Sobre o Blog do Toninho

O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras "cositas más". Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Licença poética



Peço licença novamente para expor a vocês mais umas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser:


Não me compreendes, por isso me castras, me prendes.
Me ardes e queima e excita, mas também me laceras e sufoca e vomita.

Amar só vale à pena quando sacia o corpo e não algema a alma.
Amar só vale à pena quando agiganta, e não apequena.
Quando convida a ser melhor, mais leve e elevado.
Quando internaliza e enternece e não nos condena como pecado.

Amor é amor quando não é mar de rosas.
Amor é amor quando sabe dividir penas e somar bonomias.
Quando não aprisiona nem tolhe ou oprime.
Quando a vida a dois não vira tribunal sem crime.

Nunca pedi mais do que compreensão e leveza e liberdade.
Tudo isso não para provar todos os corpos febris que me ardem.
Liberdade para percorrer e lapidar as pedras do meu próprio ser.
Leveza e compreensão para colher a palavra que me brota como dever.

Nenhum comentário:

Ato político

O “diabo” nunca mostra sua verdadeira face feia e assustadora. Para atingir seus objetivos macabros, normalmente o mal se apresenta com...