quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Licença poética



Peço licença uma vez mais para entregar-lhes novas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...


Há um rio interminável que me arrasta para ti.
Um rio calmo, quente e arrebatador.
Um rio limpo, de águas cristalinas e margens mansas.
Um rio de correnteza leve que leva todos os males.
Um rio fundo, transbordante e com uma ponte de amor no meio.

Nenhum comentário: