Sobre o Blog do Toninho

O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras "cositas más". Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Ato político


Emir Sader sempre sábio e certeiro. Leiamo-nos, incorporemos suas palavras em nossa agenda e, sobretudo, em nossos afazeres, de modo a virar o jogo e preparar a colheita de dias melhores.

A renovação da esquerda

O resultado da eleições deste ano representam uma continuidade e um aprofundamento do regime de exceção instaurado pelo golpe de 2016. Uma nova gangue, que assaltou o governo, assim como a gangue havia feito, se reparte o botim, não importando o país, o povo, a democracia.
Para a esquerda representa um novo desafio. O de resistir, como sempre, mas desta vez diante de uma ofensiva que promete ser mais profunda contra os direitos básicos da população, das organizações populares, das chamadas minorias políticas. Mas resistir junto a uma imensa força despertada pelas ameaças brutais do candidato a que as elites brasileiras abraçaram, como fazem sempre, como ao aventureiro de plantão que as pode livrar de ter que conviver com governos que atendem os interesses da maioria da população.
Mas o resultado das eleições também traz o recado de que a esquerda no seu conjunto – partidos, movimentos sociais, personalidades, artistas, intelectuais, entre tantos outros protagonistas – precisam renovar-se, para estar à altura da nova etapa histórica do Brasil. Porque não se trata simplesmente de resistir para retornar ao que vivemos antes, por mais virtuosos que tenham sido os governos progressistas deste século.
Temos, antes de tudo, de deixar de ficar pensando nos termos do passado recente. Sobre alianças de uns partidos de esquerda contra outros, em termos de nomes para 2022. Tudo isso tem que ser definitivamente varrido do campo da esquerda, pertence à herança ruim de um passado que não nos permitiu vencer. São poeiras da estrada, que temos que deixar para trás, para podermos avançar. Ninguém sai de uma derrota dessas com a mesma roupa, com os mesmos hábitos, salvo que queira repetir as derrotas indefinidamente.
A reação da oposição democrata a Trump nestas eleições legislativas norte-americanas é uma boa indicação sobre como combater o avanço da direita e conquistar novos espaços. Nos EUA, se está dando um grande processo de renovação da oposição, produto das próprias mobilizações populares de resistência ao governo Trump. Mulheres, jovens, muçulmanos, índios, entre outros, foram eleitos de forma inédita nos EUA, refletindo já uma nova composição da oposição democrática, apontando para novas agendas, novas formas de atuação, novas lideranças.
A resistência à nova ofensiva da direita mobilizou a setores muito amplos do país, incorporando a gente que nunca havia estado mobilizada, a setores novos, fenômeno que infelizmente não teve tempo de se refletir nas eleições. Concorremos, com poucas exceções, com os nomes que tínhamos já, a participação de personagens da velha politica ainda foi muito grande.
A esquerda agora precisa se renovar. Não se trata de desfazermos do que acumulamos de bom, que é muito. O Lula continuará sendo o nosso maior líder. Dependendo da sua situação pessoal, temos que ver as formas de sua participação nessa nova etapa da nossa luta. Mas ele representa não apenas a figura de mais prestígio político no país, como o único grande líder popular nacional, a única liderança que permite que a esquerda rompa seu isolamento em relação a setores amplos da população. Como exemplo: quando o Lula era candidato ou quando seu nome era mencionado nas pesquisas, sempre ganharia no primeiro turno. Perdiam forca as manipulações de robôs na internet, as mentiras, até mesmo as igrejas evangélicas. Porque com a presença da imagem do Lula as pessoas são interpeladas na sua vida concreta, cotidiana – salário, emprego, escola, casa própria, entre outros momentos das suas vidas. As outras determinações ficam em segundo plano. Por isso o tiraram da disputa. Mas nós vamos necessitar sempre dele, pelo que ele representa de liderança, mas também de memoria para o povo, e como o depositário das melhores experiencias que a esquerda brasileira já teve.
Mas precisamos incorporar à luta e ajudar a formar novas lideranças originarias dos setores que tem estado mais ausentes da vida politica brasileira: mulheres, jovens e negros, para resumir o essencial. Lideranças de mulheres, de jovens, de negros, se possível de mulheres jovens negras, por exemplo. Mas também do meio artístico e intelectual, dos LGBT, dos quilombolas, dos índios.
De forma a que a própria composição dos partidos, das candidaturas, dos movimentos sociais, dos debates públicos, das lideranças nacionais, se renove. Renovação etária, claro, mas também da linguagem, das reivindicações, das temáticas, das formas de luta.
A direita se renova, com as concepções teocráticas da política, com temas do fascismo, com usos renovados da internet. A esquerda tem também que se renovar, mesmo se na direção radicalmente oposta à da direita. Com extensão do caráter laico do Estado brasileiro, com temas libertários, com melos eficiência no uso democrático da internet.
Deixar de lado, agora mesmo, as velhas discussões sobre as alianças entre os partidos. O buraco é muito mais profundo. A discussão tem que ser na direção da constituição de frentes de luta que incorporarem diretamente aos movimentos sociais, para oxigenar o desgastado clima de debate entre direções dos partidos. Que incorporem a artistas, a intelectuais, a personalidades do mundo democrático. Deixar de lado a discussão absurda sobre nomes de candidaturas para 2022, lista que sempre projeto o presente e o passado sobre um futuro que será novo, se queremos estar à altura dos imensos desafios que temos pela frente.
Ou a esquerda se renova ou será vítima das mesmas armadilhas antidemocráticas montadas pela direita, que nos levou às derrotas recentes. E nós precisamos e merecemos de novas vitórias.

Publicado originalmente em:

Nenhum comentário:

Ato político

O “diabo” nunca mostra sua verdadeira face feia e assustadora. Para atingir seus objetivos macabros, normalmente o mal se apresenta com...