Sobre o Blog do Toninho

O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras "cositas más". Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

domingo, 18 de setembro de 2011

Agora é tudo farinha do mesmo saco?





Ao que parece, algo que vinha se desenhando e sendo tramado nos bastidores há algum tempo começa a adquirir contornos mais nítidos. Falo da possível aliança eleitoral entre partidos da oposição, partidos que fizeram parte da atual administração e, supostamente, alguns que ainda fazem parte dela. Esta é a leitura possível a partir do recente ato de filiação ao PSB de importante liderança local, a qual contou com presença do vice-governador do RS, Beto Grill, sendo prestigiada por dirigentes e autoridades dos mencionados partidos.

Penso que mais do que respostas, tal aproximação nos suscita muitas perguntas, entre elas: o PDT, de longe o maior partido do município, presente em todas as disputas eleitorais desde a volta da democracia, estaria disposto a abrir mão da cabeça de chapa? No caso afirmativo, esta não seria uma demonstração explícita da derrocada da sigla ou seria justamente uma tentativa desesperada de escondê-la? E em nome de quê toparia tal sacrifício, tal retrocesso, tal engenharia arriscada? E onde fica sua história de lutas e de gestões, sua identidade construída, em grande parte, no enfrentamento a alguns partidos que ora se aproximam para embarcar juntos no mesmo barco, como é o caso do PMDB?

E o PMDB, o que moveria o partido na direção da composição desta suposta frente? PMDB que sempre tratou o PDT como um bando de oportunistas que precisam ficar longe do poder. PMDB que foi um dos principais responsáveis pela vitória do atual prefeito, quando se fala em termos de estrutura partidária. Afinal, o que moveria essa sigla a marchar agora nas fileiras da oposição? Seria apenas a alegação de que o partido perdeu uma Secretaria que ocupava na gestão em curso? Então, sua única bandeira é estar à frente desta Secretaria? E sua posição firme diante do último governo pedetista? Era apenas jogo de cena?

Então, se acabaram as diferenças, os antagonismos, as rusgas, as farpas, as ideologias? Agora são tudo farinha do mesmo saco, todos unidos no mesmo ideal? Mas qual seria mesmo esse ideal? O que seria capaz de unir posições tão divergentes sob a mesma bandeira? Ou o que os separava antes era apenas o interesse mesquinho do poder pelo poder? E não seria esse interesse que antes os separava que agora poderá uni-los? São muitas as questões que precisariam ser explicadas, muitos os ditos a ser desditos e muitos feitos a serem desfeitos. Enfim, muitos tapas a ser transformados em gestos de afagos e cumplicidade.

Vejam bem, por certo dirão que a pretendida aliança seria em torno do interesse maior do município. Seria mesmo? Poderão dizer ainda que o partido que a encabeçaria (no caso mais provável o PSB) é novo por aqui, agregador, sem ranços. Sim, mas quem é o PSB em Herval? Em qual projeto administrativo tal aliança estaria assentada? Quais seriam os rumos de um eventual governo? Que soluções seriam propostas aos problemas do município? Que problemas esse grupo enxerga no município atualmente? O que seria apresentado para colocar no lugar da gestão que está aí? Qual acordo ou barganha daria sustentação a esta composição? Ou ela seria baseada apenas na repartição dos cargos?

O próprio nome a encabeçar esta possível aliança não se veria envolto numa enorme contradição? Graciano Sais é uma figura humana extraordinária, além de ser empresário competentíssimo e um homem público correto e experiente. Neste ponto, nada o desabona e muito o credencia a postular o posto de prefeito. Mas ele é egresso do PMDB. Como aceitar apoio da agremiação partidária da qual saiu provavelmente pela sua indisposição de continuar enfrentando algumas resistências e desencontros? E como carregar o apoio do PDT, partido do qual foi por longos anos um ferrenho adversário, e vice-versa?

Não estou tentando jogar um balde de água fria nem entrando no mérito dessa questão. Longe disso. Estas costuras ou tentativas de costuras são legítimas e podem até se revelar saudáveis para a política local. Só acho esta possibilidade no mínimo estranha. E mais do que isso, curioso que sou, fico ansioso para saber a resposta às questões que acabo por levantar.

Nenhum comentário:

Ato político

O “diabo” nunca mostra sua verdadeira face feia e assustadora. Para atingir seus objetivos macabros, normalmente o mal se apresenta com...