segunda-feira, 29 de abril de 2013

Música para os meus ouvidos


Outro dia o amigo Leopoldo comentou, em um de nossos frequentes papos em encontros casuais pelas ruas da terrinha, que o mesmo estava de malas prontas para assistir ao um show do imortal Lulu.

Confesso que senti uma inveja boa mas, ao mesmo tempo, uma alegria profunda por perceber que a boa música mantêm adeptos fiéis e nunca sai de moda...




Profissionais da Saúde mobilizados no dia de combate à hipertensão



26 de abril é Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, instituído pela Lei Federal nº 10.439, de 30 de abril de 2002. Para marcar a data, os profissionais das equipes de Saúde da Família visitaram órgãos públicos, como prefeitura e Câmara de Vereadores, além de agências bancárias, para realizar a medição da pressão arterial e oferecer informações sobre os riscos e a importância de prevenir ou manter o controle da hipertensão.
Na ocasião, o prefeito Ildo Sallaberry recebeu a visita e foi avaliado pela enfermeira Bruna e pelos Agentes Comunitários de Saúde, Paulinho e Priscila. Sallabery, elogiou a iniciativa e ressaltou a importância da prevenção como uma das principais formas de enfrentar a hipertensão, uma doença silenciosa e muito perigosa.
De acordo com a enfermeira Bruna, “Hipertensão arterial ou pressão alta ocorre quando a pressão sistólica (pressão arterial quando o coração se contrai bombeando o sangue) em repouso é superior a 140 mm Hg ou quando a pressão diastólica (quando o coração relaxa entre duas batidas) em repouso é superior 90 mm Hg ou ambos”.
Ainda de acordo com Bruna, “a hipertensão, embora pouco conhecida, atinge uma média de 20% a 25% da população brasileira, sendo que esta estatística sobe para 50% nas faixas etárias mais avançadas. A Organização Mundial de Saúde (OMS) apontou-a como uma das 10 principais causas de morte no mundo”.

Prefeitura afina parceria com Bombeiros



O prefeito Ildo Sallaberry recebeu na última sexta-feira, 26, em seu Gabinete, o tenente Idailson Adriani da Silva Pereira, do 4º SCI de Jaguarão, o qual estava acompanhado de mais três representantes do Corpo de Bombeiros.

A reunião teve como objetivo reafirmar a intenção da administração municipal de colaborar com todos os meios possíveis para fortalecer a parceria com o Corpo de Bombeiros, visando garantir que os estabelecimentos locais e a própria administração se adequem ao Plano de Prevenção Contra Incêndios – PPCI. Na oportunidade, o prefeito, inclusive, entregou documento disponibilizando uma sala, na Secretaria Municipal de Obras e Mobilidade Urbana e Rural, para que os Bombeiros possam prestar atendimento periódico no âmbito do município, com vistas a oferecer apoio e orientação à comunidade hervalense acerca do PPCI.

Também ficou agendada uma reunião com a participação do Corpo de Bombeiros, na qual os empreendedores do município poderão ter acesso a informações detalhadas sobre o PPCI e a legislação em vigor sobre prevenção a sinistros. A referida reunião ficou agendada para o próximo dia 8 de maio, às 10h, na sede do Sindicato dos Empregadores Rurais de Herval.

De acordo com Sallaberry, a prefeitura tem o compromisso de fazer a sua parte para adequar todos os prédios da administração municipal às normas de prevenção de incêndios, sendo que a prioridade é começar tal trabalho pelo Ginásio Municipal de Esportes e pela escola Pe. Libório Poersch. Segundo ele, os prédios novos construídos por essa administração já contam com o respectivo PPCI, mas a meta e o compromisso agora é garantir que todos os prédios da prefeitura contem com esse instrumento essencial para a segurança das pessoas. Além disso, a prefeitura quer dar o exemplo para incentivar os demais empreendedores do município a fazerem esse investimento indispensável para a segurança patrimonial e de todos que circulam pelos estabelecimentos do município.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Momento poético



Tudo muda

Tudo muda. Começar de novo
Tu podes, com o último alento.
Mas o que está feito, está feito. E a água
Que atiraste ao vinho, não podes
Mais retirar.

O que está feito, está feito. A água
Que atiraste ao vinho, não podes  
Mais retirar, mas
Tudo muda. Começar de novo
Tu podes com o último alento.

(Bertolt Brecht. Trad. Modesto Carone)


Música para os meus ouvidos

Canção de amor, das boas e legitimas sem aquela chata melação ou dor de corno, é algo que faz bem pra pele e acalma o coração. Ou será que não?




Secretários municipais buscam informações sobre projetos


Em reunião realizada ontem (25) com Ederson Machado, na sede da Secretaria de Obras Públicas, Irrigação e Desenvolvimento Urbano – SOP em Porto Alegre, o Secretário de Planejamento e Meio Ambiente, Toninho Veleda, e o Secretário de Agropecuária e Desenvolvimento, Fernando Silveira, buscaram informações sobre projetos da administração estadual previstos para o município através da SOP.

As autoridades municipais questionaram, principalmente, sobre o andamento dos projetos que preveem a construção de escola estadual no assentamento São Virgílio e de novos açudes.

De acordo com Ederson Machado, Diretor Administrativo da citada Pasta, o projeto de construção da escola no assentamento São Virgílio está incluído dentro de um projeto que prevê a construção de 12 escolas rurais em todo estado. Segundo ele, os recursos para execução do projeto são oriundos do governo federal, por meio do FNDE, e o projeto arquitetônico é de responsabilidade da gestão estadual. Conforme afirmou, todos os projetos estão em fase final de elaboração e até o mês de agosto deverá ser lançado o edital de licitação para a contratação de empresas responsáveis pela execução das obras.

Em relação aos projetos de açudagem, o Diretor Ederson informou que o município tem a previsão de ser contemplado com a construção de 113 novos açudes no âmbito da Secretaria de Obras, um dos maiores contemplados em todo o RS. Ele, inclusive, elogiou a presteza da administração municipal em pleitear e se habilitar nesse investimento essencial para os municípios que tem sua economia baseada na agropecuária e convivem frequentemente com a estiagem, como é o caso de Herval.

Conforme informou, a SOP chegou a abrir processo licitatório com vistas à execução dos açudes. No entanto, como o projeto original precisou sofrer diversas alterações técnicas visando à construção de açudes com mais qualidade, isso acarretou um aumento dos custos, o que foi interpretado pelos órgãos de controle da administração como possível desperdício do dinheiro público. Na sua opinião, algo totalmente equivocado, seja porque a iniciativa tão necessária precisou ser paralisada, colocando o estado e municípios sob o risco sofrer mais prejuízos com a ocorrência de novas estiagens, seja porque o aumento dos custos em relação ao projeto original é infinitamente menor que os prejuízos causados aos cofres públicos e produtores em decorrência da última estiagem.

A informação é de que os projetos técnicos estão concluídos e o custo total da construção dos açudes é de R$ 22 milhões envolvendo todos os municípios contemplados. A pendência agora é a liberação dos recursos dos cofres do estado necessários para garantir a execução do projeto e a posterior abertura do processo licitatório.

Por fim, o Secretário Toninho entregou ao Diretor Ederson o pedido para que a SOP providencie visita técnica na escola estadual Corintho Ávila Escobar, localizada na Vila Basílio, como primeiro passo para garantir investimentos na infraestrutura da mencionada escola, algo que foi prometido para ser realizado nos próximos dias.


quarta-feira, 24 de abril de 2013

Ato político



"Ato político" evoca e aplaude uma vez mais o sonhar sempre desperto de Emir Sader...

Por que a direita perde no Brasil?

A direita esgotou suas distintas modalidades de governo – ditadura militar, governos neoliberais – entre 1964 e 2002, ficou esvaziada de alternativas e tem que ver, passivamente, governos pós-neoliberais derrotá-la – de 2002 a 2010, muito provavelmente 2014, completando, pelo menos, 16 anos fora do governo.

Por que isso acontece? Em primeiro lugar, porque se equivoca nos diagnósticos dos problemas brasileiros e coloca em prática soluções equivocadas, sem capacidade de fazer autocritica e emendar seus caminhos.

Prévio ao golpe de 1964, o diagnóstico se voltava contra “a subversão”, acusando complôs internacionais que buscaria implantar no Brasil “o comunismo”. O Estadão, por exemplo, chamava, nos seus vetustos editoriais, o moderado governo Jango de governo “petebo-castro-comunista”. 

Daí que o centro do regime militar foi a repressão, para extirpar todos os vírus da subversão, limpando o organismo brasileiro dos elementos infiltrados. Nasceu de um golpe apoiado consensualmente pelo bloco dominante – grande empresariado, imprensa, Igreja católica, governo dos EUA, FFAA.

Passada a euforia inicial, o regime se estabilizou apoiado sempre na repressão, mas também numa política econômica, em que o santo do “milagre” foi o arrocho salarial, que permitiu o crescimento exponencial da exploração dos trabalhadores e dos lucros das grandes empresas nacionais e estrangeiras.

A retomada do crescimento econômico se baseou num modelo com um marco classista evidente: se baseava no consumo das esferas altas do mercado e na exportação, relegando a grande massa da população, afetada pelo arrocho salarial. Foi uma lua de mel idílica para o grande capital, que recebia todo o apoio governamental e não encontrava resistência nos sindicatos – todos sob intervenção militar.

Foi um sucesso que, assentado também nos empréstimos externos – especialmente quando o capitalismo internacional passou do seu ciclo longo expansivo do segundo pós-guerra a seu ciclo longo recessivo, iniciado em 1973 –, o que fez com que o modelo se esgotasse com a crise da divida – na virada dos anos 1970 à década seguinte.

Passou-se a apostar na democracia como a solução de tantos problemas acumulados no Brasil. O bloco dominante fez uma tortuosa transição da passagem do apoio à ditadura para a democracia, ajudado pela fundação do PFL e pela aliança, pela derrota da campanha das diretas e pela eleição do novo presidente pelo Colégio Eleitoral, que consagrou a aliança entre o velho e o novo – este na sua modalidade mais moderada, com Tancredo Neves.

O governo Sarney funcionou como transição entre a temática ditadura/democracia para a temática Estado/mercado. A democratização reduziu-se ao restabelecimento formal dos direitos políticos, sem democratizar nenhuma outra estrutura da sociedade: nem as grandes corporações privadas, nem os bancos, a terra, a mídia.

Com Collor introduziu-se no Brasil o diagnóstico neoliberal: a economia não voltava a crescer por excesso de regulamentação. E, no seu bojo, vieram as privatizações, o Estado mínimo, a precarização laboral, a abertura do mercado. A queda do Collor deixou essas bandeiras disponíveis, que encontraram em FHC sua reformulação – naquela que passou, até hoje, a ser o diagnóstico da direita sobre os problemas do Brasil, resumidos num tema: o Estado não é a solução, mas o problema – como enunciado por Ronald Reagan há já mais de 30 anos.

Lula veio para desmontar esses diagnósticos. O Estado mínimo favoreceu a centralidade do mercado e, com ela, a exclusão social e a concentração de renda, pela falta de proteção que politicas sociais levadas a cabo pelo Estado poderiam levar adiante.

O sucesso dos governos Lula e Dilma deixa desarmados e desconcertados os próceres – partidários e midiáticos – da direita. A crise do capitalismo iniciada em 2008 e que segue sem hora para acabar, gerou um novo consenso na necessidade de intervenção anticíclica do Estado. A capacidade de resistência dos governos progressistas da América Latina pela prioridade das politicas sociais, dos processos de integração regional e dos intercâmbios Sul-Sul, e pela recuperação do Estado como indutor do crescimento econômico e garantia das dos direitos sociais da maioria – terminou de desarvorar a direita e deixá-la sem plataforma e sem alternativas.

Os candidatos que buscam uma brecha para se projetar – sejam Serra, Heloisa Helena, Alckmin, Marina, Plínio, Aécio, Eduardo Campos – se situam à direita do governo. Não conseguem reconhecer o extraordinário processo de democratização social que o pais vive há mais de 10 anos. Ou tentam aparecer como seus continuadores – como na primeira parte da campanha do Serra em 2010 –, ou desconhecem o novo panorama social brasileiro e atacam o Estado – de forma direta, como o Alckmin em 2006, ou de forma indireta, com a centralidade do combate à corrupção, outra forma do diagnostico de que o problema do Brasil é o Estado ou ainda na temática ecológica com a visão de que a “sociedade civil” é alternativa ao Estado, como a Marina.

Assim, a direita perdeu em 2002, 2006, 2010, e tem todas as possibilidades de seguir perdendo em 2014 e depois também. Porque não entende o Brasil contemporâneo, seu diagnóstico ainda é o neoliberal.


Rir é o melhor remédio




terça-feira, 23 de abril de 2013

Caçada policial continua...

Polícia segue em busca dos assaltantes de Pedras Altas

Efetivos de diversas cidades do Estado dão apoio a operação
Por: Redação
Barreiras policiais seguem por toda Região Sul (Foto: Carlos Queiroz - DP)
Barreiras policiais seguem por toda Região Sul (Foto: Carlos Queiroz - DP)
Cerca de 100 policiais seguem em busca dos quatro homens que assaltaram duas agências bancárias na manhã de segunda-feira (22) em Pedras Altas.

De acordo com o tenente coronel da Brigada Militar (BM) Elizeu Vedana, além das buscas efetuadas desde segunda, durante à noite e a manhã desta terça, os policiais seguem realizando o trabalho de barreiras em toda Região Sul. "Temos de 10 a 15 barreiras montadas e devemos continuar o trabalho incessantemente", contou o tenente coronel a reportagem do Diário Popular. Segundo ele, a aeronave de Porto Alegre segue dando apoio ao trabalho, assim como efetivos de diversas cidades do Estado. 

FONTE; Diário Popular

Pitada filosófica



sexta-feira, 19 de abril de 2013

1ª FELIN alegra a praça e movimenta criançada



Foi realizada ontem, 18, na praça central a 1ª FELIN – Festa da Literatura Infantil. O evento, comemorativo ao Dia Nacional da Literatura Infantil, é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Educação em parceria com as Secretarias de Cultura, Meio Ambiente, Assistência Social, Saúde e Obras.

A festa contou com uma programação bem elaborada que surpreendeu a todos e cativou a criançada, com abertura a cargo da gurizada da bateria do bloco carnavalesco 100% Libório, oficina de confecção de instrumentos musicais, tendas temáticas, teatro de fantoche, doação de livros, distribuição de balas e balões e o encerramento com apresentação a musical de Giancarlo Borba.














Altas conexões




Música para os meus ouvidos


Bom demais, apesar da falta que você me faz...



quarta-feira, 17 de abril de 2013

Enfim, a maioridade!



No último dia 5 de abril, o jornal O Herval comemorou seus 21 aninhos de vida. Mais que apenas cumprimentar a direção, servidores, leitores e colaboradores que contribuem ou já contribuíram para a construção dessa difícil, respeitável e elogiável história, quero aproveitar a oportunidade para dar uma breve pincelada acerca da importância do periódico em questão, além de propor um rápido olhar para a comunicação em nível nacional.

Conforme já afirmei em outros momentos, penso que O Herval não recebe por parte da nossa comunidade a valorização que merece. E isso não é de hoje. É a velha máxima de que santo de casa não faz milagre ou como a água ou a luz os quais nos damos conta de toda sua importância quando faltam em nossas casas. E aqui não falo necessariamente em relação ao baixo ou eventual interesse dos anunciantes, do número de assinantes provavelmente aquém do esperado ou da procura possivelmente ínfima pelo jornal nas bancas espalhadas pela cidade. Falo que temos em nossa terra poucas pessoas com vocação empreendedora e o simples fato do jornal existir e ser mantido durante tanto tempo, apesar de todos os obstáculos e limites, é motivo de reconhecimento, estímulo e de todos os aplausos.

Falo ainda sobre o acerto e a enorme importância da linha editorial de O Herval, comprometida em registrar a história do nosso município. Ou seja, o conteúdo do jornal, que hoje pode parecer trivial ou desinteressante para alguns – até porque retrata a nós mesmos e a tendência é sempre valorizarmos mais o que vem de fora –, num futuro bem próximo poderá ser visto como verdadeira relíquia pelo seu valor histórico. Não fosse O Herval, a maioria das cenas e personagens que escreveram nossa história ao longo desses 21 anos encontrariam registro apenas na memória dos hervalenses, sendo completamente apagadas com tempo. Não por acaso, esse periódico é visita obrigatória e fonte abundante para pesquisadores ligados ao mundo acadêmico ou todos interessados em conhecer pessoas, passagens e paisagens contemporâneas da “terrinha”.

Pois além da incompreensão e do acanhado reconhecimento; dos poucos leitores; da cidade ser tão à flor da pele em termos políticos, outro obstáculo é o incrível e escandaloso monopólio da comunicação existente no país. Nunca é demais repetir sem medo de errar que comunicação no Brasil, mais do que instrumento para garantir o direito à informação, é um negócio altamente lucrativo, comprometido em destacar apenas o pensamento de um grupo que disputa o poder nesse continental país e que, de quebra, se coloca acima do bem e do mal, justamente para não perder espaço e privilégios. Para alguns, inclusive, a grande mídia é o único e verdadeiro partido da oposição na atualidade, não apenas pela fragilidade dos partidos contrários ao governo, mas porque a mídia veste a camisa oposicionista por questões ideológicas e dos seus interesses comerciais. O fato é que a concentração do poder midiático nas mãos de poucos impede os pequenos veículos informativos de ampliar seu alcance social e alcançar cotas maiores das contas de propaganda oficial.

Por tudo isso, muito obrigado ao seu Luiz e familiares por proporcionar que esse periódico exista em nossas vidas durante tantos anos. Um ato quase milagroso, heroico e digno de todas as homenagens, hoje e sempre! Que esta chegada à “maioridade” seja apenas mais uma página ou o começo de muitas edições e conquistas que estão por vir! Vida longa ao jornal O Herval, muita saúde, paz e sucesso a seus proprietários, servidores, leitores e colaboradores!


Sala do empreendedor e novos filiados do PT



Em sua passagem pela cidade, o deputado prestigiou a inauguração da Sala do Empreendedor (foto acima), na sede da Secretaria de Agricultura, uma parceria do Sebrae com a administração local.

Após a inauguração, Marroni participou de uma plenária para novos filiados do PT, na Câmara de Vereadores (foto abaixo). Ao lado do presidente municipal da sigla, Toninho Veleda, o parlamentar enfatizou o papel do partido no desenvolvimento regional e de todo o país.


“Os 10 anos de governo do PT com o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma representaram um grande salto para o país. Agora temos o desafio de construir a sociedade da próxima década, com o aprofundamento deste projeto focado no fim da pobreza com distribuição de renda, investimento em educação e melhorias na infraestrutura”, afirmou.

FONTE: assessoria de imprensa do Deputado

Marroni visita Herval e conversa com direção do hospital



Em sua segunda visita a Herval em menos de um mês, o deputado Fernando Marroni esteve na cidade na tarde de segunda-feira (15) para conversar com a direção do Hospital Nossa Senhora da Glória (foto acima) sobre a situação financeira da entidade.

Apesar de receber repasses mensais da prefeitura local de cerca de R$ 35 mil, o hospital encontra dificuldades em manter o funcionamento normal devido às dívidas acumuladas. Conforme o presidente em exercício, Jaime Aguilar, o passivo atual é de R$ 203 mil.


“Temos pendências com o INSS que nos impedem de receber repasses estaduais e federais. Além disso, estamos há dois anos sem o certificado de filantropia, o que também agrava a situação”, explica Aguilar. “Se não aumentarmos nossa receita e não conseguirmos refinanciar a dívida, nossa situação ficará insustentável”, completa.


A par da situação, Marroni comprometeu-se a apoiar a direção em busca de alternativas que garantam o funcionamento pleno da instituição. “O hospital é fundamental para o atendimento de saúde em Herval. São 24 leitos e outros tantos atendimentos à população. Não podemos correr o risco de ver o fechamento”, disse.


O presidente municipal do PT e Secretário de Planejamento e Meio Ambiente, Toninho Veleda, também participou da reunião.

FONTE: assessoria de imprensa do Deputado

Momento poético




terça-feira, 16 de abril de 2013

Máquinas do PAC chegam a Herval



Em clima de grande festa, foram entregues na manhã de hoje, 16, as máquinas destinadas ao município por meio do PAC 2, numa iniciativa do governo Federal através do Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA.

O prefeito Ildo Sallaberry destacou a importância desse investimento que representa um reforço extraordinário no parque de máquinas da prefeitura para manter e ampliar o cuidado dos 1300 km de estradas do município.

Sallaberry destacou ainda a importância de a prefeitura estar em dia em termos administrativos, o que possibilita a chegada dos investimentos ao município, como também das parcerias firmadas com outros municípios, tendo em vista que a retroescavadeira e a patrola foram destinados a Herval através da associação constituída juntamente com Pedro Osório e Cerrito, numa proposta conjunta cadastrada junto ao MDA pelas Secretarias de Planejamento dos três municípios.

O vice-prefeito e Secretário de Obras e Mobilidade Urbana e Rural, Bebeto, destacou a importância e mostrou grande empolgação com esse investimento. Segundo Bebeto, a iniciativa mostra o compromisso do governo da presidenta Dilma com os municípios e com a melhoria da infraestrutura de norte a sul do país. Bebeto argumentou ainda que muito mais que a entrega de máquinas, a medida representa um grande investimento nas pessoas, uma vez que essas máquinas serão usadas na recuperação e manutenção de estradas utilizadas para escoar a produção, pelo transporte escolar e dos profissionais de saúde e da população rural, assegurando o direito de ir e vir dessas pessoas, com mais conforto e segurança.

Autoridades, técnicos e produtores locais visitam Canguçu



O Secretário de Planejamento e Meio Ambiente, Toninho Veleda, visitou o município de Canguçu no último dia 8, acompanhado do Secretário Adjunto de Agropecuária, Deomar Schafer, do médico-veterinário da referida Secretaria, Paulo Cezar Pereira e de produtores do município que atuam na agroindústria do assentamento 18 de Maio. Na ocasião, a comitiva hervalense foi recebida pelos técnicos responsáveis pelo Serviço de Inspeção Municipal – SIM do citado município.

A visita teve como objetivo conhecer o trabalho desenvolvido naquele município, envolvendo diferentes produtores, no âmbito da criação de galinhas poedeiras e da classificação de ovos coloniais, como também da agroindústria de peixes e frangos.

O Secretário ainda visitou a Secretaria de Meio Ambiente de Canguçu, no intuito de colher informações sobre as medidas, o funcionamento e a estrutura técnica e material necessária para que o município possa assumir a responsabilidade pelos 
licenciamentos ambientais de impacto local, no caso de Herval realizados atualmente pela Fepam e que se configura num dos principais entraves para que os pequenos produtores locais possam comercializar sua produção com a devida certificação de respeito às normas ambientais.

A intenção, portanto, foi conhecer experiências bem-sucedidas em termos de produção e da agroindústria familiar, visando colher informações tanto para auxiliar no trabalho dos produtores quanto para contribuir na organização da Secretaria Municipal de Agropecuária, sobretudo no que se refere à estruturação do SIM.

Segundo Toninho, essa troca de experiências é fundamental, uma vez que possibilita conhecer iniciativas que podem ser replicadas ou adequadas a nossa realidade, de modo a abrir portas para o incremento de novas técnicas produtivas em nossa agropecuária familiar ou mesmo novos horizontes para a industrialização desses produtores, com o devido respeito ao meio ambiente e a garantia da sanidade dos produtos.


Herval recebe máquinas do governo Federal



A foto acima mostra o prefeito Ildo sendo cumprimentado pela Presidenta Dilma e pelo Governador Tarso Genro, durante ato de entrega das máquinas do PAC 2 para municípios com até 50 mil habitantes, realizado na última sexta-feira, 12, na capital gaúcha.

Herval foi contemplado com uma retroescavadeira e uma motoniveladora (patrola), sem nenhuma contrapartida da administração municipal, numa iniciativa do governo Federal, através do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que visa apoiar os municípios na recuperação e manutenção de estradas vicinais, como também incentivar a indústria nacional.



O vice-prefeito Bebeto, o Secretário de Planejamento Toninho Veleda, a Coordenadora de Projetos, Cris, e vereadores municipais, fizeram questão de acompanhar o prefeito e marcar presença nesse momento que registra mais uma conquista tão importante para o município.

Ao todo Dilma fez a entrega de 120 máquinas a municípios gaúchos adquiridas através da segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). São 80 retroescavadeiras e 40 motoniveladoras que serão utilizadas para melhorias no escoamento da agricultura familiar, circulação de bens, serviços e moradores de áreas rurais. Também foram entregues 25 ônibus escolares. No total, os investimentos nos veículos somam R$ 31,5 milhões.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

O desafio de seguir transformando sonhos em realizações



O prefeito Ildo sempre viu com cautela a ideia da busca pela reeleição por acreditar que reeleição tende a acomodar sujeitos ou forças políticas no interior de um governo. Isto é, nesse caso não seria um problema específico de Herval ou de um grupo político, nem da política ou da gestão pública, mas da pessoa humana que está permanentemente exposta ao risco de perder o foco ou tirar o pé do acelerador quando se sente confortável numa situação ou posto que ocupe. No futebol encontramos fartos exemplos disso, com times ou clubes futebolísticos de repente se tornando irreconhecivelmente medíocres e encalhados na fila dos títulos, depois de atingirem o ápice da consagração em termos de vitórias e conquistas. Portanto, não basta talento e boa-vontade, é preciso manter a motivação e as mentes e mãos trabalhando incessantemente para o município seguir avançando.

Vejam bem, não se está aqui cogitando que a administração municipal estivesse sob a ameaça ou eminência de uma paralisia, decorrente do fato da imensa maioria da nossa população ter optado pela reeleição do grupo político no poder. Bem ao contrário, já que o compromisso era e continua sendo de retribuir a confiança manifestada nas urnas com mais e maiores conquistas. Falo aqui do risco da acomodação comum a todas as pessoas e a administração pública, por ser constituída pelos seres humanos, não tem como estar imune ou vacinada contra tal risco. Falo também que ao invés de camuflado, o risco em questão entrou na pauta do comando da administração, justamente para que ele seja não apenas afastado, mas transformado em combustível para irmos mais longe e mais fundo nas mudanças iniciadas na primeira gestão.

Além disso, nosso prefeito é homem de grandes ideias, porém consagrado como exímio realizador. Isso quer dizer que além do seu exemplo pessoal de extrema dedicação ao trabalho e permanente inconformidade (no sentido positivo da palavra), medidas administrativas foram tomadas desde o primeiro dia do segundo governo visando manter a máquina pública em pleno funcionamento, no rumo e ritmo certos. Medidas não só no aspecto político, como também no aspecto técnico e das relações internas da administração. Aqui cabe citar a injeção de sangue novo com a troca do comando de importantes Secretarias, a adoção de novos procedimentos administrativos internos e mesmo na relação com outras esferas de governo, bem como o pretendido reforço da equipe técnica, principalmente para acelerar e qualificar a elaboração de projetos técnicos ou arquitetônicos.

Por certo, as urgências da vida nunca caberão em nenhuma gestão. O importante, no caso de Herval, é que o compromisso de seguir transformando a vida das pessoas para melhor continua vivo, aceso e para além do mero discurso. E logo ali, o que ora escrevo ganhará sentido e forma com ações e investimentos concretos que se aproximam, se bem que a novíssima e bem-sucedida Feira do Peixe, recém realizada, já surge como amostra do cenário de novos avanços que anuncio. Podem estar certos que o comando e todo o time da administração do nosso município se mantém em movimento e recusa a acomodação. Seguimos sonhando, sempre com os pés no chão e com o desafio de transformar o sonho em ato. Ou como diz Sofia Cavedon, magnífica vereadora da capital gaúcha: “Nossos sonhos puxam nossos atos! Somos escolha, movimento e fato!”


terça-feira, 2 de abril de 2013

Pitada filosófica




Nesses tempos em que um certo Feliciano serve-se de uma das tribunas mais plurais da nossa democracia para usar o nome de Deus em vão e pregar a intolerância com os diferentes e as diferenças, nada melhor que invocar palavras sóbrias e sintonizadas com o espírito humano, no seu verdadeiro, radical e transcendental sentido...



(Cláudio Hences)



Ainda que o tempo amadureça o conhecimento e suavize os rancores há raiva no sentimento de pessoas que se dizem dispostas a mudar o mundo. Não importa muito a tendência política, se de esquerda ou de direita, suas idéias não agregam o valor que apregoam, quer para manter ou mudar as coisas, o pensamento é de exclusão. É necessário que os incautos entendam que o desamor nunca irá gerar o amor, que a intolerância nunca irá fomentar a compreensão. Evidentemente que a máxima cristã de fazer ao próximo o que desejamos para nós é falsa e impraticável, não somos tão bons assim, mas exercitar a humildade, a tolerância ao próximo, é uma prática possível. Há socialistas maldizendo o capitalismo, orgulhosos de seus boicotes a certas empresas, crentes que estão contribuindo para tornar o mundo mais justo e bom. Assim como pessoas felizes por terem logrado alguém, malogrando sua própria honestidade, soberbos pela pilantragem praticada. Amar o perdido deixa confundido este coração, nada pode o olvido contra o sem sentido apelo do não. O conhecimento não serve para combater idéias contrarias, mas para atenuar o próprio preconceito. Odiar os homossexuais não diminui os homossexuais, apenas aumenta o ódio; acoimar os homofóbicos não diminui os homofóbicos, apenas aumenta o achacamento. Tolerar é mais humano que amar.