Sobre o Blog do Toninho

O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras "cositas más". Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

segunda-feira, 30 de março de 2015

Ato político


Compartilho um artigo certeiro, profundo e necessário de Ademir Furtado. Não digo mais nada, pois tal escrito já diz tudo sobre quem é e porque tanto esperneia atualmente em nosso país ou aqueles que mais aderem a marcha (a ré) incetada pelos que estão no topo da pirâmide social brasileira. Um esperneio com lenço, batom, roupa de marca, documento e muito mais, mas totalmente desproporcional e sem noção, tendo em vista que a classe média nunca foi ao paraíso no Brasil e nos dias que correm nunca esteve tão longe de chegar ao inferno propalado "pelos de cima".

A classe média nunca foi ao paraíso (por Ademir Furtado)
Um vídeo que circula pela internet há algum tempo provoca a ira de muita gente. Trata-se de uma palestra da filósofa Marilena Chauí, em que a da classe média brasileira é tachada de fascista, reacionária e ignorante. A fúria que se alastrou pelos segmentos mais remediados da população aumentou mais ainda quando algumas instituições divulgaram os salários de seus funcionários, e na lista de uma universidade pública apareceu o nome da palestrante, ostentando uma renda mensal de mais de vinte mil reais. Isso, segundo os iracundos, seria uma contradição, uma manifestação hipócrita da filósofa. A partir desse momento, Marilena, cuja inclinação política é publicamente de esquerda, passou a ser ridicularizada. 

Verdade seja dita. É duro, para qualquer vivente, se olhar no espelho quando não está com a cara que ele gostaria. Pior ainda, é quando o sujeito é obrigado a ouvir uma descrição de sua aparência que não combina com aquela imagem idealizada que ele tanto se empenha em alimentar. Nesse caso, a melhor estratégia é desqualificar o intrometido que se aventurou a dar palpite, e ignorar suas opiniões fora de propósito.

Pois os indignados da vez, aqueles que correram para vestir a carapuça, teriam poupado um pouco da bílis se atentassem ao estrato sociológico ao qual a filósofa se referia. Aí entenderiam que o que determina a posição social de uma pessoa não é o salário que ela recebe no fim do mês, e sim a sua capacidade de influenciar nas tomadas de decisões que afetam a vida de todos. E se esses medianos revoltados tivessem o hábito de refletir sobre os problemas nacionais, aprenderiam que o maior dilema de parte da classe média brasileira não é ser explorada e sempre pagar a conta, e sim, a crença de que faz parte da classe dos ricos. Felizmente, essa constatação não deve ser generalizada. Ela se aplica apenas a uma parcela da base de apoio da pirâmide social cujos membros desprezam qualquer atividade que não produza lucro financeiro, como as reflexões filosóficas, por exemplo. Gente que tem no poder de consumo sua única fonte de satisfação pessoal.

Financeiramente dependente da infraestrutura desenvolvida pela classe dominante, a classe média vive na ilusão de que faz parte da elite, quando na verdade, vive apenas pendurada nela. É essa condição de parasita que a torna defensora do status vigente e tão refratária a qualquer mobilidade social vinda de baixo. A certeza de não conseguir subir mais um degrau, somada ao medo de cair nas desgraças da pobreza, gera na mente dessas criaturas uma necessidade premente de se afastar das esferas subalternas.

A supervalorização da capacidade de consumo de bens produzidos no primeiro mundo é um mecanismo utilizado para essa conquista. Mas o argumento mais utilizado para se colocar num patamar que julga ser inatingível pelos desfavorecidos da sorte é o arcabouço de valores morais. Carente de qualquer refinamento intelectual, a classe média acredita que as atitudes dos homens são determinadas exclusivamente pelas suas escolhas morais. Um homem seria bom ou mau simplesmente porque assim ele escolheu. E o mundo seria mais ou menos como uma casa, onde cada compartimento é o cenário de atitudes e gestos padronizados. Essa visão de mundo não consegue conceber a política como um jogo de interesses de grupos, onde a ação dos participantes é determinada por pressão externa e não por convicções subjetivas. Nessa idealização da natureza humana, tudo aparece como uma competição de virtudes naturais, e o controle das riquezas produzidas em sociedade, fim último da atividade política, um mero reflexo do caráter moral dos agentes da administração.

A proximidade com as esferas superiores dá à classe média a ilusão de que foi recebida na sala de visitas. Por isso ela precisa escamotear sua condição de servilismo confinado na despensa e aderir ao discurso do livre arbítrio, criando para si uma imagem idealizada de que conquistou um espaço baseada em sua capacidade. Em momento algum ela vai conseguir enxergar que está apenas desempenhando uma função dentro de uma organização que funciona sem o seu controle.

Por isso a classe média se sente a merecedora por natureza de qualquer benefício vindo das camadas de cima, e não hesita em aderir às receitas dos chefes quando o banquete é farto. Mas, nos últimos anos, ela viu, com espanto e terror, que a administração do bolo foi orientada para as eternas demandas dos mais necessitados, que só recebiam atenção em épocas de eleição. Por não atinar que a sociedade é organizada na posição piramidal, ela foi tomada de escândalo quando algumas regalias foram jogadas no andar de baixo, sem que ela pudesse apanhar nem mesmo uma migalha. Incapaz de entender que o fortalecimento das bases da pirâmide trariam benefícios e mais segurança para todo mundo, ela se pôs a praguejar e acusar a governança de demagoga. Acreditando que a classe operária finalmente tinha chegado ao paraíso, a classe média passou a temer pela perda de sua posição de privilegiada serviçal da classe dominante. Então os chefes da cozinha se transformaram nos carrascos e vilões coligados com as forças do mal.

Com semelhante nível de entendimento, cada vez que se sente prejudicada, não aparece no horizonte da classe média nenhuma solução a não ser trocar os responsáveis pela repartição dos pães e esperar que um novo salvador lhe traga o tão sonhado mundo novo. Afinal de contas, para essa parte da população brasileira, o sonho máximo de redenção é habitar os paraísos fiscais e de consumo.

Ademir Furtado é escritor, autor do romance “Se eu olhar para trás” (Dublinense, 2011).

Nenhum comentário:

Música para os meus ouvidos

Viva Cazuza! Viva as canções que tocam as feridas e mostram que a vida é muito mais migalhas, máscaras ou arremedos de vida!