O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras cositas más. Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Licença poética



Peço licença uma vez mais para entregar-lhes novas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...


Amor não enche barriga, mas inunda a alma de cor, furor, sentimento, sentido, emoção, poema.


De alma transbordando, fica mais fácil encher a barriga e a vida de tudo que vale a pena.

Ato político


Mais claro que isso só desenhando. Então, calo-me para deixar aflorar as palavras precisas do respeitável e sóbrio Juremir Machado da Silva...


Efeitos perversos da salvação do país


A ideia era boa. Combater a corrupção. Eles se vestiram de verde e amarelo e foram às ruas. Eram homens e mulheres de meia idade com alguns anos de trabalho pela frente. Eram senhoras e senhores aposentados. Eram jovens preocupados com o futuro. A causa era tão urgente que, para tirar os corruptos do governo, aceitaram colocar no lugar deles gente de reputação duvidosa, mas que lhes parecia menos pior. Panelas bateram. Manifestações multiplicaram-se. Parques, antes reservados ao lazer das elites, viraram palcos de ação política.
O governo corrupto caiu. Os ex-aliados dos depostos assumiram as rédeas do país. Para deslumbramento do chamado mercado, anunciaram o que pretendem fazer: reforma da previdência, desmontagem da legislação trabalhista e reformulação dos programas sociais. O cinquentão de camisa da CBF que lutou contra a corrupção do antigo governo e que aceitou o pretexto para o impeachment como suficiente descobre a sua nova realidade: em lugar de se aposentar dentro de quatro ou cinco anos, terá de trabalhar, na melhor das hipóteses, mais 40% além do tempo previsto, ou, na hipótese intermediária, até 65 anos de idade, ou, ainda, quem sabe, até 70 anos de sua vidinha.
O aposentado, que se sentiu de volta à ativa enrolado na bandeira nacional, recebe o seu quinhão: o reajuste das aposentadorias será desvinculado do aumento do salário mínimo. O seu ganho, depois de ter trabalhado muito, vai minguar mais a cada ano. Além disso, rubricas com porcentagem de gastos obrigatórios no orçamento federal, como educação e saúde, perderão esse caráter impositivo. Jovens e aposentados viverão o mesmo drama na hora da maior necessidade: o Estado poderá gastar menos em educação e em saúde. O cenário de horror é apresentado como o portal do paraíso.
O trabalhador que só queria um país mais honesto fica sabendo que alguns pensam em fazê-lo trabalhar 60 ou 80 horas semanais até que complete 70 anos de vida. O plano inclui “flexibilização” da jornada diária de trabalho e dos salários: leia-se, trabalhar mais e ganhar menos. O negociado deve prevalecer sobre o legislado. Traduzindo, a lei não vale mais. Os ricos riem sozinhos. A mídia mancheteia: país dá sinais de recuperação. FMI fala em crescimento. Programas como Ciência sem Fronteiras dispensam alunos de graduação.
Pobres dos velhinhos aposentados, coitados dos jovens, que pena dos brasileiros próximos da aposentadoria, acreditaram que o maior problema do país era a corrupção e que os novos donos do poder trariam honestidade, transparência e progresso. Sabem agora que eles não querem novas eleições por uma simples razão: nas urnas, não obteriam votos para implantar reformas que assaltam direitos adquiridos, saqueiam a plebe e enchem de alegria e ganhos os donos dos camarotes nacionais. O remédio, além de amargo, tem efeitos colaterais nefastos. Mata o pobre para engordar o rico. É macabro.
– Vão nos roubar até a pensão – exclama um velhinho.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

terça-feira, 26 de julho de 2016

Música para os meus ouvidos


"Um tango Argentino me vai bem melhor que o blues"...



Momento poético



                   
                              

                                                 De A Força de não ter Força


                                Ea canga e o amor o brilho.                               
Eu a pedra e o amor a gema.
Eu o gemido e o amor o canto.

 
Eu o transido e o amor o vento.
Eu grão-podrido do amor arvoredo.
Eu as cinzas, os senões

 
de seu alento alteando-se chama.
Eu ao meio, a pedaços e farpas,
pondo-me inteira a sua agulha,
 

a seu amálgama de suor e sal,
que meu sabor é sabê-lo
e meu saber é saboreá-lo.

Rir é o melhor remédio



segunda-feira, 25 de julho de 2016

Nem só de pão viverá o homem




PT de Herval realiza Convenção no próximo domingo



EDITAL DE CONVOCAÇÃO



O Presidente do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores de Herval/RS, no uso de suas atribuições legais CONVOCA os filiados do Partido no município para a Convenção a realizar-se dia 31 de julho de 2016 (domingo), das 13h30 às 16h30, na sede da Câmara de Vereadores, a fim de deliberar a seguinte:


ORDEM DO DIA

a)    Decisão sobre Coligação;
b)    Escolha das candidaturas à vereança para as Eleições de 2 de outubro de 2016;
c)    Sorteio e definição do número dos candidatos a Vereador.



Herval, 21 de julho de 2016.


  


Clovis Barros de Barros,
Presidente.



quinta-feira, 21 de julho de 2016

Altas conexões



Ato político


Não é mais possível conviver com o atual sistema político corrupto e corruptor na sua gênese e finalidade. Um sistema conservador que seleciona os piores, estimula o vazio em termos de formulação e ação política e promove um fosso interminável entre o eleito e o eleitor.

Na última década avançamos muito em nível econômico e social, porém emperramos nos avanços e permitimos o golpe na democracia do país, justamente pelo arcaísmo de um sistema político que é como uma roupa suja, puída, desalinhada ou desajustada que não nos serve mais. Se é que um dia serviu ao Brasil plural e decente que o povo brasileiro merece e precisa ajudar a construir não só na rua, mas através dos espaços e canais da política.



Plebiscito por uma Constituinte Exclusiva, por Henrique Fontana
A democracia brasileira está doente. O tratamento para a gravidade da crise democrática do país exige de todos nós uma resposta vigorosa e urgente. A crescente crise política, os inúmeros casos de corrupção, o personalismo, fisiologismo, abuso do poder econômico, alianças de conveniência, entre outras, apontam para a necessidade de uma profunda reforma do sistema político, visivelmente esgotado e incapaz de atender às expectativas da população. As consequências estão manifestas na crise que vivemos. Especialmente após o impeachment/golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, um grave rompimento do pacto democrático do período pós-redemocratização.
Infelizmente, o Congresso já demonstrou por diversas vezes que não fará a reforma política de que o Brasil precisa, é majoritariamente conservador na manutenção das regras que o elege. As mudanças aprovadas até agora não obtiveram os resultados desejados e foram cosméticas em sua maioria. Contudo, destaquem-se duas mudanças estruturais positivas: a proibição de financiamento empresarial às campanhas – por decisão do Supremo Tribunal Federal –; e o limite de gastos imposto pela nova legislação.
Por isto, a solução que propomos, consultada a população em plebiscito, é a convocação de uma Assembleia Constituinte exclusiva, com a única atribuição de reformar o sistema político-eleitoral. A Constituinte terá a duração de 12 meses e será composta por representantes eleitos exclusivamente para esse fim. Após a aprovação do novo modelo político-eleitoral, todos os membros se submeterão a uma “quarentena eleitoral” de cinco anos, impedidos de concorrer a cargos eletivos nos poderes Legislativo e Executivo.
A proposta prevê ainda que, após a conclusão dos trabalhos, no âmbito da Constituinte exclusiva, novamente a população seja chamada para, democraticamente, referendá-la. Com isto, vamos refazer o pacto democrático no país e dar uma resposta qualificada à crescente perda de credibilidade da política nacional. Nosso horizonte deve estar voltado à formulação de um novo ordenamento político para o Brasil, mais democrático, mais cidadão.
Publicado em Zero Hora – 12/07/2016  

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Música para os meus ouvidos


Eis uma canção que fala por si só. Com vocês Jorge Vercillo...




Rir é o melhor remédio



Licença poética


Peço licença novamente para entregar-lhes outras palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...


Tirei a lua para dançar e invadi a madrugada arrastando o pé. No meio dessa dança toda, não podia deixar de arrastar a asa para ti.

Quando dei por conta, o sol enciumado já estava batendo na minha cara, e eu, confortavelmente estendido na cama e aconchegado nos teus braços.

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Altas conexões



Momento poético


Não se apaixone por um poeta

Não se apaixone por um poeta há não ser que queira um romance confuso. 
Não tenha planos demais, um poeta não os seguirá.
Não queira uma vida toda,
a vida de um poeta não dura tanto,
mas teu nome será eternizado em cada poema.
Um poeta é fugaz.
Não ame um poeta em hipótese alguma,
o amor, para o poeta, é como um santo adorado,
mas nunca se sabe o quanto irá durar.
No entanto, deixe-se ser amada por um poeta.

(Ana Caroline Almeida)


Autorretrato


                                     Nem melhor, nem pior. Apenas "yo"!

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Música para os meu ouvidos


Há quem diga que romantismo saiu de moda. Há quem diga também que não existe música boa se o tema e o tom for o amor. Dizem que mais que coisa do passado, é algo que nunca existiu nem nunca terá lugar no mundo real. Que é sinônimo de ilusão, carência, excesso de mel ou algo para existir tão somente nas páginas dos livros ou nas asas de uma canção.

Ainda bem que no mundo ainda existe lugar para as diferenças e os pontos de vista contrários. Sorva Saulo. Sorva acima de tudo o amor que brota do peito e se traduz em gestos de amor bem diante dos olhos ou ao alcance da palma da mão. Basta um toque ou a batida do coração...





quinta-feira, 7 de julho de 2016

Licença poética


Peço licença outra vez para entregar-lhes mais palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...


Na tua ausência, cuido dos meus afazeres, leio um livro que nunca consigo chegar no final, evito andar nas ruas, rodas ou aglomerações, malho até ficar extenuado, jogo futebol com os amigos, me esmero para melhorar a cada dia como gente, vou deixando a vida me levar.


Frequento meu círculo religioso para fazer contato com as forças superiores do universo, curto e compartilho coisas do mundo do meu filho. Escuto uma canção para interromper o silêncio, rego as plantas, planto uma árvore, presto atenção no canto dos pássaros, admiro o espetáculo da natureza, acaricio até provocar o ronronar do gato preto que me desses, provo um pedaço do teu chocolate preferido.


Como um cuco, conto as horas e intercalo os minutos que não passam com um verso que verto para exaltar tua bela e doce presença no mundo. No mais, mudo tudo constantemente de lugar, mostro-me mudo ou inerte, mesmo executando mil tarefas ou movimentos. Nada parece tocar, animar, mover ou mexer comigo.


Tua falta me dói, desarticula o pensamento, congela tudo aqui dentro, embora eu toque o barco e embarque nas coisas que se movem a minha volta.

Pensar é preciso



segunda-feira, 4 de julho de 2016

Cenas da vida inventada



Momento poético



Ato político


Além da extrema violência e crueldade em relação aos corpos físicos das vítimas, uma das marcas registradas do nazi-facismo sempre foi repetir uma mentira mil vezes, até que ela parecesse verdade absoluta. Assim, a tortura alcançava também a mente e o psicológico das pessoas atingidas por essa milícia do mal que roubava a humanidade de tanta gente, atribuindo-lhes a autoria de coisas que nunca disseram, escreveram ou sequer pensaram.

Já faz algum tempo, nós pessoas de boa-vontade e defensores inarredáveis da democracia e da liberdade de fato e de direito, vimos anunciando e denunciando que algo semelhante - por óbvio, guardadas as devidas proporções -, vem ocorrendo no Brasil.

Como já aconteceu em outras quadras da história a velha, raivosa e truculenta direita vem usando métodos semelhantes aos nazi-facistas, na ideia de diabolizar todo e qualquer ato, instituição ou sujeito com cara e caráter democrático, popular e progressista.

Usam o combate à corrupção meramente como fachada e cortina de fumaça. Na vida real, apenas roubam escancaradamente sem serem submetidos ao mesmo tratamento vexatório e o rigor da lei ao qual expõe e condenam seus adversários, além de espalharem o ódio, a perseguição e o extermínio se não físico, mas moral de homens e mulheres cujo único mal ou crime que cometeram foi mostrar com ideias, gestos e ações que um Brasil mais igual, humano e ético é possível e necessário.

O grande Paulo Freire, mesmo depois de vários anos de sua partida desse mundo, segue sendo um dos alvos preferidos da injusta raiva dessas aves de rapina. Que imbecis medíocres e poucos esclarecidos achincalhem e distorçam o pensamento, a obra e o trabalho inestimável de Freire em favor da educação brasileira e mundial vá lá. Afinal, no atual momento do país o que mais vemos são marionetes e papagaios de pirata abrindo o bico. Já li ou ouvi muita gente que sequer leu a contra-capa de um dos muitos livros de Paulo Freire escrevendo ou falando não só absurdos, mas mentiras escancaradas a seu respeito e tudo o que ele representa, porém por serem tão medíocres e poucos esclarecidos, só resta dizer, "Pai, perdoa-os, eles não sabem o que fazem".

Agora quando a mentira e os impropérios ganham ares e contornos oficiais ou institucionais, o buraco é mais embaixo e, além do repúdio, merecem nossa retumbante indignação, protesto e exigência da devida reparação. Do contrário, se prevalecer a tese demoníaca e mentirosa dessa matilha, acabaremos escravos dessa cegueira coletiva e sem nenhuma saída desse beco sem saída que a sanha golpista acabou nos metendo.



Nita Freire protesta a respeito da alteração feita na biografia de Paulo Freire, o mais renomado educador brasileiro, a partir de computadores do Serpro, um órgão do governo federal, sobre seu suposto viés marxista; "Como V. Exa. sabe, enquanto intelectual e jurista, o meu marido jamais praticou nenhum ato e nunca escreveu nenhuma palavra dos quais se pudesse, em sã consciência, outorgar-lhe a pecha de doutrinador marxista e homem de princípios filosóficos e educacionais fracos e débeis, acusações contidas na nova biografia agora publicada pela Wikipedia", diz ela; Nita Freire também pede que o atual ministro da Educação, Mendonça Filho, aja para coibir a publicação de inverdades a partir de computadores do governo federal


Exmo. Sr. Presidente Interino do Brasil
Prof. Dr. Michel Temer

ASSUNTO: PAULO FREIRE: Wikipidia e SERPRO

Na qualidade de viúva, estudiosa e sucessora legal da obra do Educador PAULO FREIRE, quero, através dessa carta, estabelecer um diálogo cordial e franco com V.Exa., mesmo estando nós dois, em termos ideológicos, em posições diferentes, no sentido de esclarecer assunto que vem sendo divulgado pela imprensa nacional, de que partiu de dentro do governo através da rede do SERPRO, uma entidade pública, portanto sob a responsabilidade do Estado Brasileiro, a alteração no conteúdo da biografia de meu marido na enciclopédia livre Wikipedia, colocando-o como envolvido com um projeto de educação atrasado e fraco de caráter doutrinário marxista e manipulador.

Se não o tivesse conhecido na festividade de formatura de uma de suas filhas, creio que do curso de Psicologia/PUC-SP, ocorrida nos gramados do Clube Hípico de Santo Amaro, em São Paulo, quando sentados lado a lado na Mesa Diretora, ouvi de V.Exa. o enorme respeito e admiração que tinha pela obra e pela pessoa de Paulo Freire, não teria a ousadia de Vos escrever.

Como V. Exa. sabe, enquanto intelectual e jurista, o meu marido jamais praticou nenhum ato e nunca escreveu nenhuma palavra dos quais se pudesse, em sã consciência, outorgar-lhe a pecha de doutrinador marxista e homem de princípios filosóficos e educacionais fracos e débeis, acusações contidas na nova biografia agora publicada pela Wikipedia.

Para a construção de um país verdadeiramente democrático é da mais alta importância, que, órgãos do Estado ou que prestam serviços a ele, como o SERPRO, não estejam compactuando com interpretações de espíritos liberais inescrupulosos, que, intencionalmente maculam a honra de um homem que deu sua vida para que a educação, sobretudo a do Brasil, possibilitasse a libertação e a autonomia dos homens e das mulheres de nosso querido país. Nunca sob o bastão da intolerância, do fascismo ou do comunismo.

Acredito que o atual Ministro da Educação, natural do estado de Pernambuco, Mendonça Filho, como Paulo Freire o foi, teria o prazer (pessoalmente considero que o dever) de esclarecer e inibir que inverdades sejam ditas de seu conterrâneo, homem ético, probo e honrado, Patrono da Educação Brasileira. Acredito que o referido ministro se colocará e agirá, positivamente, a favor, no momento em que for instigado a isso por V. Exa., contra a manipulação da máquina do Estado a serviço do amesquinhamento de um dos mais importantes homens desta Nação.

É claro que Paulo Freire não é unanimidade, ninguém o é. Ele pode ser lido, analisado e contestado, isso faz parte da liberdade de expressão necessária e desejável à construção da cultura letrada de alto nível de qualquer país. Entretanto, o local dos contraditórios deve ser aberto, responsável, no seio da sociedade civil __ na rua, na universidade e nas escolas, através da mídia, nos sindicatos e fóruns etc __ e nunca dentro, exaltado por fato tendenciosamente ideológico-inverídico, acobertado pelo anonimato, por qualquer órgão da sociedade política.
É inconcebível que numa sociedade democrática se divulgue frases carregadas de ódio e de preconceito como: “Paulo Freire e o Assassinato do Conhecimento” __ absurda e ironicamente, no ano em que Paulo Freire está sendo considerado nos EEUU como o terceiro intelectual do mundo, de toda a história da humanidade, mais citado, portanto mais estudado nas universidade norte-americanas, que, a princípio são contra o marxismo.

Contando com Vossa compreensão e interferência para que se restabeleça a Justiça e a Verdade.

Cordialmente

São Paulo, 30 de junho de 2016.
ANA MARIA ARAÚJO FREIRE


Publicado originamente no site: http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/241874/A-carta-aberta-da-vi%C3%BAva-de-Paulo-Freire-a-Temer.htm


Seguidores