Sobre o Blog do Toninho

O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras "cositas más". Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

quinta-feira, 29 de março de 2018

Música para os meus ouvidos


Meu ouvido hoje acordou com uma vontade louca de escutar e compartilhar com o mundo o som de Mallu.





Momento poético



O Amor e o Outro

Não amo
melhor
|           nem pior
do que ninguém.

Do meu jeito amo.
Ora esquisito, ora fogoso,
às vezes aflito
ou ensandecido de gozo.
Já amei
|             até com nojo.

Coisas fabulosas
acontecem-me no leito. Nem sempre
de mim dependem, confesso.
O corpo do outro
é que é sempre surpreendente.



(O lado esquerdo do meu peito: livro de aprendizagens. Rio de Janeiro: Rocco, 1992. p. 104)

terça-feira, 27 de março de 2018

Ato político


Essa bestialidade na qual o país foi mergulhado já passou de todos os limites e o aparelho repressor do estado, acostumado a descer o cacete nos trabalhadores e movimentos sociais, fingem que nada acontece nem é com eles.

Nada ficou provado contra Lula. Depois de inúmeras devassas em sua vida, tudo que existe contra ele são as convicções desconexas e fantasiosas de um bando de bunda mole que tem medo de enfrentá-lo nas urnas e chegaram ao absurdo de rasgar o código penal (depois de terem rasgado a constituição), num ato desesperado para tirá-lo do páreo eleitoral.

Mas mesmo que Lula fosse culpado, nada justifica essa selvageria. Por que não agem com a mesma fúria contra Temer, Aécio, Jucá, Serra, Alckmin e cia? Ladrões praticamente confessos, já que entregaram todo o esquema a partir de gravações que foram amplamente divulgadas em todo o país ou foram flagrados com a boca na botija, com seus servos carregando malas abarrotadas de dinheiro ou com a descoberta de contas milionárias em paraísos fiscais.

A briga desses botas lustradas e outras tantos lacaios ou filhinhos de papai nunca foi contra a corrupção. A briga deles é para o Brasil voltar a ser o Brasil de tempos atrás, no qual só esses senhores de escravo tinham voz e vez, com a imensa maioria condenada antes mesmo de nascer a viver nas sombras que existem abaixo da linha da pobreza.



O assassinato da vereadora Marielle Franco e os ataques à caravana de Lula pelo Sul do país não deixam dúvidas de que o Brasil vive um contexto político no qual há a presença de grupos fascistas organizados, violentos e que adotam táticas terroristas para se imporem. Não resta dúvida também que os eixos articuladores desses grupos terroristas são os apoiadores da candidatura de Bolsonaro, da candidatura de Flávio Rocha, de grupos de ruralistas, de movimentos como o MBL e o Vem pra Rua e que contam com apoio institucional em setores do Judiciário e em setores dos partidos políticos governistas e de parlamentares e até de senadores, como é o caso de Ana Amélia Lemos.
O mais grave de tudo isto é que estes grupos fascistas, violentos e terroristas contam com a complacência da grande imprensa, de partidos ditos de centro como o PSDB, da OAB, do governo Temer, das presidências da Câmara e do Senado, da presidência do STF e de alguns candidatos à presidência da República. Afinal de contas, não se ouviu nenhuma dessas vozes condenar a violência contra a caravana.
Cabe perguntar: onde estão os editoriais dos grandes jornais contra a violência que atingiu a caravana de Lula? Jornais que sempre foram ávidos a cobrar posições das esquerdas contra atos esporádicos de violência de militantes... Será mero acaso que os grandes jornais deram generosos espaços, no fim de semana, a generais golpistas, a exemplo do general Antônio Hamilton Martins Mourão?
Por que a OAB, a presidência da República, a presidência do STF, as presidências das Casas Legislativas, o Ministério da Justiça, o Ministério da Segurança Pública e o Ministério Público Federal não se pronunciaram até agora? Por que o "democrata" Fernando Henrique Cardoso silencia ante esses ataques fascistas? Por que os pré-candidatos Alckmin e Rodrigo Maia não emitem nenhuma palavra sobre essa violência política? Onde estão todos? Estão com medo? São coniventes? Ou são cúmplices? É preciso advertir esses emudecidas personagens acerca de que esse silêncio conivente de hoje poderá proporcionar que amanhã também se tornem vítimas dessa violência fascista.
O PT e os democratas precisam pressionar essas autoridades e esses representantes políticos para que se pronunciem sobre esta violência fascista. Ou eles se manifestam e adotam atitudes ou a história os cobrará amanhã acerca do seu covarde silêncio. Esses grupos e dirigentes políticos, na verdade, abrigaram o fascismo nascente no processo do golpe que derrubou a presidente Dilma. Desmoralizados, porque muitos deles se revelaram moralistas sem moral, envolvidos em graves casos de corrupção, se acovardaram e, agora, por falta de coragem, por covardia ou por cumplicidade se calam ante a escalada de violência fascista que poderá mergulhar o Brasil numa guerra civil.
Guerra civil sim, porque esses grupos fascistas e terroristas estão caminhando rapidamente para o paramilitarismo. Os defensores da democracia não podem assistir passivamente a escalada de violência desses grupos. Antes de tudo, precisam organizar a sua autodefesa porque, como foi visto em São Miguel do Oeste (SC), as polícias tendem a ser coniventes com esses grupos terroristas.
Em segundo lugar, é preciso cobrar do governador de Santa Catarina um esclarecimento acerca da passividade da polícia em face da violência desses grupos. Em terceiro lugar, é preciso levar a senadora Ana Amélia Lemos à Comissão de Ética do Senado por apoiar e estimular a violência política. Em quarto lugar, é preciso promover uma ampla campanha de esclarecimento da opinião pública acerca desses grupos violentos e criminosos. Em quinto lugar, como já sinalizou a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, é necessário fazer uma ampla denúncia internacional acerca da existência desses grupos fascistas e acerca da conivência das autoridades para com os mesmos.
Por outro lado, já passou da hora de Lula, Ciro Gomes, Guilherme Boulos e Manuela D'Ávila se reunirem para divulgar um manifesto conjunto em defesa da democracia, da liberdade e da justiça e de condenação da violência política e social que graça pelo país. Se não é possível construir uma candidatura de unidade do campo progressista, os candidatos precisam mostrar uma unidade de propósito neste momento grave do país: a luta para defender a democracia que não temos.
Ação fascista: mentiras, violência e covardia
Esses grupos fascistas brasileiros, que proliferaram nos últimos anos, não fogem à tipologia clássica de ação dos movimentos totalitários já mapeada e descrita por vários estudiosos, notadamente por Hannah Arendt. Grupos e movimentos totalitários, quando ainda não estão no poder, se ocupam, fundamentalmente, da propaganda dirigida a pessoas externas aos mesmos visando convencê-las. A característica principal dessa propaganda é a mentira. O contemporâneo fake news foi largamente utilizado pelos nazistas e, em escala menor, pelos fascistas de Mussolini. Não há nenhuma novidade nisto. As mentiras monstruosas que esses movimentos propagam visam entreter o público para convencê-lo e para aliviar as pressões críticas sobre si mesmos.
Aqui no Brasil, recentemente, viu-se como o MBL e outros grupos agiam no processo do golpe. Mentiam sobre a corrupção do governo Dilma enquanto se aliavam e apareciam em público com os maiores corruptos do país: Eduardo Cunha, Aécio Neves e outros. Aliás, Aécio e o PSDB patrocinaram esses grupos. Eles mesmos são integrados por corruptos e, geralmente, por indivíduos enredados em teias criminosas. E mentem de forma impiedosa e criminosa sobre Marielle quando esta não pode mais defender-se.
Se, externamente, esses grupos se dedicam a propaganda, internamente seu objeto é a doutrinação. Notem o que diz Arendt: "Se a propaganda é integrante da 'guerra psicológica', o terror é-lhes ainda mais inerente". Foi usado em larga escala pelos nazistas, que definiam o terror como "propaganda de força". Arendt adverte que ele aumentou progressivamente antes da tomada do poder por Hitler "porque nem a polícia e nem os tribunais processavam seriamente os criminosos da chamada Direita". Qualquer semelhança com o que temos hoje no Brasil não é mera coincidência.
Crimes contra indivíduos, ameaças e ações violentas contra adversários caracterizam a propaganda e o terror desses grupos. Tem-se aí o assassinato de Marielle e de outros líderes sociais e comunitários e a violência contra a caravana de Lula. Temos a violência verbal nas redes sociais que também é uma forma de propaganda. Não é possível subestimar esses atos, pois englobam elevado perigo num mundo anômico e num país com as instituições destruídas. Todos esses atos, essa violência, esse terrorismo, têm o mesmo pano de fundo: o crescimento do fascismo no Brasil.
Se a primeira característica desses grupos é a mentira, se a segunda é a violência, a terceira é a covardia. Geralmente praticam a violência contra vítimas indefesas. Veja-se a suprema covardia no assassinato da Marielle. A covardia da tocaia na execução de líderes sem-terra, líderes indígenas e militantes ambientalistas. Os agroboys covardes que atacaram a caravana de Lula agrediram mulheres, inclusive uma mulher que está em tratamento de câncer e que estava com seu filho de dez anos. São esses covardes que a igualmente covarde senadora Ana Amélia Lemos exalta. É preciso detê-los. Detê-los com a militância nas ruas, a exemplo dos atos de protesto contra a execução de Marielle, a exemplo dos professores paulistanos e exemplo de tantos enfrentamentos pelo Brasil. Detê-los com as candidaturas de Ciro, de Boulos e de Manuela. E é preciso detê-los com a candidatura de Lula até o fim.
Por Aldo FornazierI

quinta-feira, 22 de março de 2018

Cideja e Fórum das Águas buscam socorro em Brasília para enfrentar a estiagem




Sob a liderança do prefeito de Candiota e presidente do Consórcio Público Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico e Social dos Municípios da Bacia do Rio Jaguarão (Cideja), Adriano dos Santos (PT), uma comitiva regional composta também pelos vereadores integrantes do Fórum Regional de Desenvolvimento, Manejo das Águas e Combate aos Efeitos da Estiagem (Fórum das Águas), esteve em Brasília entre os dias 13 e 15, numa intensa peregrinação pelos ministérios em busca de socorro aos municípios da nossa região atingidos pela escassez de chuvas.

Conforme os representantes do município de Herval nessa jornada, o vice-prefeito Fernando Silveira (PP) e o presidente do legislativo municipal, vereador Edinaldo Azevedo (PT), em todos os locais visitados, entre eles, os ministérios da Integração Nacional, Desenvolvimento Social, Casa Civil e Defesa Civil, houve a oportunidade de expor a situação dramática que os municípios enfrentam e pedir amparo federal para o enfrentamento dos efeitos adversos da estiagem.

Segundo as lideranças locais, a comitiva foi muito bem recebida e as demandas apresentadas devidamente ouvidas. No entanto, a expectativa agora é que o pleito apresentado se reverta em ações concretas em prol dos municípios.

Para Fernando e Edinaldo, a agenda mais proveitosa e que deverá render bons frutos e trazer ajuda humanitária a todos os municípios do consórcio, fora na Casa Civil, onde a comitiva foi recebida pessoalmente pelo ministro Eliseu Padilha.

Durante a agenda na capital federal, o vereador Edinaldo Azevedo ainda recebeu das mãos do deputado federal Dionilso Marcon, o documento confirmando a destinação de emenda, no valor de R$ 120 mil, os quais deverão ser investidos na saúde dos hervalenses, sendo que a previsão é que o governo federal realize o pagamento desse recurso até meados de 2018.


Com informações do Jornal Tribuna do Pampa

quarta-feira, 21 de março de 2018

Emenda garante recursos para a saúde dos hervalenses




Na tarde de hoje (21) o secretário Toninho Veleda acompanhou o chefe de gabinete do deputado federal Dionilso Marcon (PT), Benhur Freitas, em agenda com o presidente do legislativo, vereador Edinaldo Azevedo (Pecão), e o secretário da Saúde, Dioner Azambuja.

A reunião teve como finalidade definir a aplicação dos R$ 120 mil destinados ao município pelo deputado petista, através de emenda parlamentar, para investimento na saúde dos hervalenses.

Esse recurso deverá possibilitar que o nosso município faça adesão a consórcio, envolvendo outros quatro municípios da região (Arroio Grande, Pedras Altas, Cerrito e Pedro Osório), objetivando a realização de cirurgias pelo SUS.

Segundo o secretário municipal de saúde, esse investimento é essencial para permitir que o município tenha melhores condições financeiras de firmar parceria com municípios vizinhos, no intuito de assegurar a realização de cirurgias, uma das maiores e mais importantes demandas da saúde da nossa população. Dioner também destacou o trabalho do vereador Pecão e do secretário de planejamento, Toninho Veleda, na busca desse investimento.

Altas conexões





terça-feira, 20 de março de 2018

Ato político


Nada a acrescentar ou reparar no escrito de Emir Sader. Só posso assinar embaixo e apelar para a leitura das pessoas sensatas que enxergam além daquilo que as aparências tentam mostrar.


A democracia como armadilha 


O que a direita fez e continua fazendo é transformar a institucionalidade supostamente democrática em arma para derrotar o projeto mais popular e democrático da história do Brasil, junto com sua liderança maior, o Lula.

O Congresso não teria o direito de terminar com o mandato da Dilma, mas inventou argumentos, incensados pela mídia monopolista e tolerado pelo Judiciário, para dar um golpe. Não poderia assim tomar posse o vice-presidente e, menos ainda, colocar em prática o programa derrotado quatro vezes nas urnas pelo povo, de que, em duas oportunidades, participou dessa derrota do programa neoliberal da direita, o próprio vice-presidente.

Não há crime, nem argumentos para processar e condenar o líder que o povo quer de volta como presidente do Brasil, mas o Judiciário, atuando como partido totalitário, como máquina unânime, acelera a condenação e a exclusão do Lula da disputa eleitoral.

Tudo montado com cobertura institucional, como se as instituições democráticas funcionassem, legitimados pela mídia monopolista.

A esquerda foi acusada, durante muito tempo, de usar a democracia, sem se comprometer profunda e permanentemente com ela. Quem faz isso é a direita, tornando a democracia uma armadilha para destruir a democracia.

Tinha feito isso em 1964. Fez gigantesca campanha de que a democracia estava em perigo, sobre o risco da instauração de uma ditadura comunista no Brasil, para instaurar a pior ditadura que o país já conheceu, destruindo tudo o que havia de democrático no Brasil.

Agora, de maneira similar, acusam o PT de se ter valido da democracia para promover políticas sociais que colocariam em risco a saúde financeira do país. Mas é a direita quem destrói o país, seu patrimônio público, os direitos sociais de todos, o poder de lugar dos trabalhadores, a soberania externa do país. Destroem-se os pilares da democracia, como o respeito ao voto popular que reelegeu a Dilma, o direito do povo escolher quem será o próximo presidente do Brasil, o direito de defesa nos processos judiciais, a isenção básica dos juízes que dirigem os processos.

Desmoraliza-se assim a democracia, se quer instaurar um sistema político esvaziado de poder e de participação política do povo. Se quer naturalizar o golpe.

Para a direita, democracia só vale quando ela controla o processo eleitoral, quando só ela elege quem ganha e governa.

A democracia no Brasil foi conquista popular e interessa ao povo sua preservação. A democracia é o espaço privilegiado de organização, de manifestação e de luta do povo.

Lula pautou toda a sua vida de lutas pela defesa da democracia e pelo seu fortalecimento. Nasceu para a luta na defesa dos interesses dos trabalhadores e na resistência à ditadura militar.

Fez sua carreira de líder político na construção do PT e nas campanhas eleitorais pela via democrática. Lula segue essa lógica coerente de vida, enfrentando a pior perseguição política que um dirigente político já sofreu no Brasil, valendo-se dos seus argumentos para provar que não cometeu nenhum crime.

A defesa do Lula é a defesa da democracia e a defesa da democracia é a defesa do Lula.

Não há outro caminho para a esquerda brasileira. Não é a ilusão com o Judiciário ou com a direita brasileira. Se trata de explorar os espaços existentes, dar a luta de massas pela defesa da democracia, se valer dos espaços existentes para fortalecer as forças democráticas.

Quem diz que se trata de um caminho sem saída, ilusório, que aponte outro. A luta clandestina e insurrecional? O movimento seria massacrado rapidamente e derrotado por muito tempo.

Ninguém tem ilusões na institucionalidade nas mãos da direita. Mas a democracia é um espaço de disputa. Abandonar esse caminho seria um suicídio para a esquerda. A lógica do Lula é a da luta democrática intransigente. Dela depende o futuro do Brasil.


Música para os meus ouvidos


E no meio de tanta gente eu encontrei você
Entre tanta gente chata sem nenhuma graça, você veio..






segunda-feira, 19 de março de 2018

Parada pedagógica





Licença poética




Peço licença novamente para entregar-lhes outras palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...


O olhar da minha linda é tudo que preciso e sempre cai feito uma luva, pouco importa se tem neblina ou faz chuva, debaixo do sol ou sob a luz do luar...

Olhas-me tão lindamente que me fazes sentir o ser mais sensacional do planeta.

quinta-feira, 15 de março de 2018

Pitada filosófica




Momento poético



Recordo ainda…

VIII

(Para Dyonelio Machado)


Recordo ainda… e nada mais me importa…
Aqueles dias de uma luz tão mansa
Que me deixavam, sempre, de lembrança,
Algum brinquedo novo à minha porta…

Mas veio um vento de Desesperança
Soprando cinzas pela noite morta!
E eu pendurei na galharia torta
Todos os meus brinquedos de criança…

Estrada afora após segui… Mas, ai,
Embora idade e senso eu aparente
Não vos iluda o velho que aqui vai:

Eu quero os meus brinquedos novamente!
Sou um pobre menino… acreditai…
Que envelheceu, um dia, de repente!


(A rua dos cataventos. Coleção Mario Quintana. 2a. edição. 6a. reimpressão. São Paulo: Globo, 2005. p. 26)


sábado, 10 de março de 2018

Agenda em Porto Alegre concluída com saldo positivo


A busca do prefeito em exercício, Fernando Silveira, por novos investimentos e de apoio para enfrentar os efeitos da estiagem que atinge o município, continuou nesse último dia de agenda na capital do estado.

Neste sentido, o primeiro compromisso do chefe do executivo nesta sexta-feira (9) foi no escritório político, em Porto Alegre, do deputado federal Dionilso Marcon (PT).

Na oportunidade, acompanhado do secretário de planejamento, Toninho Veleda, Fernando recebeu das mãos da assessoria do parlamentar petista, documento com indicação de emenda no valor de R$ 120 mil, destinado a cobrir despesas com custeio na área da saúde do nosso município.

A emenda atende ao pedido feito pelo vereador Edinaldo Azevedo, presidente do legislativo municipal, dos secretários municipais Toninho Veleda e Cristiane D' Avila, do presidente do PT, Marildo da Silva, assim como de dirigentes locais do MST.

Na sequência, os representantes da administração municipal visitaram a sede do Departamento de Infraestrutura Rural, Irrigação e Usos Múltiplos da Água - DINFRA, em Esteio. A agenda teve como finalidade encaminhar o pedido de perfuração de três poços artesianos, como medida estrutural de enfrentamento da escasses de chuvas que atinge Herval periódicamente durante o verão, causando grandes prejuízos à produção local e, nos últimos anos, provocando também a falta de água para consumo humano em diversas localidades.

Os poços pretendidos são para atender a escola Manoel Lima, com 115 alunos, como também aos assentamentos Bamburral e Querência, beneficiando cerca de 95 famílias.

Na ocasião, o pleito fora recebido pelo servidor do DINFRA, o hervalense André Affonso, o qual comprometeu-se de encaminhar a demanda para análise do Diretor desse órgão do governo do estado, Ubirajara Simon.

quinta-feira, 8 de março de 2018

Peregrinação e boas notícias para Herval



No segundo dia de compromissos em Porto Alegre, o prefeito em exercício, Fernando Silveira, o secretário de planejamento, Toninho Veleda, e a engenheira civil da prefeitura, Clara Gomes Domingues, tiveram uma agenda intensa e muito positiva para o nosso município.

Acompanhados de Zelmute Marten, chefe de gabinete do deputado estadual Zé Nunes, os representantes da administração municipal estiveram na sede da Secretaria Estadual de Obras, Saneamento e Habitação. A visita teve como objetivo solicitar apoio para o enfrentamento do problema de falta de água na Escola Manoel Lima, localizada na Guarda Nova, tendo em vista que a cacimba que abastece a escola secou completamente em razão da estiagem que vem castigando Herval.

Como encaminhamento a esse pleito, Sandro de Oliveira, secretário adjunto da pasta, assumiu o compromisso de trabalhar para incluir a escola numa medida emergencial que está sendo adotada por intermédio de um esforço conjunto de alguns órgãos do estado, a qual vem assegurando o fornecimento de água para consumo humano em alguns municípios da nossa região que também convivem com esse problema.

Na sequência, Fernando, Toninho e Clara ainda participaram de reunião no Incra, com o objetivo de levar informações sobre a execução de um convênio que prevê a melhoria e recuperação de estradas internas e de acesso a quatro assentamentos do município.  Tal convênio estabelece um investimento de R$ 250 mil, dos quais apenas R$ 100 mil foram repassados à prefeitura, não havendo previsão de pagamento da próxima parcela, tendo em vista os cortes realizados no orçamento do Incra, conforme informou Clodoir Silva, Chefe da Divisão de Desenvolvimento do órgão, que recebeu a comitiva hervalense.

O compromisso seguinte foi na Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo. Na oportunidade, foi encaminhada a documentação que irá possibilitar a permanência no município de uma máquina retroescavadeira que atende os produtores assentados com a abertura de bebedouros para dessedentação animal. Medida que nesta nova etapa deverá beneficiar mais 79 produtores. Na ocasião, também foi cobrado o pagamento do valor de R$ 25 mil, relativo a Convênio que prevê a aquisição de kits para produção de hortaliças em assentamentos da reforma agrária, valor que segundo foi informado, está prestes a ser repassado aos cofres da prefeitura.

Em reunião na sede da Companhia Riograndense de Saneamento, com o Diretor Administrativo Marcus Vinícius Vieira de Almeida, os dirigentes do município ainda encaminharam um pleito fundamental. Trata-se do pedido para que a Corsan realize os testes de vazão e da qualidade da água nos poços artesianos que estão sendo perfurados no assentamento São Virgílio. Passo importante e obrigatório para possibilitar a retomada da instalação de sistema de abastecimento que tem como ponto de partida esses poços, conforme  convênio firmado junto à Funasa, cujos recursos para sua execução já se encontram disponíveis.

Em meio a agenda na capital, em nome da administração municipal, a engenheira Clara entregou ao proprietário da empresa Pizzato Engenharia, vencedora da respectiva licitação, a Ordem de Início da obra de recuperação de ponte interna no assentamento São Virgílio. Conforme o dirigente da empresa, os trabalhos já devem ter início na próxima semana. Trata-se de um investismento de cerca de R$ 130 mil, com recursos oriundos do Ministério da Integração Nacional, conquistados ainda durante o período que Fernando Silveira era Coordenador Municipal da Defesa Civil e Herval fora atingido por uma forte enxurrada.

quarta-feira, 7 de março de 2018

Dirigentes do município cumprem agenda na capital



Comitiva composta pelo prefeito em exercício Fernando Silveira, o secretário de planejamento, Toninho Veleda, e pela engenheira da civil da prefeitura, Clara Gomes Domingues, cumpre agenda em Porto Alegre, em busca de novos investimentos e do apoio de órgãos do governo do estado e do governo federal, nesse momento adverso que Herval se encontra em Situação de Emergência decretada em função da forte estiagem que atinge o município.

Neste sentido, na tarde de hoje (7), os representantes da administração do município participaram de reunião na Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Irrigação - SEAPI, ocasião em que receberam da assessoria do secretário Ernani Polo, a confirmação de que o município fora contemplado com um trator agrícola, cujo processo de compra já foi realizado pela SEAPI e a previsão é de que o mesmo seja entregue à prefeitura até o mês de maio. Esse investimento é fruto da articulação do deputado federal Afonso Hamm, por intermédio de emenda de bancada, sendo que a compra dos equipamentos os quais irão beneciar dezenas de municípios, entre eles o nosso, ficou a cargo do governo do estado.

Na oportunidade, ainda foi encaminhado o pedido de prorrogação do prazo de vigência de convênio que prevê a aquisição de calcário, num investimento superior a R$ 30 mil.

O segundo compromisso foi junto à Assessoria de Comunicação Social da Corsan. Recebidos pela Sra. Nathaly Terra e pelo hervalense João Luiz, as autoridades do município fizeram a entrega da prestação de contas relativa ao patrocínio aportado pela Corsan ao Carnaval Herval Folia 2018, bem como protocolaram pedido de novo patrocínio, destinado a XXXI edição da FEJUNAHE, pleito que terá sua viabilidade administrativa e financeira analisada pela Companhia Riograndense de Saneamento.

Na sequência, Fernando, Toninho e Clara encaminharam documento à FUNASA e, posteriormente, visitaram a empresa Plenobras Materiais Elétricos e Hidráulicos, vencedora do respectivo processo de compra, a fim de cobrar da empresa a correção de pendências em relação ao fornecimento de materiais para o revestimento de poços artesianos que estão sendo perfurados no assentamento São Virgílio.

segunda-feira, 5 de março de 2018

Autorretrato


 "Antes da gente dar nome já era pra sempre
E eu com medo de ser
Mas quando eu falo de amor por aí
É pensando em você!"

Ato político




Diz uma canção memorável do imortal Belchior: Não cante vitória muito cedo, não/Nem leve flores para a cova do inimigo/Que as lágrimas do jovem/São fortes como um segredo/Podem fazer renascer o mal antigo.

Infelizmente, essa canção se tornou mais atual que nunca e parece ter o som de uma profecia.

O Brasil que vinha avançando, se olhando no espelho e trabalhando para resgatar dívidas sociais históricas; embalado pelas dancinhas e as manifestações histéricas de muita gente jovem e tão velha ao mesmo tempo, que não sabe como era viver no país duro, desigual e opaco dos nossos pais, acabou por abrir as comportas para que o mal antigo ressurgisse com a mesma voracidade, capacidade de manipulação e espírito excludente de outrora. 

Para não parecer que estou delirando um inventando coisas, busco amparo nas palavras do sempre atento e lúcido Juremir Machado da Silva.

Nossas anormalidades cotidianas


(Novidades brasileiras)

Michele Alves tem 23 anos. É filha de uma empregada doméstica. Ela cursou Direito em São Paulo com uma bolsa. Foi oradora dos bolsistas na formatura da turma depois de intensa negociação por espaço. Emocionou o Brasil. Contou que na já largada uma professora aconselhou os alunos a não se ampararem em resumos: “Não estudem Direito Civil por sinopse porque até a filha da minha empregada que faz Direito na ‘Uniesquina’ estuda Direito por sinopse”. O discurso da menina catalogou os conhecidos preconceitos das elites brasileiras.
Elisaldo Carlini tem 88 anos. É médico, professor da Universidade Federal de São Paulo, doutor Honoris Causa por duas instituições. Tem mais de 12 mil citações em artigos internacionais, o que é uma enormidade, e muitas condecorações por serviços à ciência, duas delas entregues no Palácio do Planalto por Fernando Henrique Cardoso. Carlini é pioneiro e especialista no uso de maconha para fins medicinais. Recentemente ele foi chamado a depor numa delegacia de polícia por apologia ao crime, ao uso de drogas ilícitas. Exclamou: “Ninguém sabia sobre mim. Eles não tinham a mínima ideia porque ninguém lê artigo científico no Brasil”. Cientista fichado por seus experimentos com maconha é mais uma jabuticaba? Só tem no Brasil?
Luís Felipe Miguel tem 50 anos. É professor de Ciência Política na Universidade de Brasília. Disponibilizou para os estudantes uma disciplina opcional abordando o impeachment de Dilma Rousseff como golpe. O Ministério da Educação decidiu interferir e questionar um princípio sagrado do mundo acadêmico: a liberdade de cátedra. A matéria não seria obrigatória. Ninguém está impedido de apresentar uma disciplina com uma perspectiva oposta do tipo “O impeachment de 2016 e o papel de Michel Temer na estabilização da democracia no Brasil”.
O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, declarou ser fundamental, na intervenção federal no Rio de Janeiro determinada pelo presidente Michel Temer e aprovada pelo Congresso Nacional, dar aos militares “garantia para agir sem o risco de surgir uma nova Comissão da Verdade”. A reação foi imediata: “O que ele fala com todas as letras é que violações de direitos humanos vão ser cometidas e que o os militares já querem uma autoanistia prévia”, avaliou Lucas Pedretti, do Coletivo RJ Memória, Verdade e Justiça. Não é isso?
A velha pergunta ressoa: que país é este? Uma professora dissemina preconceito contra pobres em sala de aula; um cientista renomado é chamado a depor diante da polícia por fazer avançar o conhecimento sobre uma substância que, além de tudo, vem sendo liberada não só para uso medicinal, mas também recreativo, em lugares atrasados como a Califórnia, nos Estados Unidos; um professor é tolhido na sua liberdade de cátedra por não ter a mesma opinião do ministro da Educação sobre um acontecimento político da história recente do país; um general sugere que ações dos seus comandados sejam blindadas contra investigações futuras. Outra música se faz ouvir: “Brasil, mostra tua cara/Quero ver quem paga/Pra gente ficar assim”.

quinta-feira, 1 de março de 2018

Música para os meus ouvidos



Tem dias que tudo que precisamos é uma canção que despeje um mar calmo em nossa alma e sopre um vento leve nos ouvidos do nosso coração.




Pensar é preciso!

Para não dizer que foi por falta de aviso...