Sobre o Blog do Toninho

O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras "cositas más". Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Apesar de você a primavera sempre chega I




Trago à tona novamente uma estória deprimente que escrevi há alguns meses. Compartilho tal estória mais uma vez e aqui, desta feita dividida em duas partes. Qualquer semelhança com lugares ou personagens da vida real é mera coincidência. Espero que apreciem, com moderação, é claro.



Tenho um velho amigo mais velho que sempre conta as histórias de um caudilho político, um forasteiro ambicioso e despudorado que criou raízes nesta terra. O detalhe é que as histórias de caudilhos são sempre deprimentes, deprimentes como os próprios caudilhos. Uma história marcada por intrigas, boatarias, vilanias, apadrinhamentos, nepotismo, pilantragens, desvios, despotismos, pilhagens, faz de conta, apropriações indébitas, falsidades ideológicas, propagandas enganosas, promoções pessoais permanentes, improbidades administrativas, e por aí se vai a extensa lista de adjetivos também deprimentes...

Voltando ao famigerado caudilho, conta esse amigo que ele adorava encher a cara e dar vexames em público, porque achava que isso era ser popular. Que ele também adorava encher a bola de si mesmo, uma bola muy murcha, por isso a sua necessidade obsessiva por rebaixar tudo e todos, só assim ele podia alardear alguma grandeza e justificar sua própria existência. Sua luz definitivamente não brilhava e o jeito era tentar apagar o brilho alheio.

Ele conta também que o tal caudilho não suportava as opiniões contrárias, a imprensa e as ideais só eram livres se fossem a favor dele. Do contrário, deveriam ser proibidas, censuradas, e aqueles que se atrevessem a discordar ou noticiar coisas contrárias a seus propósitos deveriam ser ridicularizados, de modo a esconder os ridículos do caudilho. Como quase não possuía feitos próprios para propagandear, chegou a criar um veículo particular de comunicação com a missão de inventar virtudes que ele não possuía, além de detonar as virtudes dos que não faziam parte da sua trupe. E adivinhem, inaugurou tal veículo explorando a boa-fé do povo e usando o nome da comunidade em vão, para transformar o dito veículo de comunicação em palanque e propriedade familiar.

Segundo esse amigo, a sede de poder do caudilho não tinha fim e sua ambição era tamanha e sem limites. Conforme narra, certa feita o caudilho chegou a levar um desafeto político à força para lugar ermo e de arma em punho ameaçou dar um tiro em sua boca, caso ele não calasse a boca que bradava publicamente contra os abusos do caudilho. Era um lunático pelo poder, um louco decadente, deprimido e desenfreado, capaz de imitar Nero e atear fogo em tudo a sua volta ou sacudir uma cidade até deixá-la tonta!

No poder era um tirano insaciável, fora dele era um destrambelhado ressentido, um mau perdedor, sempre cavando uma brecha para empanturrar novamente a si e os seus. Dizia esse amigo que com ele no poder era festança garantida para seus seguidores mais próximos e mais fiéis, não apenas em solo local, mas principalmente nas idas constantes à cidade grande. Não faltavam caravanas, comilanças, beberagens, algazarras, orgias, tudo pago com o dinheiro e a boa-fé do povão!

Meu amigo revela ainda que o caudilho em questão era tão fã de si mesmo, mas tão fã de si mesmo, que certa feita obrigou uma multidão inteira a degustar um prato inventado pelo chef caudilho: arroz regado com a urina de vossa majestade caudilhesca! Tudo para que os súditos soubessem que sua falta de compostura não tinha limites e pudessem provar literalmente todo o sabor das suas sandices.


Continua...


Um comentário:

Luiz Leopoldo disse...

bha me parece que sei de quem é esse causo do caudilho.
aguardo o desdobramento desse conto pra chutar quem é o esperto que quer voltar pro cadin e deixar a cidade sem crédito em lugar nenhum e agora usam a fé pra iludir os babacas de plantão

Momento poético

Já és minha Já és minha. Repousa com teu sonho em meu sonho.  Amor, dor, trabalho, devem dormir agora.  Gira a noite sobre...