sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Ato político



Nesses tempos em que os representantes da velha política e do PIG (Partido da Imprensa Golpista) retomam com força a tática de sangrar a golpes de manchete as forças democráticas e progressistas desse imenso país na tentativa de derrotá-las ali na frente, trago aqui um escrito que produzi no idos do ano de 2005. São palavras antigas, mas que continuam atuais...


O PT acabô. Ptlhos voltem pra suas casas, pra debaixo das pontes, pra suas ilusões, pro trabalho nas fazendas e fábricas.

Vocês nunca souberam onde estavam metidos e buscavam o infinito.

Vocês nunca entenderam o valor das pequenas vitórias e preferiram dar o passo maior que a perna.

Vocês nunca engoliram os que estavam do seu lado e queriam conquistar o mundo.

Vocês morreram por suas próprias mãos. Descansem em paz!

Política é coisa pra nós, as elites financeiras, intelectuais e morais.

Refestelam-se os velhos lobos e os urubus... (de todos os lados!)

Acotovelam-se os deformadores de opinião, lambendo a baba dos poderosos;
jogando ao ar palavras da ordem injusta.

Amontoam-se as velhas prostitutas pelos quatro cantos, pregando castidade.

Guerra santa... inquisição; más companhias; contradição; um pouco de tudo, nada; hipocrisia; pirotecnia; mentes insanas; mentiras; execuções sumárias; joio jogado junto ao trigo; intrigas; reputações arranhadas com provas falsas.

Todos pagando o alto preço cobrado pelos desvios ético-políticos cometidos por uns poucos; sonhos roubados; embromações.

Mas a luta de classes continua...

Aqui, ali e acolá ainda se pode ver e viver a vida vertendo, em pleno apelo à morte da história e das lutas organizadas do povo.

De sul a norte, de baixo pra cima, os escultores da obra inacabada, prima, e mãe e filha da boa luta; seguem esculpindo sua história de sonhos, suor, lágrimas e conquistas.

Por aí vão andando, com suas opiniões e arranhões. Atormentados, apedrejados, amantes amorosos da esperança, esperançadores. Penando, pelechando, sustando o susto. Refazendo-se das surras. Garimpando o bom da coisa ruim. Remoendo-se, rememorando-se, recriando-se, reescrevendo-se, reacendendo-se, brasa ardendo em chamas.

Podes crer incrédulo, que a leitura sofrida do borrão desta página há de valer a pena,
porque a alma da brava gente não é pequena, mesmo coberta de lama.

A estrela continua no céu, na terra, nos corações! Brilhando, encantando, guiando as mentes e mãos calejadas.

A opressão continua viva e forte. A coragem de mudar continua sã e salva. A luta continua...


quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Meu reino por um crioulo




Prefeitura de Herval adere ao dia de paralisação da Azonasul





A prefeitura de Herval paralisou as atividades ontem, 27, sendo mantidos em funcionamento apenas os serviços essenciais. A paralisação atendeu a deliberação da AZONASUL, tomada durante reunião dos prefeitos realizada no município de Cerrito.

O objetivo da paralisação foi chamar a atenção da presidenta Dilma Rousseff para a necessidade de sancionar o projeto de redistribuição dos royalties do petróleo a todos os municípios e pela aprovação da restituição do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que aliviaria a situação de dificuldade financeira vivida pela maioria das prefeituras.

Além do prefeito Ildo Sallaberry que participou de coletiva de imprensa e de manifestação na esquina democrática em Pelotas, os funcionários e autoridades municipais também se somaram a manifestação com a colocação de faixas e ato realizado em frente ao prédio da prefeitura.

O movimento que faz parte da estratégia municipalista que há três anos luta pela partilha mais justa e equilibrada a todos os municípios brasileiros dos tributos pagos à nação brasileira pela exploração do petróleo e gás nas plataformas de alto-mar que hoje são recebidos somente pelos Estados e Municípios confrontantes onde desembarcam o combustível, como Rio de Janeiro, Espírito Santo, Alagoas e São Paulo.

Já com relação ao FPM, os prefeitos esperam a liberação de mais uma parcela, o que poderia garantir um fim de ano com as contas fora do vermelho. Caso contrário, em razão da Lei da Ficha Limpa, os atuais gestores poderão ter que responder na Justiça por improbidade administrativa se terminarem o mandato deixando despesas a pagar para a próxima administração.

Segundo a servidora Cristiane D’Ávila “é importante a mobilização dos prefeitos e de todos os servidores públicos e da comunidade em geral. Isto porque tanto a queda nos repasses das prefeituras quanto o possível aumento da receita dos municípios a partir de 2013 com a repartição mais justa dos royalties são situações que afetam não somente os gestores municipais, mas principalmente o funcionamento das prefeituras e o atendimento das demandas da população”. Ainda de acordo com Cristiane, “não se trata de criticar o atual governo federal, mas de defender o fortalecimento e o aumento na participação do bolo tributário do país por parte desse ente fundamental da nossa federação que é o município”, concluiu.


Rir é o melhor remédio





segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Prefeituras paralisam atividades



As prefeituras da região paralisam suas atividades amanhã, 27. Durante a paralisação serão mantidos em funcionamento apenas os serviços essenciais, como os atendimentos de saúde e o trabalho da educação.

A manifestação, decidida durante a última reunião da AZONASUL, atende a proposição do prefeito de Pedro Osório, César Roberto de Brito (PT), apresentada durante a reunião de prefeitos realizada em Cerrito, tendo como objetivo chamar a atenção da presidente Dilma Rousseff para a necessidade de sancionar o projeto de redistribuição dos royalties do petróleo a todos os municípios e pela aprovação da restituição do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que aliviaria a situação de instabilidade financeira vivenciada pela maioria das prefeituras, em decorrência da redução dos repasses da União às administrações municipais, desencadeada a partir da desoneração tributária promovida em nível nacional.

Segundo o prefeito de Herval Ildo Sallaberry, “a maioria dos municípios depende sobremaneira dos repasses da União, sendo que a isenção de tributos promovidas no âmbito federal se, por um lado, incentivam o consumo interno visando reduzir os efeitos da crise internacional; por outro, afetam direta e drasticamente os municípios com a diminuição dos repasses do FPM, prejudicando o atendimento de ações e serviços essenciais pelas administrações municipais”.

Além da paralisação do funcionamento das prefeituras, ainda está prevista uma manifestação dos prefeitos e outras autoridades municipalistas a ser realizada em Pelotas, também na data de amanhã.


quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Licença poética



Peço licença novamente para entregar-lhes novas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser...


Há quem me defina como poeta...
Poeta, eu? Que nada!

Pateta me cairia melhor.

Poesia é o que arrepia.
Poesia é o que se sente na pele e abre as pálpebras.
Poesia é o que cabe na palma da mão e leva ao infinito.
Poesia é fervor, favo, paz, mutilação, o ar que insufla o pulmão.

Poeta é Pessoa, Quintana, Gullar, Carpi, Espanca...

O que faço não é poesia!

O que faço é heresia, é abusar das palavras, é estuprá-las com minha força e falta de tato e talento para a poesia.

Sou apenas um gigolô das palavras, uma pessoa sem préstimos que usa a pena para aumentar as penas.

Sou um serzinho de nada, alguém que invade a quinta alheia à procura das uvas mais doces e delicadas.

Sou um cara banal, alguém que possui muita gula é pouco jeito para se alimentar com a palavra que enobrece e inebria e sacia e...

Sou um sujeito qualquer, alguém que cata poesia como um estranho que carpi o terreno poético sem saber aonde pisa.

Sou um cafajeste, um cara descontrolado que espanca a poesia para sacodir a poeira e arrancar todo pudor que ela esconde em suas entranhas.

Sou apenas um misto de mim e todos os outros poetas quem me habitam e cercam e libertam.

Poeta é alguém que enamora e se joga e se funde com o mar por meio da palavra.
Alguém que jamais irei lograr ser...
Algo que nunca irei alcançar...

Chego apenas na margem e minha inspiração me permite apenas um parco poetar, apesar do mar imenso dos teus olhos que me fazem sonhar e deixam louco por navegar no teu amar.


Catando histórias




quarta-feira, 21 de novembro de 2012

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Ato político




Ato político de hoje pega pesado, porque hay que endurecerse, pero sin perder la ternura.
Faço coro com as palavras, duras mas necessárias e apropriadas de Diogo Costa.

Uma coisa é julgar e condenar alardeados mal feitos, outra coisa é a Mais Alta Corte deste país condenar alguém, com absoluta falta de provas e sem direito a ampla defesa, apenas pelo fato dele ser quem é.

Ou seja, é como se um pai ou mãe devessem pagar pelos crimes cometidos por um filho, tão somente por estarem investidos da condição de pai e mãe de um delinquente. Uma tremenda injustiça e um precedente perigoso que põe em risco o Estado Democrático de Direito, patrocinado justamente pela instituição que mais deveria zelar por ele.

Por trás dos muitos golpes de manchete sobre o tal mensalão o que existe é uma tentativa espúria de criminalizar o maior partido da América Latina. Quem não sabe! E não se trata de tapar o sol com a peneira, mas de dar um chega pra lá na hipocrisia.

Se os falsos moralistas de sempre quisessem de fato oferecer novos ares ao ambiente político-institucional desse continental país, estavam torcendo e fazendo força pela reforma política, ao invés de fazerem evolução na frente das câmeras, apontar os defeitos alheios com o dedo sujo e barrar qualquer tentativa de avanço nas regras do nosso jogo político.

Sem uma reforma política que institua, entre outras medidas, o financiamento público das campanhas eleitorais, desvios e malfeitos continuarão a existir. Mas em se tratando do PT serão batizados com outro nome, o tal mensalão, na tentativa sustentar a tese de que essa agremiação partidária é constituída e comandada por uma multidão de criminosos e oportunistas insaciáveis.

O pior é que as instituições que deveriam garantir os direitos e os avanços alcançados na sociedade parecem preferir a volta ao passado. A onda agora é condenar o PT e alguns de seus expoentes, preferencialmente ao vivo em rede nacional. E a lei? Que se dane a lei. A lei vale para todos, menos para "essa gentinha". Já vivemos esse apartheid político-social durante intermináveis anos e ele, além de motivo de vergonha, foi um dos maiores responsáveis pela estagnação do Brasil e dos brasileiros. Regimes de exceção nunca mais, ainda que eles estejam cobertos pela toga da aparente legalidade e da justiça. 


José Dirceu, uma história de resistência. 


Por 
 


José Dirceu foi condenado sem nenhuma prova contra si. Foi condenado por ser quem era no primeiro governo Lula. E, mais do que isso, condenado por ser a figura pública que é desde 1967. Já fora condenado no passado por psicopatas, por facínoras fascistas e golpistas que instituíram um regime de exceção que assassinou, estuprou, torturou, escondeu cadáveres, censurou e que praticou atos de terrorismo de estado e inúmeros crimes contra a humanidade. Pois bem, José Dirceu estava do outro lado, lutando pelas liberdades democráticas, teve sua vida posta em jogo em nome de uma causa. Foi preso, torturado, processado, julgado, condenado e banido do país por lutar contra os vermes que assaltaram a democracia, a Constituição e o povo brasileiro em 1964.

Este é José Dirceu. E por saber quem é José Dirceu é que os fascistas de hoje urram de prazer por encarcerá-lo novamente. Os fascistas de hoje tiveram uma vitória de pirro, pois o povo brasileiro os abomina há muito tempo e vem manifestando o seu intenso repúdio contra essa camarilha de impostores covardes e de farsantes togados que patrocinaram uma das maiores fraudes judiciais da história do Brasil. Odeiam José Dirceu e o PT, sentem por eles raiva, nojo, ojeriza, repulsa e um incontrolável sentimento de ódio. E o fazem porque, acima de tudo, odeiam a democracia, odeiam a liberdade, odeiam uma pessoa e um partido que nasceu, cresceu e se forjou nas lutas contra a tirania e a opressão ditatoriais. Odeiam uma pessoa e um partido que fizeram e fazem da bandeira da justiça social, da distribuição de renda e da igualdade de oportunidades a sua própria razão de existir.

Condenaram um réu ampla, geral e irrestritamente inocente para satisfazer a sanha de uma imprensa pestilenta que se nutriu e se agigantou lambendo as botas da ditadura. E, além de tudo o que já foi dito, agora os fascistas salivam de prazer, aliás, não é de prazer, é de alívio. Os fascistas são covardes, temem o povo brasileiro e abominam tudo o que é ligado a temas sensíveis aos históricamente deserdados por uma classe dirigente perversa, mesquinha e atroz. Por isso criminalizam a política, por isso preferiram desde sempre construir cadeias ao invés de construir escolas. E o ódio dessa gente se agiganta cada vez mais, onde já se viu fazer PROUNI para que esses pobres miseráveis e desgraçados venham a ocupar as faculdades que sempre foram um privilégio dos endinheirados? Onde já se viu implementar as cotas para que os negros que sempre foram discriminados neste país racista chamado Brasil possam se formar em Medicina? Onde já se viu implementar cota de 50% de vagas para estudantes oriundos da escola pública nas Universidades, que sempre foram o reduto preferencial dos filhinhos de papai? Que história é essa de trabalhadores que levantam a voz em nome de seus direitos desde sempre sonegados? Que história é essa de regulamentar o trabalho das empregadas domésticas, quem haverá de limpar as privadas onde se assentam as alvas e cultas bundas dos habituais detentores da renda nacional? Que história é essa dessa sub-raça de negros e pobres favelados frequentando shopings centeres e aeroportos? E assim vai...

É por isso que nutrem tanto ódio contra José Dirceu e o PT. Um ódio indisfarçável. Um ódio que, aliado ao medo típico de um burguês assustado com a ascenção social das classes menos abastadas, transforma-se em fascismo incontrolável. Pois logo esses burgueses assustados, que se reinventam enquanto fascistas envergonhados, descobrirão que a marcha da história é maior do que um homem e até mesmo do que um partido. Descobrirão que a condenação e subsequente prisão de um inocente servirá apenas para incentivar ainda mais a luta daqueles que pretendem tornar o Brasil uma nação civilizada para todos, e não para meia dúzia, para a meia dúzia de sempre. Lamentávelmente estamos em 2012, a farsa protagonizada pelos verdugos togados está incompleta! Ó, meu Deus, porque não estamos, ao invés de 2012, em 1812?! Fosse assim, poderiam condenar José Dirceu a pena de morte, poderiam enforcá-lo, esquartejá-lo, confiscar os seus bens e os bens de sua família e espalhar seus pedaços despedaçados num fulgurante caminho entre São Paulo e Brasília! Serviria de exemplo para que nunca mais essa gentalha desprezível ousásse contestar o poder dominante...

Pois digo eu agora, que sigam adiante! A vingança não está ainda completa. Denunciem Luiz Inácio Lula da Silva, o processem, o julguem, o condenem sem prova alguma e com base no "domínio do fato". Encarcerem este desgraçado deste nordestino analfabeto, pau de arara e cachaceiro sindicalista! Encarcerem esse ser desprezível que despertou as massas para um futuro melhor, que os engravatados sempre conseguiram sonegar e postergar e impedir que o povo brasileiro sequer sonhasse com isso! Mas não devem apenas encarcerá-lo, devem encarcerá-lo num presídio de segurança máxima, de preferência no meio da floresta amazônica ou em alguma ilha perdida no Oceano Atlântico. E, óbviamente, devem condená-lo em mais de 30 anos de regime fechado, sem direito a visitas e nutrido única e exclusivamente com pão seco e água barrenta! E também não se esqueçam de considerá-lo um infame que atentou contra as instituições, tal qual fizeram quando exararam a sentença de morte para um certo Joaquim José da Silva Xavier...

E, depois de tudo isso, lamento informar aos fascistas de plantão, mas presenciarão, estupefatos, que mesmo com todas essas vilanias, não acabarão com o Partido dos Trabalhadores. E não acabarão justamente porque o PT não é um fim em si próprio, mas antes uma imposição histórica que surgiu e sem mantém firme justamente porque o Brasil é um país racista, injusto, violento e que despreza e humilha os verdadeiros heróis nacionais, que são os trabalhadores que produzem a riqueza social tão pérfidamente distribuída. A militância do PT surgiu para combater as injustiças, sejam elas quais forem. Os que os verdugos deveriam saber é que a cada condenação sem provas, a cada vilania que cometem sem pudor algum, resta o aumento da indignação de uma militância ávida pela luta, ávida por destruir os grilhões que oprimem o povo brasileiro. As injustiças são o alimento dos que se indignam contra a barbárie. Pois que continuem operando suas farsas, estão apenas a alimentar e fortalecer o Partido dos Trabalhadores. Pois que continuem, que inventem, denunciem, processem e julguem mais 01, 02 ou dez "mensalões", que coloquem 01, 02, 10, centenas ou milhares de dirigentes do PT atrás das grades! E de preferência que façam tudo isso com base em fraudes processuais!

Força José Dirceu, os que hoje te condenam estarão amanhã repousando na lata de lixo da história, como estão já hoje os infelizes que golpearam a nação em 64. Nunca serão mais do que notas de rodapés. Teu nome já está na história, e ela ficará ainda mais bonita acrescida da luta contra a tirania atual. Tu és um forte, um sobrevivente, e vais sobreviver e vencer novamente aos teus algozes. Como ontem, fará hoje e amanhã a boa luta que engrandece e dignifica a batalha secular do povo brasileiro por justiça, por igualdade e por dignidade. Aos opressores, o opróbrio. Aos lutadores, uma efusiva e mais do que justa salva de palmas! 

Pitada filosófica



Música para os meus ouvidos


Tenho um amor não correspondido pela boa música. Um amor intuitivo e despido dos delírios da ciência.

Mas Cartola é mais que boa música. Cartola é covardia em termos de arte. Cartola me derruba, me arrebata. Cartola me inspira, me faz sentir gosto por ser gente. Cartola foi a gentileza em pessoa, embora a indiferença e os açoites que recebeu em sua passagem pela humana existência.




segunda-feira, 19 de novembro de 2012

O Legislativo sem um representante do PT




O resultado da última corrida eleitoral decretou a perda da Cadeira no Legislativo Municipal conquistada pelo Partido dos Trabalhadores no ano de 2004. Não venho aqui questionar a vontade popular manifestada nas urnas (algo sempre soberano numa democracia) nem abordar as muitas feridas internas do Partido (algo que sempre fica exposto a cada eleição municipal). Minha intenção, neste momento, é fazer uma rápida abordagem sobre as principais bandeiras e conquistas da sigla, como também o importante papel desempenhado pelos petistas na cena política local, a partir da conquista de um espaço no Parlamento.

Infelizmente, poucos cidadãos costumam acompanhar os trabalhos legislativos. No entanto, quem acompanha tais trabalhos sabe que se pode dizer que existiu uma Câmara Municipal antes e outra depois da passagem do PT neste importante palco da democracia. E aqui não vai nenhum exagero ou menosprezo às representações das demais agremiações partidárias. Sem dúvida, alguns já fizeram muito e outros que estão chegando poderão fazer mais e melhor, porém é importante registrar a contribuição imprescindível dos mandatos petistas ao longo desses anos, seja no sentido de fortalecer o Legislativo enquanto instituição autônoma e independente, seja enquanto agente de mobilização popular e espaço sempre aberto para o debate dos assuntos do interesse da nossa sociedade ou ainda como ferramenta para articular investimentos federais e estaduais no município.

O direito de pagar metade do valor das inscrições em concursos públicos para pessoas comprovadamente doadoras de sangue; a norma que instituiu o estágio curricular na Câmara, dando oportunidade do primeiro emprego para nossos jovens; a legislação que facilita a  compra de medicamentos fornecidos a pacientes do SUS, por meio da adesão ao Registro de Preços do Ministério da Saúde; as inúmeras audiências públicas para debater problemas que afligiam a comunidade, como a execução do Luz Para Todos e do Crédito Fundiário; a proposta de criação da Casa dos Conselhos, apresentada no ano de 2006 e executada pelo atual governo na intenção de fortalecer os conselhos locais. Eis aqui alguns exemplos do papel destacado do PT na Casa do Povo.

Sem falar no trabalho de articulação política que redundou em inúmeros investimentos ou na perspectiva de novas e importantes conquistas. Neste sentido, cito novamente o Programa Luz Para Todos, os investimentos do Incra em infraestrutura em assentamentos, as recentes aquisições de um trator para a patrulha agrícola e de dois ônibus escolares, o calçamento de parte da rua 13 de maio (emenda do Senador Paulo Paim). E mais a perspectiva de implantação do Ensino Médio na escola do Basílio em 2013 e o projeto que deverá levar água diretamente nas residências em sete assentamentos do município.

Na oportunidade que tiveram de comandar o Legislativo, os petistas também deixaram uma marca positiva. Como exemplo, destaco a criação do site da Câmara, uma iniciativa para levar mais e melhores informações sobre as questões políticas e administrativas do Poder Legislativo; a realização de concurso público para contratar servidores em funções antes desempenhadas por CCs, uma medida para melhorar a eficiência e dar um caráter mais republicano a uma instituição antes dominada pelas contratações baseadas apenas nos critérios políticos. Resumindo: a representação petista sempre cumpriu suas atribuições e soube o seu lugar. Ou seja, esbanjou capacidade de estabelecer agendas propositivas frente aos desafios do município ou do próprio Parlamento; nunca ficou de braços cruzados nem quis governar no lugar do prefeito ou embarcou na estupidez do quanto pior melhor.

Por tudo isso, desejo boa sorte aos novos eleitos e, sobretudo, às bancadas que farão sua estreia ou voltam a ter um assento no Parlamento. Contudo, me incluo entre aqueles que lamentam o fato do PT não ter conseguido manter sua representação na Câmara Municipal. Em minha opinião, essa é uma perda não apenas para o Partido, mas para o município como um todo, tendo em vista que a sigla comanda a coalizão de partidos que governa o estado e o país atualmente, o que daria acesso direto a novos investimentos para desenvolver Herval cada vez mais e melhorar ainda mais a vida dos hervalenses. Mas como diria o Anonimus Gourmet: Voltaremos!


Altas conexões





Prefeitura conclui calçamento



A administração municipal concluiu, há poucos dias, as obras de calçamento da rua José Maria D’Ávila, situada no bairro Grafulha. A obra, que teve a compra dos materiais orçados em quase R$ 100 mil, foi construída exclusivamente com recursos e mão-de-obra da prefeitura. 

Segundo o prefeito Ildo Sallaberry, a iniciativa representa mais um importante passo nas obras de calçamento que visam interligar os bairros com o centro da cidade. Ainda de acordo com Sallaberry, esse calçamento era uma demanda e um sonho antigo dos moradores que a administração do município tem a grata satisfação de tornar realidade.

De acordo com o prefeito municipal, uma das prioridades da sua próxima administração será avançar ainda mais nas obras de calçamento. Neste sentido, estão sendo buscados recursos através de emendas parlamentares. Além disso, a prefeitura entrou na disputa a fim de obter financiamento junto ao governo federal, por meio do PAC Pavimentação, e no caso do município ser contemplado, inúmeras ruas da cidade receberão calçamento.


quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Música para os meus ouvidos


O romantismo sulino de Jairo Lambari é algo que inspira, encanta e desata os nós da garganta...




Licença poética





Peço licença novamente para entregar-lhes novas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...


Pareço um cão perdido ou pó, simplesmente...

Perambulando por entre as paredes da minha alma!
Varrido pra debaixo dos tapetes que encobrem as sujeiras deste mundo!
Provocando espirros, escarros, náuseas, rostos mirando-me a esmo e com asco!

O que faz sentar minha poeira é tua presença suave que, mesmo descompassada de mim, desperta odes e os melhores odores.

O que acende meu facho e atrai bons ares para o redor de mim é essa vontade de tocar e sentir e penetrar teu corpo sem pudor, sem pressa de acabar.

O que me faz aterrissar no chão de espinhos da vida real é a tua luz infinda que engole minhas sombras e as pétalas que não param de desabrochar do teu coração.


sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Ato político




Para abrilhantar nosso "ato político" de hoje, evoco a lucidez irônica, bem humorada, e penetrante de Luís Fernando Veríssimo...


Luis Fernando Verissimo - O Estado de S.Paulo
Diálogo urbano, no meio de um engarrafamento. Carro a carro.

- É nisso que deu, oito anos de governo Lula. Este caos. Todo o mundo com carro, e todos os carros na rua ao mesmo tempo. Não tem mais hora de pique, agora é pique o dia inteiro. Foram criar a tal nova classe média e o resultado está aí: ninguém consegue mais se mexer. E não é só o trânsito. As lojas estão cheias. Há filas para comprar em toda parte. E vá tentar viajar de avião. Até para o exterior - tudo lotado. Um inferno. Será que não previram isto? Será que ninguém se deu conta dos efeitos que uma distribuição de renda irresponsável teria sobre a população e a economia? Que botar dinheiro na mão das pessoas só criaria esta confusão? Razão tinha quem dizia que um governo do PT seria um desastre, que era melhor emigrar. Quem pode viver em meio a uma euforia assim? E o pior: a nova classe média não sabe consumir. Não está acostumada a comprar certas coisas. Já vi gente apertando secador de cabelo e lepitopi como e fosse manga na feira. É constrangedor. E as ruas estão cheias de motoristas novatos com seu primeiro carro, com acesso ao seu primeiro acelerador e ao seu primeiro delírio de velocidade. O perigo só não é maior porque o trânsito não anda. É por isso que eu sou contra o Lula, contra o que ele e o PT fizeram com este país. Viver no Brasil ficou insuportável.

- A nova classe média nos descaracterizou?

- Exatamente. Nós não éramos assim. Nós nunca fomos assim. Lula acabou com o que tínhamos de mais nosso, que era a pirâmide social. Uma coisa antiga, sólida, estruturada...

- Buuu para o Lula, então?

- Buuu para o Lula!

- E buuu para o Fernando Henrique?

- Buuu para o... Como, "buuu para o Fernando Henrique"?!

- Não é o que estão dizendo? Que tudo que está aí começou com o Fernando Henrique? Que só o que o Lula fez foi continuar o que já tinha sido começado? Que o governo Lula foi irrelevante?

- Sim. Não. Quer dizer...

- Se você concorda que o governo Lula foi apenas o governo Fernando Henrique de barba, está dizendo que o verdadeiro culpado do caos é o Fernando Henrique.

- Claro que não. Se o responsável fosse o Fernando Henrique eu não chamaria de caos, nem seria contra.

- Por quê?

- Porque um é um e o outro é outro, e eu prefiro o outro.

- Então você não acha que Lula foi irrelevante e só continuou o que o Fernando Henrique começou, como dizem os que defendem o Fernando Henrique?

- Acho, mas...

Nesse momento o trânsito começou a andar e o diálogo acabou.


segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Prefeito de todos




Ao contrário da pregação oposicionista, que ganhou contornos de irracionalidade ao longo do período eleitoral, o prefeito reeleito do município é um prefeito de todos e para todos, e não o representante dos interesses dos mais abastados. Já sei que vou ser execrado por muitos pelo fato de fazer tal afirmação. É assim mesmo! Quem não tem argumentos precisa se agarrar com unhas em dentes no imponderável, na simplificação das coisas e/ou nos insultos pessoais.

Para os defensores mais ferrenhos da política enquanto algo restrito à briga entre pobres e ricos, lembro que Ildo Sallaberry não nasceu em berço de ouro. Ildo nasceu pobre e cresceu na vida graças ao seu talento, determinação e muito trabalho. Ademais, depois de ascender materialmente, ao contrário de muitos conterrâneos nossos, além de retornar à terra natal para compartilhar sua experiência, Ildo passou a investir como poucos no desenvolvimento da terra hervalense.

No comando do paço municipal Ildo nunca privilegiou os mais endinheirados. Antes o contrário. Seu governo tem se baseado no firme propósito de oferecer mais e melhores serviços públicos, justamente para oportunizar uma vida melhor e atender primeiro aqueles que mais precisam. Como exemplo concreto desse fato, temos inúmeras obras e ações governamentais levadas a efeito pelo atual chefe do poder executivo e uma passagem muito emblemática que compartilho aqui e agora. Reporto-me à ocasião em que acompanhei o prefeito em viagem a Brasília na qual fora anunciada pela Ministra do Planejamento, Miriam Belchior, os novos investimentos do PAC para atender projetos de pavimentação encaminhados pelos municípios.

No retorno de Brasília o prefeito convocou-me para uma reunião, a fim de tratar o assunto. Ao ser questionado sobre a área da cidade que considerava mais necessitada do pretendido investimento, minha resposta foi de que deveríamos buscar esses recursos para valorizar as ruas de entrada da cidade. Pois o prefeito não desvalorizou minha ideia, mas considerou que a prioridade deveria ser elaborar o projeto com vistas a disputar os recursos disponibilizados pela administração federal, de modo a levar o calçamento às ruas onde reside a população mais carente, como também avançar nas obras de calçamento capazes de interligar os bairros com o centro da cidade. Tudo para facilitar o deslocamento das pessoas e evitar que o povo pobre precise amassar barro ao sair de casa.

Outro exemplo contundente reside na nomeação de quadros administrativos para o primeiro escalão do governo, antes desvalorizados e desprestigiados pelo jogo mesquinho do poder. Isto é, ao invés de apostar nas antigas figurinhas carimbadas e na prática de colocar os interesses dos partidos acima dos interesses maiores do município, Ildo mostrou o quanto é novo, mudando a forma de administrar e também dando espaço para novos talentos em diferentes áreas da administração. Foi assim com os excepcionais Bita e Daiane no Turismo, com o fabuloso Mogar na educação, com o genial Luiz nas Finanças, com a magnífica Janise na Saúde, com o esforçado Toninho no Planejamento, entre outros.

A questão é que um pensamento político local habitou-se a visão arcaica, quase jurássica, do elogio à pobreza como caminho, forma e conteúdo para chegar e/ou se nutrir no poder. Ou seja, muitos que acusam o prefeito de elitista sabem que essa pregação não se sustenta na vida real. Ocorre que admitir isso significa secar a fonte que os sustenta e, consequentemente, obrigaria a beber em novas fontes. Porém, como reinventar o discurso e a maneira de proceder na vida pública é mais complicado, o jeito é manter-se pelo caminho ultrapassado de sempre, mesmo quando ele não conduz a lugar nenhum, exceto aos velhos erros e derrotas. O fato, acima de qualquer boato, é que a maioria do nosso povo conhece o prefeito atual, sabe de onde ele vem e seu compromisso de construir um Herval melhor para cada vez mais hervalenses.


Música para os meus ouvidos



Adriana Calcanhoto é divina e suas canções sempre tocam fundo em meu coração.





Patrulha agrícola recebe reforço




Em ato realizado nesta segunda-feira, 05, o prefeito municipal Ildo Sallaberry procedeu à entrega de um trator agrícola novo que irá reforçar o parque de máquinas da Secretaria Municipal de Agropecuária e Desenvolvimento.

Segundo o prefeito municipal, o trator foi adquirido com recursos oriundos de emenda do deputado federal Dionilso Marcon – PT, no valor de R$ 100 mil, e servirá para reforçar a patrulha agrícola que presta serviços aos pequenos produtores rurais do município.

Ainda de acordo com Ildo, este trator é fundamental para reforçar a atuação do poder público junto aos produtores que mais necessitam de apoio para produzir mais e melhor, especialmente os produtores assentados. Ele argumentou também que determinou a realização de um estudo, a fim de averiguar a viabilidade legal e administrativa de transferir o controle do trator diretamente para os produtores, através das suas associações. A medida permitiria atender ao compromisso do prefeito de compartilhar máquinas e equipamentos da prefeitura, barateando custos e aproximando cada vez mais o governo dos produtores.

Conforme informou Edinaldo Azevedo, representando a direção estadual do MST, as emendas do deputado Marcon são definidas a partir de plenárias realizadas com representantes das comunidades que o parlamentar mantém relações. Neste sentido, o processo de definição das emendas para 2013 terão início ainda esta semana e Herval, por contar com uma administração organizada e pelo grande número de assentamentos que fazem parte da base política de Marcon, deverá ser contemplado com novos recursos para o ano que vem.


quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Altas conexões





Licença poética





Peço licença novamente para entregar-lhes novas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...


Queria teus beijos e o calor do teu corpo.
Queria a leveza da tua alma e a luz do teu olhar.

Queria contemplar teu rosto e tua pele que me provoca calafrios.
Queria encher teu bumbum de palmadas e te encher
todinha de carinho...

Queria teu colo e a quentura da tua companhia.
Queria sorver um chimarrão cevado por ti e acariciar tuas mãos
que me aquecem e acendem e saciam.

Ao invés disso, esse vazio, essa distância e tua falta que me debilita e lacera.
No lugar do teu toque, dos nossos corpos entrelaçados, o frio sem fim
da minha mente voando para encontrar o céu que habitas e brota da tua boca.