Sobre o Blog do Toninho

O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras "cositas más". Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

História da fundação de Herval pode ser um mito


Na companhia de Secretários municipais, o prefeito Ildo Sallaberry recebeu sexta-feira (06) em seu Gabinete, o hervalense radicado em Porto Alegre e grande estudioso da história do nosso município, Getúlio Dorneles Fernandes da Silva.

Getúlio que recentemente publicou o livro “Uma história para contar”, em parceria com outros autores, abordando os 50 anos da Fundação Banrisul, atualmente está desenvolvendo uma pesquisa bibliográfica acerca da fundação de Herval. Segundo ele, a fundação do então povoado atribuída a Rafael Pinto Bandeira não passaria de um mito.

“Tenho uma bronca com a história que contam sobre a fundação de Herval. Rafael Pinto Bandeira não pode ter fundado Herval, pois o mesmo faleceu no ano 1795, sendo que o acampamento que deu origem ao município foi formado em 1801”, explicou Getúlio. Ainda segundo o pesquisador, “Rafael Pinto Bandeira foi o grande comandante da expulsão dos espanhóis dessa região, porém atribuir a ele a fundação de Herval é um erro histórico que precisa ser corrigido para que não continuemos transmitindo às atuais e próximas gerações algo que não encontra amparo nos fatos”.

De acordo com Getúlio Dorneles, a pesquisa ainda carece ser aprofundada e alimentada por outras fontes, porém existem muitas evidências de que o verdadeiro fundador de Herval seria Bonifácio Nunes, o qual juntamente com alguns parceiros, teria adquirido as terras para o povoado, o mais antigo da fronteira, conforme argumentou.

Na ocasião, o prefeito Ildo Sallaberry colocou toda a equipe da administração à disposição do pesquisador, a fim de auxiliá-lo em sua pesquisa. O prefeito ainda passou às mãos de Getúlio um livro publicado pelo Exército Brasileiro, como forma de colaborar em seu trabalho, o qual faz referências a batalhas e escaramuças em torno da disputa de território que marcou a formação dessa região. Por fim, Getúlio ainda foi convidado a participar de Seminário a ser realizado nos dias 20 e 21 de fevereiro do próximo ano, tendo como tema “Herval no contexto Cisplatino”, numa iniciativa da Secretaria Municipal de Educação.


3 comentários:

Fabio Duarte da Cunha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fabio Duarte da Cunha disse...

Eu concordo com a tese do senhor Getúlio.
Abaixo relação de alguns livros que contam um pouco da História de Herval
O Embuaçado do Herval o Poeta Pedro Canga
O Fundador de Herval
A História de Herval
O Barão do Serro Alegre
e aqui uma página no Facebook onde estamos divulgando matérias sobre a Cidade.
https://www.facebook.com/groups/1424929511061603/

Iracema disse...

Segundo Manoel da Costa Medeiros, em História do Herval - descrição física e histórica, pág. 64-71, o que Rafael Pinto Bandeira fez foi transferir o acampamento da guarda do Piratini para as nascentes do arroio Grande, a primeira vertente que desemboca pelo norte da lagoa Mirim. Fugindo um pouco às especificações do tratado de Santo Ildefonso (1777), pelo qual o lugar mais indicado seria a vertente do arroio Juncal, escolheu esse local pelas melhores condições de segurança em relação aos ataques constantes dos espanhóis e, para reforçá-lo mandou cavar trincheiras. A cidade mesmo se desenvolveu a cerca de 2 km desse acampamento, em torno da igreja de São João Batista que teve sua construção iniciada em 1823.

Pensar é preciso!

Para não dizer que foi por falta de aviso...