sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Música para os meus ouvidos


Canções que cantam o amor me tocam muito, apesar do amor sempre bater na minha porta, não se demorar muito e logo partir para voltar trajando novas vozes, formas e conteúdos.





quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Momento poético



Se Eu Fosse Um Padre

Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
– muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,
não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições…
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,
Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!
Porque a poesia purifica a alma
… a um belo poema – ainda que de Deus se aparte –
um belo poema sempre leva a Deus!

(Mario Quintana)

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Confissões de um poeta louco ou de um louco poeta!


Já fiquei numa relação apenas por causa dos filhos. Já dei fim ou deixei esfriar relacionamentos por causa dos meus filhos. Já assumi filho que não é meu biologicamente falando. Já aceitei o desafio e a alegria de ser pai do coração. Já me demorei em relacionamentos muito mais em razão dos filhos da e apenas da parceira. Já tive relacionamentos à distância que ajudei nas despesas como se vivesse debaixo do mesmo teto. Já aceitei entrar num relacionamento com a pessoa grávida de outro. Já esperei por alguém por mais de um ano para assumir um relacionamento que, por conta do desdém ou farsa da outra parte envolvida, logo não deu em nada.

Já abri mão de espaços ou oportunidades em favor de outras pessoas. Já dei a outros os créditos por coisas que fiz. Já estive muitas vezes na cara do gol, mas preferi passar a bola para um companheiro, tanto no futebol quanto na vida profissional e política. Já publiquei um livro. Já plantei algumas árvores. Já viajei por quase todas as partes da minha terra e por vários lugares do meu estado e fora dele. Já trabalhei em muitos projetos sem cobrar nenhum centavo. Já vi meu trabalho ajudar a salvar vidas ou curar enfermidades. Já vi meu trabalho ajudar a realizar sonhos ou colocar as coisas nos eixos. Já vi também meu trabalho ajudar a plantar sementes e colher muitas coisas boas para muita gente.

Fui, provavelmente, o primeiro cidadão da minha cidade a criar e alimentar um blog regularmente. Já chorei algumas perdas e pela passagem de pessoas queridas. Já ri muito sem motivo e por alcançar algumas vitórias e conquistas. Já tentei me colocar no lugar e sentir a dor de outrem. Já vi pessoas caras virarem a cara para as minhas dores. Já conheci as raias da loucura e os abismos do abuso. Já cai do cavalo. Já levantei incontáveis vezes, sempre melhor e mais forte. Já brinquei com fogo. Já fui queimado pela falta de amor de quem jurava me amar. Já sofri injustiças, ataques infundados, falsos testemunhos...

Ainda vivi pouco ou fiz quase nada, mesmo assim tenho uma boa bagagem e meus passos, para quem presta atenção neles, indicam que estou longe da perfeição, porém sempre prezei por ser verdadeiro e para além das palavras. Contudo, há quem aponte uma flagrante contradição entre o que escrevo e aquilo que faço ou veja apenas as palavras que saem de mim, muitas vezes arrancadas a suor ou fórceps. Talvez por pura maldade ou visão míope. Talvez porque julguem os livros pela capa ou pela opinião apressada que a crítica faz sobre eles. Talvez porque confundam ou limitem o autor à sua obra.

Na verdade, o que se escreve diz muito, porém nem sempre diz alguma coisa sobre quem escreve. Bom lembrar que poetas e escritores tem o dom de inventar, como atores tem o dom de representar.

Então, se queres conhecer-me, mira o homem ou o ser que se protege ou esconde por trás das palavras, como se elas fossem escudo ou capa. Mira e observa meus passos e tropeços. Mira por ti mesmo e livre de preconceitos ou expectativas ou interesse de andar ao meu lado. Mira com "teus próprios olhos" e sente-me com teu coração, pois o juízo alheio costuma falhar ou é feito tão somente para ferir ou deturpar.

Sou péssimo em falar das minhas intimidades e detesto fazer propaganda de mim mesmo, mas quando coisas que estão na cara não são vistas ou se prestam à incompreensão ou maldade alheia, abrir o baú do nosso ser é um dever.

Nem só de pão viverá o homem




segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Licença poética



Peço licença novamente para entregar-lhes outras palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...

Jurei de pés juntos juntar todos os meus cacos para colar na tua vida.

Promessa cumprida, ainda que se diga que o resultado não é nenhuma obra de arte.

Parada pedagógica



sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Coxinhas e mortadelas juntos?


Não falta quem questione ou condene o fato do PT fazer parte do governo municipal encabeçado pelo PSDB. De fato, especialmente no momento político atual do país, essa parceria soa ainda mais estranha e indesejável. Afinal, no plano nacional os tucanos foram um dos principais avalistas e ativistas do golpe contra a presidenta eleita legitimamente, Dilma Rousseff (PT). No entanto, além das peculiaridades locais, existem outras razões muito maiores que a mera disputa partidária que une as duas siglas na Sentinela da Fronteira.

Para começo de conversa, a aliança do PT não é pura e simplesmente com o PSDB. Em 2011, ainda durante o primeiro governo de Ildo Sallaberry (PP), o Partido dos Trabalhadores, após longo debate e decisão amplamente majoritária dos seus filiados, decidiu fazer parte da administração e compor com o grupo político que vinha promovendo enormes avanços e conquistas em todos os cantos da terra hervalense, com apoio e grande volume de recursos ofertados pelos governos Dilma e Tarso. Grupo político, então, encabeçado pelo PP e composto por PSDB e DEM que, além do PT, acabara quase que concomitantemente por ser reforçado pelo PPL. Com isso, o prefeito Ildo recompunha a base de apoio – uma vez que PMDB e PTB preferiram se “bandear para a oposição” –, e ainda promovia um estreitamento maior das relações e o aumento da parceria com os governos federal e estadual da época.

Desta forma, esse casamento político logo se mostrou saudável e bem-sucedido, na medida em que Herval acabou sendo o maior vencedor e beneficiário do mesmo, algo facilmente comprovado pelas obras e investimentos realizados a olhos vistos na cidade e no campo dali em diante, bem como pelos inúmeros gestos de lealdade, respeito e admiração recíprocos, representando mais que a tão almejada eficiência e resultados administrativos, mas também o rompimento com a velha política da chantagem ou do “toma lá dá cá” e numa demonstração concreta de que a política pode ser boa e que os diferentes podem somar forças e esforços em benefício da coletividade.

Por tudo isso, nada mais natural que o PT permanecesse junto no momento desse grupo político escolher o sucessor do prefeito Ildo. Uma escolha, diga-se de passagem, cujo nome indicado para se submeter às urnas em 2016 foi feita com base no resultado de uma enquete que consultou a opinião pública sobre o assunto, e não por meia dúzia de caciques fechados entre quatro paredes. Ademais, além das questões de ordem estritamente ideológicas e do calor da batalha política histérica que atrasou e contaminou o país de norte a sul, não havia razões para o PT se apartar desse grupo político coeso e que tanto bem havia feito a Herval, no sentido administrativo e político, conforme já fora dito. A saída do PT desse grupo aquela altura é que representaria uma espécie de golpe e os petistas prezam pelo jogo político limpo e na bola, rechaçando qualquer tipo de golpe ou decisão oportunista.

Além disso, também pesou na balança dos petistas o tamanho do PSDB em Herval. Ou seja, sem nenhum menosprezo ou subestimação da força, o fato é que o PSDB ainda não decolou e até o presente momento em solo hervalense pode ser considerado um partido nanico. Até aqui o partido ainda não elegeu nenhum vereador (até teve um na última legislatura, porém eleito por outra sigla). Situação que se repetiu no último pleito sendo que, na prática, o tucanos tem atualmente o prefeito mais um ou dois cargos no primeiro escalão do governo e depende totalmente dos aliados para assegurar a governabilidade e as definições políticas, tanto no legislativo quanto no executivo.

O presente escrito, porém, não tem a pretensão de responder todos os questionamentos ou aspectos que envolvem uma engenharia política tão complexa ou contraditória na visão de muitos. Na verdade, como petista, reafirmo o caráter republicano e o acerto dessa composição política, nem tanto sob o ponto de vista partidário, mas principalmente pelos bons frutos já colhidos na esfera administrativa e pelo que ela representa de possibilidades de construir ainda mais mudanças positivas e novos avanços para o nosso amado Herval.

Cenas da vida inventada





Rir é o melhor remédio



quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Momento poético



CANÇÃO DO AMOR SERENO (Lya Luft)


Vem sem receio: Eu Te Recebo...

Como um dom dos deuses do deserto
que decretaram minha trégua,
e permitiram que o mel de teus olhos me invadisse.

Quero que o meu amor te faça livre,
Que meus dedos não te prendam,
mas contornem teu raro perfil,
como lábios tocam um anel sagrado.

Quero que o meu amor te seja enfeite e conforto,
porto de partida para a fundação do teu reino
em que a sombra seja abrigo e ilha.

Quero que o meu amor te seja leve
Como se dançasse numa praia uma menina.