perturba e atrai.
Tua pele me arde e aquece e queima.
Encantas-me como gente e como mulher.

Na falta de uma fresta para extravasar meu sentimento por ti,
resigno-me em poder apanhar as migalhas do teu ser, e elas me gastam.
Elas também me bastam para dar corpo ao poeta que se esconde dentro de mim.

Coisas de menino travesso. Sabes como é!

Um pouco de história...



Herval, Sentinela da Fronteira


O nome do município origina-se da erva-mate encontrada em abundância nas matas quando da sua colonização. Na época era grafada com “h”. Poucos anos depois, sem os cuidados com a reposição ou extermínio, havia sido dizimada toda a vegetação nativa daquela árvore, hoje grande fonte de renda em outras regiões.
É o povoado mais antigo pertencente ao então município de Rio grande, que abrangia a região Sul do Estado.
Em outubro de 1777, Portugal e Espanha, firmaram um convênio que recebeu o nome de Tratado Preliminar de Restituições Recíprocas, destinado a demarcar os limites entre possessões de um e outro. Por esse tratado, o Rio Piratini e seu afluente Arroio Basílio limitaram as possessões dos dois países. Sendo este arroio o limite norte do atual município de Herval, ficava o mesmo, portanto, pelo tratado de 1777, sob o domínio espanhol. Porém, Rafael Pinto Bandeira, que ficara encarregado de guarnecer a fronteira estipulada pelos demarcadores, insistiu em fazer avançar até o Rio Jaguarão o domínio lusitano. Com esse objetivo, em meados de 1971, na margem direita do Arroio Herval, foi iniciada a construção de uma igreja, um quartel e um quadro de trincheiras. Aí estava, em pleno domínio adversário, o que seria o núcleo da atual cidade de Herval. Em meio a algumas escaramuças que esporadicamente ocorriam, o povoado foi crescendo.
No dia 18 de janeiro de 1825, o povoado foi elevado à Freguesia.
Pela Lei nº. 757, de 04 de maio de 1871, foi elevado à categoria de município.
A sede foi elevada à categoria de Vila em 20 de maio de 1881, pela Lei Providencial nº. 1326. E, pelo Decreto-Lei nº. 311, elevada à categoria de cidade em 02 de março de 1938. (Fonte: material informativo produzido pela Secretaria Municipal de Cultura, Turismo, Desporto e Lazer, em 2010)

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

O silêncio e as palavras mortas



Assim, subitamente, me vieram à cabeça umas palavras que me foram escritas há algum tempo por um amigo que vive lá pelas bandas da capital, numa certa ocasião muita minha.
Escreveu-me ele: “preferi o silêncio. Lembrei da história contada por um amigo que aprendeu com outro amigo e que foi responsável por sua formação de escritor, o escritor Juan Carlos Onetti uma pessoa que gostava de fumar muito, tinha poucos dentes e lia vorazmente; Galeano com sua lembrança de Onetti conta que ele costumava mentir para emprestar prestígio a suas palavras. «Inventaba que eran proverbios y decía que era un proverbio chino ese de que: las únicas palabras que merecen existir son aquellas mejores que el silencio. Yo siempre supuse que era un proverbio onettiano, por lo mentiroso, pero ahora me enteré que era un proverbio hindú. Y sea chino, onettiano o hindú dice la verdad»”.

Pois é, as únicas palavras que merecem existir são aquelas melhores do que o silêncio!!!
Por que motivo essas sábias palavras vem perturbar o meu pobre pensamento nesta noite fria em que escrevo? Eu que me encontro completamente mudo no meu canto, não por uma livre escolha, mas porque estou de mal com essas minhas palavras mortas que apenas servem para me deixar nu e imundo diante de todo mundo e não aquecem nem cativam um só coração.
Suponho que seja um anjo soprando na tentativa de arrancar esse nó da minha garganta. Uma mão amiga querendo me fazer vomitar as palavras falsas e venenosas de amor que me desses para ingerir, quando devias ter desfrutado o prazer da minha carne com a boca calada como uma pedra intocada e bruta.

O bom é que o meu corpo lanhado de sofrer prefere o calor crescente e constante ao fogo meteórico da paixão!
Sorte minha que as dores de amar me ensinaram a perceber o fel que se esconde por trás da mudez lasciva e fácil do mel!
A minha salvação é que a vida me ensinou a enxergar além do orgasmo fingido das palavras proferidas para deturpar o silêncio e a paz do meu ser!

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Momento poético



LUA ADVERSA

Cecília Meireles

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases como a lua...)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...