Sobre o Blog do Toninho

O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras "cositas más". Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Ato político



Brasil, grande Suécia


Sou louco pela Suécia. Doido de atar. Não passa um mês sem que eu fale da Suécia em palestras ou na frente do espelho. Sonho que o Brasil se transforme numa grande Suécia. Uma Suécia tropical misturando funk, samba, bossa nova e algo mais. Sertanejo universitário não precisa. Os suecos achariam primário. A Suécia é a minha tara. País mais democrático e menos desigual do mundo. O rei reina, mas não governa e não faz escândalos como a monarquia inglesa. Não há controle de constitucionalidade. Nem auxílio-moradia para juiz.
Podemos vir a ser uma grande Suécia? Muita gente acha que não e culpa o clima. Igualdade e democracia não combinariam com o calor. É um preconceito típico de quem ganha muito sem suar a camisa. A Suécia tem dez milhões de habitantes e um parlamento com 349 membros. Proporcionalmente o nosso não é grande como dizem. Apenas incompetente e voraz. A Suécia tem uma economia mista fortemente baseada na exportação de produtos industrializados. Alia como poucos a cultura empresarial e a participação do Estado na vida das pessoas. Adoro este dado: o sueco, descontados todos os impostos, embolsa 40% do valor nominal bruto dos seus ganhos. Não é bonito, instrutivo, edificante?
Quarta economia mais competitiva do mundo, a alta carga tributária não gera um “custo Suécia”. Embora existam escolas públicas e privadas, a educação é gratuita. Assim como o material escolar, a alimentação e o transporte dos estudantes. Há déficit de professores na Suécia. Culpa do salário mensal baixo: em torno de R$ 13 mil. A solução tem sido diminuir a carga horária docente e aumentar a remuneração. Com um dos melhores rendimentos escolares do planeta, a Suécia só faz avaliações com notas a partir da sexta série. Até esse patamar nada de reprovação. Estuda-se remeter a avaliação para mais tarde ainda de maneira a diminuir a pressão sobre os alunos. O dever de casa é considerado anacrônico, ineficiente e está em extinção.
Um dos pontos mais importantes da educação na Suécia atualmente é a questão de gênero. Procura-se abolir o tratamento por ele e ela. Há um pronome neutro para designar meninos e meninas e banheiros unissex. Que país maluco. Investe quase 8% do seu PIB na formação das crianças e jovens. Cada cidade compromete 42% do seu orçamento com educação. A Suécia proibiu legalmente a palmada em 1979. Tudo lá é tedioso. Pouca violência, quase sem polícia na rua, prisões vazias, jornalismo policial sensacionalista não tem audiência nem razão de ser. Lixeiro casa como médico e os dois têm salários quase iguais.
O Brasil pode vir a ser uma grande Suécia? Dificilmente. Por causa do clima? Claro que não. Por causa da elite brasileira escravocrata. Ela não deixa. Não quer. Gosta de viver perigosamente. Prefere morar em fortalezas e circular em carro blindado a dividir o bolo de modo igualitário. A prioridade dos suecos é a justiça social. A das elites brasileiras é a política de segurança pública. Leia-se, repressão. Traído por sua burguesia, antiprogressista, o Brasil busca no atraso o seu futuro. O custo Brasil tem nome: conservadorismo.

Por Juremir Machado da Silva

Nenhum comentário:

Pensar é preciso!

Para não dizer que foi por falta de aviso...