Sobre o Blog do Toninho

O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras "cositas más". Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Ato político


Durante a última campanha eleitoral, Tarso Genro disse reiteradas vezes que a questão não era se existia ou não uma crise no RS, e sim como enfrentar tal crise. Além disso, quem não sofre do mal da memória curta, deve lembrar que antes de Tarso chegar ao governo, a RBS promoveu ou levou ao ar várias reportagens, comentários, programas e debates acerca da crise estrutural histórica que atingia nosso estado, a qual de acordo com figuras como Lasier Martins, existia há cerca de 40 anos.
Passados alguns meses do novo velho governo do PMDB no RS, desta feita comandado por Sartori, já deu para perceber o quanto Tarso foi franco e acertou na mosca. Bastou mudar o governo para a forma de enfrentar os desafios e demandas do estado mudar radicalmente e para pior, afinal agora aqueles que mais precisam da ação do governo e das políticas públicas são justamente os que mais pagam o pato.
Se antes os servidores, especialmente o magistério, brigavam pelo piso (sem considerar os enormes aumentos dados pelo governo e que da forma que fora instituído o piso do magistério era impagável para qualquer governo em qualquer parte do mundo), agora a briga é pura e simplesmente receber em dia durante os próximos quatro anos, uma vez que a LDO aprovada pela base governista na AL fecha a porta para qualquer aumento.
Durante o governo Tarso ninguém ouviu falar em fechamento de hospitais ou no caos da saúde. Mesmo com a crise estrutural do estado, Tarso depois de muitos anos cumpriu a determinação constitucional de investir 12% do orçamento estadual nesse setor vital, salvou muitos hospitais do fechamento, aumentou a oferta de serviços do SUS e foi um parceiro importante dos municípios em políticas de saúde. Só em Herval tal parceria assegurou a compra de três ambulâncias, três veículos doblôs, uma van para o transporte de pacientes, o funcionamento do raio x no hospital, além do convênio inédito que vinha injetando importantes recursos no hospital da nossa cidade. Bastou Sartori assumir para tudo ir pelo ralo e a saúde voltar para a UTI.
Poderia falar ainda de um monte de outras iniciativas sob o comando de Tarso, o PT e os partidos da Unidade Popular Pelo Rio Grande que demonstram que o RS estava em boas mãos e no rumo certo, mas esse não é o foco nem o propósito desse escrito.
Meu foco e propósito aqui e agora é dizer que assino embaixo das palavras de Tarso acerca do Papa Francisco. Muito além da retórica, Francisco vem anunciando uma imensa luz nesse túnel escuro e sem fim que a sede desenfreada do lucro a custa dos mais pobres vem alcançando a nível global. Ainda falando em foco, a resposta das grandes corporações de comunicação aos ditos e feitos lúcidos do Papa tem sido o mais absoluto silêncio, comportamento idêntico ao dispensado ao governo do estado na gestão passada, quando atos e conquistas importantes eram solenemente ignoradas pela grande imprensa e, assim, passavam batidas aos olhos e ouvidos do público que não costuma se alimentar de outras fontes de informação e notícias.

Aliás, convém falar em outra artimanha da mega mídia, uma vez que diante dos ajustes pelos quais passa o país as todo poderosas e monopolistas empresas de comunicação brasileiras, como de costume, adotam posição tendenciosa e perversa. Falam como se a crise fosse algo exclusivo do Brasil, e não um fenômeno de proporções globais. Falam que as medidas adotadas para enfrentar a crise são amargas ou mera maldade do governo, mas não falam que se a oposição tivesse vencido a eleição as doses do remédio dito  amargo seriam cavalares e o tratamento seria por tempo indeterminado, e não apenas temporário como se espera com o atual governo.
Além disso, alardeiam que o Brasil está no fundo do poço, mas além de negar que as medidas mais radicais contra a crise são passageiras, também escondem que  na comparação com outros países, o quadro no Brasil (na Espanha, por exemplo, o desemprego supera os 20%) está longe de ser desolador ou caótico. Se formos deixar a propaganda global ou golpista de lado e atentarmos para a vida real, veremos que o Brasil passa sim por uma turbulência provocada pela crise mundial (até porque não somos uma ilha), porém que já passamos por crises muitos piores no passado (inclusive, durante o governo dos tucanos) e que a coalizão que governa o país já provou, assim como o Papa Francisco, que tem capacidade e compromisso com os mais pobres (tanto que esse é o principal motivo da crítica dos adversários) e segue merecendo a confiança das pessoas de boa-fé e dos brasileiros e brasileiras que nunca desistem de fato do Brasil.
Não “habemus” mais Papa?
Por Tarso Genro

Vamos imaginar uma situação diferente da que aconteceu na semana passada, na qual o Papa asseverou que o capitalismo é uma “ditadura sutil”, que a concentração monopolista dos meios de comunicação impõe “pautas alienantes” e gera um “colonialismo ideológico”, e supor o que ocorreria se o Papa defendesse a redução das funções públicas do Estado, o direito a monopolizar a formação da opinião, o mercado desregulado e o império cultural dos países ricos sobre os países pobres. Convém notar, em primeiro lugar, que as importantes manifestações do Papa tiveram escassos reflexos nas pautas nobres da grande mídia, com exceção da Folha de São Paulo, e só foram expandidas, como informação, pelas “redes” alternativas de comunicação.

Creio que se o Papa tivesse defendido as posições já conhecidas do liberalismo de direita, teríamos o início de uma nova grande campanha contra o setor público, contra os pressupostos de um Estado Social de Direito e, certamente, um novo ciclo de propaganda dos “ajustes”,  que tem massacrado as camadas sociais mais pobres de todos os continentes. Se o Papa tivesse adotado as posições já conhecidas da direita liberal, teríamos  um novo ciclo de lavagem cerebral, de natureza ideológica, baseada num velho princípio que informou as saídas de crises,  sob governos comprometidos com os mais ricos: na hora de bonança e crescimento concentremos renda, na hora de perdas e recessão distribuímos os prejuízos para baixo.

Parece que todos aqueles colunistas, jornalistas, “especialistas” de plantão da grande mídia, que saudaram a emergência de um Papa que se locomovia de ônibus, que conhecia a vida dos pobres de Buenos Aires, que falava com palavras simples aos seus fiéis, não esperavam que  ele fosse o homem que aparentava ser: um homem profundamente religioso, que não escondia as suas convicções de que o ser humano real, este que  sofre os tormentos do capitalismo “sem alma”, merece a atenção e o carinho de uma Igreja que promete a salvação na eternidade.

Nas memórias do grande diretor John Huston está transcrita uma carta do magnífico escritor B.Traven, autor do precioso, entre outros, “Tesouro de Sierra Madre”,  que se tornou  película dirigida por Huston  e cujo personagem principal foi encenado por Humphrey Bogart. O escritor, que duvidava da seriedade de intenções dos que queriam transformar seu livro em filme diz, na carta citada por Huston: “Em Hollyhood todo mundo pensa unicamente em dinheiro e em novos contratos, ninguém pensa em fazer algo extraordinariamente grande.”

Fazer “algo extraordinariamente grande”, mesmo se os tortuosos caminhos da História venham, depois  -independentemente da vontade daqueles seres humanos especiais-  desviar o curso da sua intencionalidade ética. O Papa deve ter pensado algo parecido, quando deu as declarações que afrontaram aqueles que, além de deter um poder extraordinário pela sua riqueza material, controlam a formação das opiniões a seu respeito. E o fazem porque subjugam o “direito humano à comunicação”, como diz aqui o nosso professor Pedrinho Guareschi, colocando as emoções a serviço da acumulação sem trabalho e profanando  os corpos na chama irracional do consumismo.

A Europa das Luzes teve capacidade de combinar, por um certo tempo, a emergência da cultura democrática com o escravismo; depois, fez conviver a democracia política com o colonialismo e seus massacres; hoje, depois do curto reinado social-democrata -na mesma Europa-  a Alemanha, nação devedora do Século passado que jamais pagou suas dívidas de guerra, dá um passo trágico:  faz da Grécia, estuprada pelo nazismo, a Câmara de tortura do capital financeiro. Nós, seres não especiais, dizermos isso que o Papa disse, é o trivial. O não-trivial é o Papa dizer isso, que ele disse, e a grande mídia praticamente censurar suas mensagens.

Parece que, de repente, o essencial do que é o Papa, um ser humano solidário com os pobres e que  desafia o capitalismo a ser verdadeiramente democrático, que não teme ser taxado de “esquerda” -parece que este Papa essencial-  deixou de existir para a grande mídia, que o tratará, agora, como já fez um apressado colunista da mesma Folha, como um populista-peronista. O Papa, que não teve seu coração nem sua mente forjados pela direita midiática escapou do controle ideológico do neoliberalismo, e disse: sois seres humanos, não sois mercadorias. Não aceitem isso que aí está, façam algo extraordinariamente grande!

.oOo.
Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, Ministro da Justiça, Ministro da Educação e Ministro das Relações Institucionais do Brasil.

Nenhum comentário:

Ato político

O “diabo” nunca mostra sua verdadeira face feia e assustadora. Para atingir seus objetivos macabros, normalmente o mal se apresenta com...