segunda-feira, 24 de abril de 2017

Momento poético



A página branca e a migalha - poema 10
(Maria Carpi) 
 

A página branca é a única 
que sabe qual o dia da própria


morte. A sede da água no recesso 
da pedra. A sede da água não


capturável e o talo da sede, 
ao último gole por todos os poros.


Ó página, ó rumor, lembra-te 
de mim, em minha miséria,


quando alçares o chão além 
da exigüidade. Não te esqueças


em teu esplendor, do fluxo arterial 
que move os rascunhos ao falcão


imprevisível sobre a presa. 
Eu te louvo e te bendigo, fome


imemorial, porque terei pouca 
coisa a devolver aos vermes!

(A Migalha e a Fome)

Nenhum comentário: