segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Licença poética



Peço licença uma vez mais para entregar-lhes novas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...


Que a lua te encontre toda nua e desnude cada canto do teu corpo diante das imagens que enfeitam teu quarto, diante da minha imaginação.


Que o sol te encontre na rua e toque e bronzeie e acaricie tua pele, como uma espécie de fogo e afago que te faço com as minhas mãos.

Nenhum comentário:

Ato político

Excelente reflexão do querido e competente Zelmute Marten. Nesses tempos que os ambientes e relações virtuais se tornaram o chão ou cé...