Sobre o Blog do Toninho

O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras "cositas más". Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Pensar é preciso


As críticas de parcelas da população, integrantes da oposição e até mesmo da situação, fazem com que o momento político da presidente Dilma Rousseff (PT) seja delicado. No mês em que milhares de pessoas foram às ruas para se posicionar de forma contrária às iniciativas da gestão petista, o deputado federal Henrique Fontana (PT) defende que o partido se reestruture, ouça as críticas e tenha capacidade de reação, inclusive “cortando na carne” políticos do partido envolvidos em investigações sobre desvios de recursos públicos.

Nesta entrevista ao Jornal do Comércio, Fontana crítica o estigma de que o PT é uma legenda corrupta, acusa setores da oposição e da mídia de incitarem posições “totalitárias que julgam de forma unilateral e coletiva um partido político e um governo” e defende a investigação irrestrita às irregularidades, em todos os partidos e setores sociais. “Não dá pra aceitar a simplificação da temática, porque a corrupção no Brasil não começou no governo do PT”, disse.

Fontana defende uma reestruturação partidária com o retorno de lideranças histórias que possam auxiliar no momento de crise. Ex-líder do governo Dilma – até a vitória do desafeto Eduardo Cunha (PMDB) para a presidência da Câmara dos Deputados – o parlamentar dá um ultimato no principal aliado e, muitas vezes, mais polêmico partido da base aliada: o PMDB. “O PMDB tem que tomar a decisão se vai sustentar o governo. Não podemos mendigar o apoio. O PMDB que tem que dizer se é governo ou oposição”, sentencia.



Jornal do Comércio – Como avalia os protestos pró e anti-governo federal das últimas semanas?

Henrique Fontana – A primeira grande questão é que os movimentos reivindicatórios devem ser saudados dentro de uma democracia. Óbvio que do meu ponto de vista devem ter claros os seus objetivos. Impeachment, golpe militar e incitação ao preconceito temos que criticar e refutar. As manifestações favoráveis que também incutiam críticas a determinadas a ajustes nos benefícios sociais temos que absorver e discutir. E a parte das manifestações contrárias ao governo, que reivindica ajustes na política econômica, reforma política, política mais próxima do cidadão, o combate às mordomias que, ao longo da história, os acompanham processos de poder, o pedido de lideranças mais próximas e de austeridade precisam ser ouvidos com atenção.

JC – O PT consegue ouvir essas demandas? Na Assembleia Legislativa, a avaliação feita na tribuna pelos deputados do partido é de que se tratavam de manifestações da elite.

Fontana – O PT não deve enveredar por esse caminho, deve tanto respeitar a manifestação crítica ao governo, como deve acolher as manifestações que apoiam o nosso governo. O que o PT deve é ser muito firme contra essa parcela da manifestação que sai com cartazes nas ruas pedindo a volta da ditadura militar. É verdadeiro que as pesquisas de institutos demonstraram que a maioria dos manifestantes foram eleitores do (senador e ex-candidato à presidência da República, do PSDB) Aécio Neves, mas isso não retira a legitimidade das manifestações. Não é correto e bom para o PT rotular a manifestação que critica o governo. Ao longo do tempo, a tendência é de que fiquem mais claras as posturas dos grupos que integraram as manifestações, aqueles que quiserem apostar no impeachment vão ter que se assumir como tal e não usar de artifícios de uma manifestação legítima. O momento do Brasil trocar de governo, se a maioria da população tiver essa vontade, será em 2018. É preciso entender que democracia é o sistema em que a maioria legitimamente ganha uma eleição, como a Dilma ganhou, e governa com erros e acertos, procurando ouvir o todo.

JC – O pacote de medidas anticorrupção apresentado pela presidente Dilma foi uma resposta incisiva para os pedidos que emergiram nos protestos?

Fontana – Contesto duramente quem diz que o pacote é de medidas requentadas. Se o Parlamento tiver coragem de não enrolar e não engavetar, só a criminalização do caixa dois, isso seria uma revolução nos costumes da política brasileira. O combate à corrupção não pode ser uma cruzada contra a política, tem que ser um combate com medidas institucionais que possam estreitar o espaço dos envolvidos em corrupção.

JC – Como vê o debate sobre corrupção no País?

Fontana – Há uma convergência nacional de priorizar o combate à corrupção. Acredito que parte da instabilidade política que a presidenta está administrando se deve à coragem de não aceitar a criação de um ambiente de acordos que incluísse uma diminuição da intensidade dos processos investigatórios. Partes da oposição e da mídia estão instrumentalizando a discussão com o objetivo de derrubar a presidenta, através de simplificações grosseiras e do incentivo ao preconceito e à intolerância, com frases totalitárias que julgam de forma unilateral e coletiva um partido político e um governo. Os julgamentos têm que ser individuais e os comprometidos com corrupção devem pagar pelos atos ilegais que cometeram. Não dá pra aceitar a simplificação da temática, porque a corrupção no Brasil não começou no governo do PT. Os casos de corrupção durante os governos do PT me incomodam profundamente e continuarei trabalhando para evitar que ocorram e para punir os responsáveis. Mas também temos que ir a fundo, com a mesma força, para investigar o cartel e as propinas pagas na Companhia de Trem de São Paulo que é dirigia pelo PSDB.

JC – Como reverter esta construção social que aponta o PT como um partido corrupto?

Fontana – Primeiramente, temos que debater com a sociedade que a corrupção deve ser punida com o mesmo rigor em todos os partidos, no setor empresarial, na sociedade e no serviço público. E o PT tem que ter capacidade de cortar na própria carne e punir aqueles que dentro do partido ou nos governos que dirigimos, respeitado o processo legal. Mas será que as pessoas acreditam que as empresas, até começar o governo do PT, fizeram todas as obras ao longo da história do Brasil, sempre no preço justo? Que nunca teve nenhuma propina, nunca nenhum servidor público ou político das fases anteriores que recebeu vantagens? O argumento da oposição, de que agora há uma corrupção sistêmica, não é verdade.

JC – Cortar na carne significa afastar os políticos investigados ou esperar o julgamento e, somente em caso de condenação, retirá-los?

Fontana – Depende de cada caso e das provas que apareçam. Quando o PT afastou o deputado André Vargas (cassado por quebra de decoro parlamentar, em 2014), estava claro que o conjunto de evidencias indicava contra ele. Acredito que a maior parte das pessoas que estão citadas nesta lista do procurador-geral (da República, Rodrigo Janot, na Operação Lava Jato), ao final serão consideradas culpadas. Na política, quando surgem evidencias fortes de problema, as pessoas têm que afastar da função não porque estejam condenadas, mas porque perderam as condições políticas para desempenhar suas tarefas. Defendo que o PT deve recompor, com exceção do presidente, toda a direção nacional, que leve os seus quadros mais experientes e testados para preparar o partido nesse momento de grande embate. Defendo que vá para a direção nacional do PT, um Tarso Genro, um Olívio Dutra e um Raul Pont, pessoas que tem uma experiência e nesse momento não estão em cargos eletivos, porque nosso partido está precisando. Quando temos um conjunto de quadros que estão disponíveis, grandes quadros da intelectualidade que têm simpatia conosco, temos que fazer uma direção política de grande densidade e de grande experiência política. A disposição de uma parte dos nossos adversários é de trabalhar pelo golpe e pelo impeachment e não adianta disfarçarem. Mas não vamos entregar a rapadura.

JC – Estes quadros não deveriam estar em ministérios? Os ministros e mesmo o Congresso Nacional consegue dar sustentação ao governo?

Fontana – Temos um problema sério na conjuntura política nacional, Eduardo Cunha não será um bom presidente para o Parlamento brasileiro. O sistema político brasileiro está num grau de exaustão e inadequação para as necessidades do País enorme e Eduardo Cunha tem trabalhado para criar constrangimentos e dificuldades à governabilidade de uma gestão eleita por quatro vezes consecutivas, pela maioria da população.

JC – Ficou evidente a força de Eduardo Cunha na saída do ex-ministro da Educação Cid Gomes (Pros), já foi o deputado quem anunciou a demissão?

Fontana – Não acho. O anuncio da saída faz parte estilo provocador, de uma postura autoritária do Eduardo Cunha. Acredito que a presidenta está pedindo ao vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), que ajude a organizar a base de sustentação, porque temos a obrigação e a responsabilidade de sustentar um governo. O governo não é do PT. A presidenta é do PT e o vice do PMDB, mas não dá para o vice ser do PMDB e uma parte do PMDB querer ocupar ministérios e não ter responsabilidade de sustentar o governo dentro do parlamento. O PMDB tem que tomar a decisão se vai sustentar o governo. Não podemos mendigar o apoio. O PMDB que tem que dizer se é governo ou oposição, não pode passar o resto da vida em uma espécie de ambiguidade que lhe permite tudo, ser governo e não ser governo ao mesmo tempo.

JC – Quem vai fazer essa cobrança? O PT tem como fazer essa pergunta?

Fontana – Se eu fosse líder do governo não poderia dizer disso, mas algumas pessoas tem que dizer o que está acontecendo. Espero que o PMDB, por maioria, decida ficar no governo e que efetivamente pactue um modus de convívio. Existe a independência do poder, mas o presidente da Câmara não pode continuar fazendo opções permanentes de oposição.

JC – Nesse cenário qual a possibilidade de votação da reforma política?

Fontana – Temos que fazer a reforma política, o presidente da Câmara vai resistir muito a essa mudança estrutural do financiamento, mas acredito que possa sair. A sociedade está se mobilizando e alguns se perguntarão: será que o parlamento vai ouvir a sociedade? Esse jogo está sendo jogado. Sempre defendi o financiamento público exclusivo para as campanhas, mas para a realidade brasileira defendo a proposta da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) de, primeiramente, estabelecer a proibição total de empresas financiarem eleições e partidos políticos a qualquer tempo, ou seja, dinheiro de empresas zero. Segundo, acolhe-se que pessoas físicas possam colaborar com valores máximos. Terceiro, define tetos que rebaixam profundamente os custos de campanha e isso vai simplificar o marketing eleitoral e quarto criminaliza o uso de caixa dois.

JC – Diante dessa conjuntura como o PT vem para a disputa municipal de 2016? O senhor concorre?

Fontana – A questão principal é fazer um esforço para montarmos uma aliança forte, uma coalizão que represente todo um conjunto de méritos que se acumularam naqueles anos de administração popular em Porto Alegre. É muito importante a recomposição de setores e defendo um esforço para termos o PCdoB, PSB, conversar também com o P-Sol, com outros partidos que estão no governo atual. Desses partidos, aparece o nome da deputada estadual Manuela d’Ávila (PCdoB), que tem uma qualidade enorme, é uma líder política por quem tenho profundo respeito e com quem tenho uma enorme afinidade de posicionamento político. Aparece meu nome, aparece o nome da (deputada federal) Maria do Rosário (PT), e eventualmente poderão aparecer outros. Algum dos grandes líderes da geração anterior à nossa pode se dispor a voltar e concorrer a prefeito seria acolhido com grande apreço. É precipitado falar em nomes, devemos apostar na constituição de uma aliança política sólida, capaz de produzir um programa que empolgue a cidade e que consiga de fato colocar todos em um uma mesma candidatura, preferencialmente. A eleição tem dois turnos, mas é melhor fazermos todo um esforço para uma candidatura única, sem imposições de parte a parte. Não há candidaturas naturais, não há naturalidade pra dizer que quem tem que ser cabeça de chapa é partido A ou partido B, temos que estar abertos a todos os cenários, e quem quer ter apoio tem que estar disposto a apoiar.


“Roubartilhado” de: http://www.henriquefontana.com.br/henriquefontana/imprensa/itemitem_id=2143386

Nenhum comentário:

Momento poético

Aceitarás o amor como eu o encaro?… Aceitarás o amor como eu o encaro ?… … Azul bem leve, um nimbo, suavemente Guarda-te a ima...