quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Licença poética



Peço licença novamente para entregar-lhes novas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...

Quero teu aceno
Teu oceano
Teu cio
Teu suor
Teu céu aceso e obsceno
Tua pele bronzeada
Teu riso arrasador
Teu cheiro que rouba o sossego
Teu rebolado de cair o queixo
Tuas curvas intermináveis
Tuas cochas quentes
Teu corpo caído sobre o meu
Tuas pernas torneadas e trêmulas
Teu olhar penetrando minhas pálpebras
Teus ouvidos implorando meus sussurros
Tua boca sussurrando meu nome
Tuas unhas lanhando minha carne fraca
Tuas mãos apalpando minha falta de pudor.

Te quero toda, tudo de ti e todos os pedaços teus!

Nenhum comentário: