O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras cositas más. Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Rolim, sempre Rolim



Compartilho com vocês mais um escrito de Marcos Rolim. Homem sempre laico, límpido e lúcido:

A CULTURA DO ÓDIO
(Marcos Rolim)


Os sentidos das coisas não os encontramos nelas. Mundo, em si mesmo, é a realidade do sem-sentido. O sentido é aquilo que nós emprestamos às coisas. Quando vemos algo, quando temos notícia de algo, temos a ilusão de que este algo nos revela o que é. Mas a realidade-do-que-é aguarda nossa intervenção como observador, como leitor, como ouvinte. Por óbvio, as coisas existem independentemente de nossa apreensão, mas o sentido delas corresponde sempre a uma atribuição do sujeito. Vejam os atentados de Oslo, por exemplo. Há muito para se ver ali. Mas o fato, insuperável, é que as pessoas vêem coisas completamente diferentes inclusive em um fenômeno extremo com o terror. Há quem, rapidamente, reduza tudo à loucura. Dezenas de inocentes foram massacrados porque um “maluco” decidiu assim, ponto final. Mas este “maluco” publicou na internet um manifesto de 1.500 páginas propondo a refundação da cristandade européia, alinhando argumentos racistas e combatendo o que denominou de “aliança marxista-islâmica”. Logo depois, políticos da extrema-direita europeia não se sentiram inibidos em expressar sua concordância com os “argumentos” do terrorista Anders Breivik Behring. “Terrorista”? Não para a imprensa brasileira que, como regra, prefere chamá-lo de “atirador”. Fosse muçulmano, Behring seria claramente designado como “terrorista islâmico”, mas como é um fundamentalista cristão o termo é “atirador”; muito conveniente.

Nos EUA, a Fox News faz campanha de ódio contra Obama, chamando-o de “socialista”. Em janeiro passado, o discurso de ódio manipulado pelo Tea Party estimulou outro terrorista cristão a cometer a chacina de Tucson quando 6 pessoas foram assassinadas e a deputada democrata Gabrielle Giffords gravemente ferida

No Brasil, vários dos chamados “formadores de opinião” se divertem há tempo estimulando o ódio político. Esta turma sempre existiu no esgoto da mídia e na folha de pagamento dos políticos corruptos, mas, agora, eles dialogam com o cinismo disseminado socialmente e não só com a direita tradicional. Para piorar o quadro, há um fenômeno novo para o qual deveríamos prestar atenção: uma militância religiosa intolerante e homofóbica que mobiliza milhões de pessoas e que se organiza como força política supra-partidária no Congresso Nacional. O lugar da extrema-direita no Brasil não está vago e, infelizmente, quem o ocupa tem a pretensão de falar em nome de Deus. Durante a última campanha presidencial , tivemos a primeira demonstração significativa do que há de regressivo nestes fenômenos políticos. O risco para o Brasil é que tenhamos pela frente pessoas dispostas a aplicar as receitas de ódio em larga escala. Pessoas, enfim, que resolvam ser “coerentes” com os estímulos homicidas que recebem.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Música para os meus ouvidos

Faço coro com o grande Belchior, dizendo que um tango Argentino me vai bem melhor que o blues.
Cosa muy buena um bom tango!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Licença poética



Peço licença novamente para expor a vocês mais umas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser:


Não me compreendes, por isso me castras, me prendes.
Me ardes e queima e excita, mas também me laceras e sufoca e vomita.

Amar só vale à pena quando sacia o corpo e não algema a alma.
Amar só vale à pena quando agiganta, e não apequena.
Quando convida a ser melhor, mais leve e elevado.
Quando internaliza e enternece e não nos condena como pecado.

Amor é amor quando não é mar de rosas.
Amor é amor quando sabe dividir penas e somar bonomias.
Quando não aprisiona nem tolhe ou oprime.
Quando a vida a dois não vira tribunal sem crime.

Nunca pedi mais do que compreensão e leveza e liberdade.
Tudo isso não para provar todos os corpos febris que me ardem.
Liberdade para percorrer e lapidar as pedras do meu próprio ser.
Leveza e compreensão para colher a palavra que me brota como dever.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Visite-me, visite-me muito...




O blog do Toninho vem se espraiando tanto em conteúdo quanto em número de acessos e seguidores que sinto a necessidade de situar melhor o leitor, a leitora, dentro da proposta lançada neste cantinho mantido por mim no “mundão virtual”.
O blog busca fazer um breve e sutil retrato das coisas da vida interiorana e dos meus interiores, numa abordagem que mistura opinião, reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, historicidade, entretenimento, transcendentalidade, etc.
Tudo isso feito com produções próprias, mas também com a reprodução de fragmentos da obra de grandes gênios que o país e a humanidade pariram no mundo das artes, da fé ou do pensamento.
Tudo isso também, através de escritos avulsos ou divididos nos espaços abaixo discriminados, além de outros que ainda deverão ser criados:

A palavra é gente
Cenas da vida inventada
Licença poética
Momento poético
Música para os meus ouvidos
Nem só de pão viverá o homem
Pitada filosófica
Programa de índio
Rir é o melhor remédio
Senti Nela


É isso! Sejam sempre bem vindos e retornem sempre que quiserem, sem pedir licença e mesmo sem prévio convite. O blog do Toninho é de todos e todas que gostam do bom, do belo, do justo e ainda possuem “essa estranha mania de ter fé na vida”.

domingo, 21 de agosto de 2011

Audiência sobre a falta d’água na metade Sul do RS




Acontecerá amanhã, 22 de agosto, às 15 horas, uma importante reunião no Ministério da Integração Nacional para tratar do acesso à água na metade Sul do estado do Rio Grande do Sul.
Quem está propondo esta reunião é o deputado federal Marcon (PT), juntamente com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, a Secretaria de Infraestrutura e a Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo do RS. Serão recebidos pelo Ministro da Integração Nacional, em exercício, Alexandre Navarro Garcia, na sede do ministério em Brasília.
Para o deputado Marcon “é necessário que se pense em projetos como perfuração de poços artesianos, rede de distribuição de água e açudes como forma de garantir água na região semi-árida do Rio Grande do Sul, de modo a prevenir os problemas que estas populações vêm enfrentando todos os anos com as secas”, declarou o parlamentar.
Além disso, a reunião também tratará sobre investimentos na fruticultura como alternativa para a produção agrícola, bem como estradas que são precárias nesta região, o que dificulta o escoamento da produção e chegada de insumos, encarecendo-os.
O município de Herval já confirmou sua participação nesta audiência, através da presença do presidente do Legislativo Municipal, vereador Claudio Inhaia (PT), que na ocasião também deverá representar o prefeito municipal Ildo Sallaberry.

Música para os meus ouvidos

A composição de Mauro Moraes na voz marcante de José Claudio Machado são uma coisa de louco. Mas de loucos lúcidos, que apreciam as coisas da terra sulina sem abrir mão do gosto pela qualidade poética e musical, reveladoras do gaúcho não apenas como "centauro dos pampas", mas como gente dotada de sentimentos e cioso de afetos. Uma lástima apenas que coisas boas como essas sejam pouco mostradas ou mostradas pelas grandes empresas de comunicação tão somente ao clarear do dia (quando a maioria ainda dorme o sono da desvalorização do que é nosso). Ou seja, os mesmos veículos que deveriam resgatar e valorizar nossa cultura acabam por marginalizá-la, ela que já é bastante marginalizada no contexto cultural do país.


sábado, 20 de agosto de 2011

Pitada filosófica


PRECISO DE ALGUÉM


Que me olhe nos olhos quando falo.
Que ouça as minhas tristezas e neuroses com paciência.
E, ainda que não compreenda, respeite os meus sentimentos.
Preciso de alguém, que venha brigar ao meu lado sem precisar ser convocado;
Alguém Amigo o suficiente para dizer-me as verdades que não quero ouvir, mesmo sabendo que posso odiá-lo por isso.

Nesse mundo de céticos, preciso de alguém que creia, nessa coisa misteriosa, desacreditada, quase impossível:
- A Amizade.
Que teime em ser leal, simples e justo, que não vá embora se algum dia eu perder o meu ouro e não for mais a sensação da festa.

Preciso de um Amigo que receba com gratidão o meu auxílio, a minha mão estendida.
Mesmo que isto seja muito pouco para suas necessidades.
Preciso de um Amigo que também seja companheiro, nas farras e Pescarias, nas guerras e alegrias, e que no meio da tempestade, grite em coro comigo:
"Nós ainda vamos rir muito disso tudo"
e ria muito.

Não pude escolher aqueles que me trouxeram ao mundo, mas posso Escolher meu Amigo.
E nessa busca empenho a minha própria alma, pois com uma Amizade Verdadeira, a vida se torna mais simples, mais rica e mais bela...


(Charlie Chaplin)

Rir é o melhor remédio


sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Legislativo e MP reunidos para tratar das transmissões das sessões




Atendendo solicitação do presidente do Poder Legislativo, vereador Claudio Inhaia (PT), a Promotora de Justiça, Dra. Cristiane Maria Scholl Levien, compareceu à Câmara neste último dia 17 de agosto para tratar reservadamente com os vereadores e a Diretora da Rádio Comunitária Herval FM 104.9 assuntos relacionados às transmissões das sessões legislativas, através das ondas do citado veículo de comunicação comunitário.
A reunião foi motivada pela preocupação do vereador Claudio de que as transmissões das sessões pela rádio, na forma que estão sendo realizadas, além de atender a finalidade de levar informações à opinião pública sobre os trabalhos legislativos, também esteja amparada pelos princípios da legalidade e da moralidade.
De acordo com a Dra. Cristiane, a natureza jurídica da rádio impede que ela possa firmar contrato de transmissão das sessões, uma vez que as rádios comunitárias não podem receber recursos públicos para prestar este serviço que seria de utilidade pública, sendo esta a razão mesma de existir da rádio. Neste sentido, a representante do MP não constatou nenhum problema, pois a alegação foi de que o custo das transmissões vem sendo pagos pelos próprios vereadores e que o valor cobrado pela rádio é apenas para cobrir as despesas de transmissão, ou seja, não visam nenhum lucro.
No entanto, a Promotora manifestou preocupação em relação à informalidade desta relação Câmara-Rádio, tendo em vista não ter sido firmado nenhum tipo de contrato, e também porque esta relação ensejou uma celeuma entre os próprios edis, em razão de nem todos honrarem os pagamentos e o espaço ser igual para todos, conforme prevê a legislação que impede a prática da censura.
A Dra. Cristiane ainda afirmou ser democrata, que em sua opinião as transmissões das sessões pela rádio são importantíssimas para que a população seja informada diretamente sobre os debates e decisões tomadas na esfera pública municipal. No entanto, ela complementou dizendo que está disposta a fazer o possível para garantir esta publicidade, desde que a lei seja respeitada e as sessões sejam transmitidas na íntegra.
Por fim, a Promotora manifestou o entendimento de que a maneira mais correta sob o ponto de vista jurídico de manter as transmissões das sessões do Legislativo pela rádio seria se as mesmas passassem a ser custeadas pelo comércio local, a título de apoio cultural, ao invés dos pagamentos serem feitos pelos próprios parlamentares.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Licença poética




Peço licença mais uma vez para compartilhar novas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e também inspiradas na minha musa imaginária...

Consegues, ao mesmo tempo e com a mesma intensidade, ser mulher, anjo e gente.

Tudo em ti mistura fogo e afago, leveza e furacão, amor e cio, pudor e sexo...

Alegras-me e excita, toca e atrai, instiga e sacia; provoca e acalma...

Tua epiderme me palpita e acende, tua alma me eleva e transcende.

Municípios da região sul pedem asfaltamento



Uma comitiva de representantes de diversos municípios da região sul do Estado esteve reunida nesta segunda-feira (15/8) com o Secretário Estadual de Infraestrutura e Logística, Beto Albuquerque (PSB). Na pauta da reunião, realizada no gabinete do Secretário no Centro Administrativo do Estado em Porto Alegre, estava a reivindicação das autoridades destes municípios por investimentos em pavimentação e/ou recuperação de rodovias nesta região do RS, a fim de encurtar distâncias e facilitar o escoamento da produção.
A reunião que atendeu a uma solicitação do deputado federal Dionilso Marcon (PT), contou também com a participação do deputado federal petista Fernando Marroni, do deputado estadual Edegar Pretto (PT) e da deputada líder do governo na AL/RS, Miriam Marroni (PT).
Na ocasião, as lideranças políticas dos municípios apresentaram seus argumentos e propostas a respeito deste pleito e além das boas vindas, receberam do titular da pasta de Infraestrutura e Logística o compromisso de que a Secretaria e o governador Tarso farão o máximo esforço para viabilizar as demandas apresentadas. Evidentemente não do dia pra noite, mas dentro dos critérios técnicos e das possibilidades financeiras do estado. Mas segundo afirmou, “nenhuma obra se torna realidade se não são dados os primeiros passos, por isso o importante é começar os estudos técnicos ou ambientais para viabilizar as obras”. Ele salientou ainda que, inclusive já tramita uma proposta junto à União para a criação de um Programa Federal para realizar pavimentações nos municípios situados na faixa de fronteira no sul gaúcho, além de outras alternativas existentes que estão sendo estudadas pela Secretaria.
Segundo o deputado Marcon, a reunião foi excelente enquanto primeiro passo de uma jornada longa e difícil. A deputada Miriam, por sua vez, enfatizou ao Secretário Beto que os municípios representados na audiência apresentam características diferentes de municípios inseridos no contexto do pólo naval, do pólo calçadista, do pólo metal mecânico ou de outros produtivos do Estado. De acordo com ela, esses municípios representam um Pólo da produção de alimentos e para escoar alimentos é imprescindível dispor de estradas seguras e de qualidade, defendeu.
Além de Herval, estavam representados na reunião os municípios de Pinheiro Machado, Aceguá, Piratini, Pedras Altas, Candiota, Hulha Negra e Canguçu. A comitiva hervalense foi integrada pelo Procurador-Geral do município, Rodrigo Dutra, que representou o prefeito Ildo Salaberry, pelo Presidente e o Diretor-Geral da Câmara Municipal, além dos vereadores Passoca, Solange Tavares e Jackson Xavier.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Cenas da vida inventada

Hoje é dia de mais uma estréia no blog do Toninho. Lanço neste momento CENAS DA VIDA INVENTADA.
Um espaço para reproduzir cenas de minisséries, filmes, novelas, enfim de produções televisivas ou cinematográficas que eu for encontrando neste “mundão virtual”, merecedoras do título de arte. Isto conforme o meu juízo, por óbvio.
Portanto, não é um espaço para o besteirol ou a “arte cínica”, que estes já existem de sobra por aí. Mas um espaço para revelar cenas embebidas pelo manto límpido e iluminado da verdadeira arte, a arte que alegra, eleva ou convida o ser humano a ser mais humano.
E para começar, saboreamos esta cena esplendida da minissérie “O tempo e o vento”...




domingo, 14 de agosto de 2011

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Marcon quer asfalto para região Sul




O deputado federal Marcon (PT-RS) está organizando uma audiência que acontecerá no dia 15 de agosto do corrente ano com o Secretário de Infraestrutura e Logística do Estado do Rio Grande do Sul, Beto Albuquerque para tratar de ligações asfálticas na região Sul do estado.
Segundo o parlamentar, é uma reivindicação antiga dos moradores das zonas rural e urbanas da região que sejam pavimentadas a RS 265, que liga as cidades de Piratini, Pinheiro Machado e Canguçu, também a RS 608 no trecho entre Pinheiro Machado, Pedras Altas e Herval, e a RS 615 que liga Hulha Negra à Candiota.
“É urgente e necessária a pavimentação destas vias para o desenvolvimento rural e urbano destes municípios e de toda a região”, destacou Marcon.
A audiência está marcada para as 17 horas da próxima segunda-feira (15) no Gabinete do Secretário. Participarão desta audiência o Secretário Beto Albuquerque, o deputado federal Marcon, além de representantes dos municípios envolvidos, incluindo o prefeito de Herval, Ildo Sallaberry e o presidente do Legislativo municipal, Claudiomor Inhaia.

(Com informações da assessoria de imprensa do deputado Marcon)

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Comando da BM visita Legislativo




A última sessão ordinária da Câmara Municipal, realizada no dia 9/8, foi abrilhantada pela presença do comando regional e local da Brigada Militar, representado respectivamente pelo Major Ferreira e Tenente Charles Silveira. Ambos comparecerem ao Legislativo em atendimento ao convite feito pela direção da Casa, no intuito de discorrer sobre assuntos relativos à segurança pública e a atuação da BM no âmbito do município.
Após longo pronunciamento dos vereadores com declarações ora elogiosas, ora críticas em relação a supostos abusos cometidos por alguns brigadianos durante ações da corporação, o Major Ferreira e o Tenente Charles usaram a palavra para anunciar algumas metas do novo comando da instituição no município, empossado recentemente, a exemplo da retomada do trabalho iniciado pelo Tenente Sampaio, com orientações junto às escolas da rede municipal sobre os efeitos nocivos das drogas.
Na ocasião, os vereadores ainda apresentaram algumas denúncias, como, por exemplo, a supostas pendências na documentação e o estado precário de alguns veículos utilizados no transporte escolar. Eles ainda chamaram a atenção para algumas peculiaridades nos hábitos do povo hervalense, o que exigiria uma postura mais amena e menos truculenta por parte da BM, a exemplo do uso da lenha utilizada pela maior parte da população para se manter aquecida durante esta época do ano, algo que vem sendo tratado com excesso de rigor, expondo muitas pessoas de bem a enormes constrangimentos.
De acordo com o Tenente Charles, sua meta é integrar a Brigada à comunidade, uma vez que a instituição precisa ser parte da comunidade em que está inserida. No entanto, lembrou que o dever da BM é agir sempre em defesa da lei. O Major Ferreira, complementou dizendo que eventuais excessos não partem do comando. Ferreira ainda ressaltou que está aberto a comparecer ao Legislativo tantas vezes forem necessárias, inclusive por acreditar que as duas instituições podem perfeitamente caminhar juntas na defesa da lei e da ordem em Herval.

Rir é o melhor remédio


Degravação: Frente a Frente com o Governador Tarso Genro – TVE (21/07/2011)




Letícia Duarte (ZH) – Com relação a meritocracia, o senhor já se posicionou contra o termo em si da meritocracia, mas defende algumas avaliações por mérito, até se fala da proposta em Canoas que seria uma referência talvez para o Estado. Eu gostaria de saber de que forma isto vai ser implementado, se o governo vai levar adiante, embora haja essas resistências do próprio Cpers. De que forma isso vai ser feito?

Lógico, o Governo esta fazendo um estudo, uma discussão e irá apresentar aos servidores da educação uma proposta de qualidade da educação, baseada em dois elementos.
Primeiro, o controle externo da avaliação. Que vai ter a presença de instituições acadêmicas avaliando a avaliação. Isto não é novidade, foi o sistema que eu implantei no país, os SINAES (Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior) que são comissões que fazem de fora na Universidade que também se auto-avalia, a avaliação do Ensino Superior. Estes SINAES que foi implantado sob minha direção no Ministério da Educação, cujo gerente elaborador técnico foi o ex-reitor Hélgio Trindade, é um exemplo hoje para todo o mundo, para toda a América Latina, como um sistema moderno e correto.
A Segunda característica é a de que tem ser sim, tem que ter uma avaliação de mérito do trabalho dos professores, aquele professor que trabalha melhor, que qualifica melhor os seus alunos, ele tem que ser reconhecido através dos seus méritos. Porque é um mérito do sistema e também um mérito individual. Como engendrar esse sistema para não cair numa visão meritocrática, que é outra coisa eu insisto, e que serve muito bem para a empresa privada, é a discussão que nós vamos fazer agora. Não vai haver a transposição mecânica nem dos SINAES para cá, porque nós somos um estado e não um Federal, e a nossa avaliação é a do sistema da educação média, do nível médio e da educação fundamental. E a questão do mérito também não vai ser uma transposição mecânica de Canoas, porque é uma cidade pequena em que é muito mais fácil de fazer essa avaliação com um número reduzido de escolas.
Agora esse projeto do Jairo para Canoas, foi muito bom para Canoas. Ele tem o indício correto que é a fixação do professor na sala de aula, que é uma compensação para os servidores a partir da qualidade da educação, da reação dos alunos, do aproveitamento dos alunos a partir de avaliações que são feitas. Então, isso daí nós temos que avaliar, e vamos discutir sim, com o Cpers e com toda a sociedade. Essa questão da qualidade da educação não pode ser uma discussão corporativa, ela tem que ser uma discussão que se faz com a sociedade e com os professores e também com a academia e também com as organizações da sociedade civil, porque a melhoria da educação não diz respeito somente aos mestres aos professores e sim ao conjunto da sociedade.

Letícia Duarte (ZH) – Recentemente o secretário da Educação chegou a dizer que isto não estava em discussão dentro do Governo. Pode se dizer que existe um conflito de visões sobre a Educação?

Não, o que o Zé Clóvis disse, eu li a entrevista dele, inclusive o cumprimentei porque ele falou da maneira adequada. Ele disse que o modelo de Canoas é o modelo de uma cidade, não ta em discussão aplicar um modelo de uma cidade no conjunto do Estado. E segundo a nossa visão não é a de meritocracia. Quando as pessoas falam de meritocracia às vezes me da à impressão de que elas não sabem o que é. Meritocracia é a institucionalização dentro de uma empresa, seja ela qual for, de uma avaliação de mérito dos trabalhadores dessa empresa para que eles concorram entre si, melhorem a qualidade do trabalho. Que visa o lucro. E que no limite se este trabalhador não se enquadra na meritocracia, ele pode ser demitido pelo seu patrão. No termo de vocês aqui, que trabalham em uma empresa privada e é instituído um sistema meritocrático, que é importante, vocês estão disponíveis a qualquer momento a serem demitidos pelo seu patrão.

Felipe Vieira (Rádio Guaíba/Record) - É bom para a educação essa disputa?

Não, não é bom não para os professores uma disputa entre os professores. O que tem que haver é uma relação do professor com os alunos e com os pais que é a quem ele presta contas. O objeto do trabalho do professor é uma criança, um jovem e esta criança, este jovem, não pode ser tratado com critérios de mercado. Até porque esta criança, este jovem não está sendo preparado exclusivamente para o mercado. Está sendo preparada para a vida, onde o mercado é apenas um elemento.

Felipe Vieira (Rádio Guaíba/Record) – É o principal elemento governador.

Não, não é o principal não. A pessoa tem que ter autonomia inclusive, a partir do momento em que ela recebe uma carga educacional de qualidade, para resolver o que vai ser a sua vida. Na sua vida essa pessoa pode ir para o mercado, ela pode trabalhar numa ONG, essa pessoa pode ir trabalhar no serviço público. Veja o seguinte, o que nós estamos falando na verdade, é de como a pessoa se posta perante a vida. E nós estamos falando que nós preparamos os nossos jovens para ser uma peça no mercado e para ser cidadãos. Que o “alvo” do mercado partiu das suas determinações, a partir das suas escolhas, da sua visão de mundo. Quem escolhe, por exemplo, uma determinada carreira de ser professor na Universidade, não está escolhendo para a sua vida uma profissão mercantil. Está escolhendo o serviço público. A pessoa que vai procurar uma empresa para trabalhar e se oferece para trabalhar ou que monta uma empresa, essa pessoa tem que estar preparada para enfrentar as disputas do mercado.

Felipe Vieira (Rádio Guaíba/Record) – Mas o senhor já tem a fórmula no bolso Governador, está nos escondendo?

Nós temos um trabalho em andamento. Eu vou dar um exemplo concreto se me permite. Um professor cujo desempenho na escola leva a que os alunos dessa escola aprendam melhor. Como é que ele deve ser contemplado? Deve ser contemplado com ascensão que está relacionada com o seu mérito porque o produto de seu trabalho em relação aos alunos deu um resultado superior. Isso é mérito. Um outro tipo de promoção é por tempo de serviço. E esse sim pega indistintamente todos os professores tendo eles mérito ou não.

Letícia Duarte (ZH) – Eu gostaria de saber concretamente quando o governo irá apresentar esse projeto e como deve ser superado esse conflito e divisões que existem dentro do próprio governo?

Não, dentro do governo não existe conflito de divisões. Quem da a visão do governo é o Governador. A partir da discussão com seus secretários, com os cargos técnicos. Então chega um momento sobre qualquer assunto em que o governador dá a linha e sintetiza a visão do governo. Então não há conflito. O que há é uma elaboração, uma discussão com diversas fontes de pensamento para que nós possamos informar a sociedade de como serão feita as reformas e em que direção serão feitas, inclusive na discussão com o próprio magistério. Isso nós fazemos de uma maneira tranqüila, para que você tenha uma idéia Letícia, nós já fizemos quatro reuniões, eu com a equipe da Secretaria da Educação, para fazer essa elaboração conjunta. E nós já estamos afinando, talvez mais umas duas reuniões e nós vamos produzir o nosso conceito. Nosso conceito de controle externo de avaliação e o nosso conceito de evolução do mérito, que vai sim ter um olhar muito especial para aquele professor mais dedicado, que está mais em sala de aula e que ensina melhor os seus alunos porque isso é estimulante para o conjunto da categoria. Agora nós vamos fazer de uma forma que não gere uma guerra entre os professores e uma disputa interna inclusive nas escolas que pode ser mais nociva que qualquer projeto de reforma que se possa fazer.

Marco Weissheimer (Portal Carta Maior/ blog RS Urgente) – Essa palavra meritocracia ela não caiu do céu, é uma palavra que no debate educacional tem uma data de nascimento, possui um contexto histórico de nascimento, que é o do avanço em Minas Gerais do neoliberalismo da redução do tamanho do Estado e da diminuição, portanto, de recursos, no caso da educação, para a educação pública. Então, a educação pública ela nasceu na Revolução Francesa e a idéia era a de que cabe ao Estado, Educação é um dever do Estado, assegurar aos seus cidadãos um serviço público de qualidade. Ser professor há 20, 30 anos era motivo de orgulho, as pessoas iam estudar no 2º grau para se tornar professor e eram professores qualificados, e não havia esse debate sobre a meritocracia. Então não há uma certa armadilha em colocar essa discussão sobre meritocracia no centro do debate educacional, quando hoje já se sabe, em nível nacional, não só aqui no Estado. Um debate sobre a necessidade de se aumentar o volume de recursos do PIB para a educação como um todo. Não é esse o debate central para melhorar a situação da educação em todo o país?

Eu sou filho de professor, e o meu pai dava aula de terno, ele era professor da Escola Estadual Manoel Ribas, fui aluno dele inclusive. Fui professor da rede privada durante um bom tempo e fui Ministro da Educação. Então, eu tenho algum tipo de informação, de leitura e de experiência na área educacional. E a questão educacional no Brasil ela tem mais de uma vertente. A primeira delas é a péssima remuneração dos professores, coisa que nós resolvemos agora com as Universidades nas reformas que nós fizemos e que pacificou a Universidade, inclusive em termos de qualidade. Eu não sei se vocês lembram, mas nós tínhamos duas greves de professores universitários por ano e há muito tempo não temos porque nós começamos a dar um tratamento digno aos professores e passamos a exigir mais deles, no âmbito da Universidade. Isso foi um processo de composição que a gente fez a partir das reformas que o presidente Lula encaminhou via Ministério da Educação. Então, a primeira fonte é a remuneração e os recursos para o sistema educacional. Segunda fonte, isso em relação particularmente ao sistema educacional do nível médio e de nível fundamental. Um empobrecimento geral da sociedade, a marginalização de vastos setores da sociedade em torno das grandes cidades o que deteriora as condições inclusive de permanência da criança na escola e de segurança da criança na escola. É um problema gravíssimo do país isso. Sobre isso a questão de recursos para a educação e a qualidade material do sistema educacional eu nunca vi os consultores privados falarem sobre isso. Eu vejo os consultores privados falarem sempre, nessas revistas nacionais que eles aparecem dando conselho, apresentando um micro-exemplo de uma boa escola, seja pública ou privada. Eu apresentei aqui no sistema educacional do Estado um exemplo de uma escola que é uma escola que até o jornal Zero Hora fez uma matéria sobre isso, que é uma escola de excelência. Tem uma boa relação com a comunidade, as professoras são dedicadas embora ganhem pouco, agora nós demos uma melhorada no salário dos professores aqui no Estado. Enfim, apresentei um micro-exemplo de uma escola pública. Um consultor privado quando examina o sistema educacional, ou ele pega uma escola privada, uma escola como exemplo, e diz que isso aqui deveria ser feito em todas. Estamos todos de acordo, agora como que se faz isso? Através de um gesto de imagem? Não, é uma questão de recursos, de formação de professores é uma questão de organização do sistema educacional como um todo. Então, eu sinceramente não reconheço até agora em nenhuma e nenhum consultor privado desses que aparecem por aí, algum tipo de seriedade para tratar do ensino público. Para tratar do ensino privado pode ser outra coisa. Eu tenho lido todos eles com muita atenção e com muito afinco. Foi exatamente aqueles consultores que atacaram o ProUni, aquela coisa que encheu de pobre as Universidades privadas, atacaram a reforma do ensino superior que nós fizemos com a melhoria do salário dos professores, diziam que os professores da rede federal não trabalhavam, está aí agora a nova qualidade das escolas superiores.
Então, tem uma dialética que não funciona nessas consultorias e a grande evasão por assim dizer é a transferência desse conceito de meritocracia nas escolas públicas, como se as escolas públicas pudessem ser tratadas como empresas, que não são. São instituições públicas estatais que estão inclusive nas franjas da sociedade que tem uma enorme dificuldade de socialização das pessoas, de integração da comunidade na escola e que tem uma função pública extraordinária. Então, é assim o escapismo, essa visão de meritocracia aplicada mecanicamente no ensino privado, que é um escapismo de quem não tem na verdade projeto para resolver a questão do sistema educacional. Que passa por recursos, passa por melhorar os salários dos professores, por formação, e passa sim também por reconhecer o mérito daqueles professores que passam a ser a vanguarda nas suas regiões e que devem servir de exemplo para os outros.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Momento poético



CANÇÃO PARA UM DESENCONTRO
(Lya Luft)


Deixa-me errar alguma vez,
porque também sou isso: incerta e dura,
e ansiosa de não te perder agora que entrevejo
um horizonte.
Deixa-me errar e me compreende
porque se faço mal é por querer-te
desta maneira tola, e tonta, eternamente
recomeçando a cada dia como num descobrimento
dos teus territórios de carne e sonho, dos teus
desvãos de música ou vôo, teus sótãos e porões
e dessa escadaria de tua alma.

Deixa-me errar mas não me soltes
para que eu não me perca
deste tênue fio de alegria
dos sustos do amor que se repetem
enquanto houver entre nós essa magia.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Senti Nela

Lanço neste momento Senti Nela. Um espaço para mostrar imagens de belezas naturais e também cenas da cultura de Herval, a Sentinela da Fronteira, algo nem sempre valorizado e apreciado pelas gentes daqui. Um espaço que substitui e fala mais do que a palavra.
Encharquemo-nos, então, com um pouco do que é nosso e com aquilo que Deus nos deu...










sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Música para os meus ouvidos

Monteiro toca com a alma. Escutar é um dever e uma delícia!

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Câmara vota reestruturação dos cargos CCs e FGs





Em sessão da Câmara Municipal, transcorrida no dia 02/08, foram votadas as emendas apresentadas pela Comissão de Constituição e Justiça ao PL nº 031/2011, de iniciativa do Poder Executivo. Os vereadores apresentaram 39 emendas ao projeto, das quais cerca da metade foi acatada pela Comissão para irem à votação. O projeto agora segue para sansão do prefeito municipal.
O Projeto 031/11 dispõe sobre o ordenamento estrutural dos Órgãos da Administração Municipal, criando cargos de direção, chefia e assessoramento. De acordo com o relator da comissão de Constituição e Justiça, vereador Paulo Cesar Carvalho (PMDB), a comissão propôs o aumento do número de servidores efetivos que perceberiam Funções Gratificadas (FGs), em substituição aos cargos ocupados pelos Cargos em Comissão (CCs). Além disso, foi excluída a CC3, percebida pelos secretários adjuntos, os quais passarão a receber remuneração equivalente à CC2. “O novo projeto com as emendas vai representar um redução de R$ 15 mil, com relação ao valor atual”, destacou Passoca.
Segundo o presidente da Câmara, Claudio Inhaia (PT) a matéria posta em votação é polêmica e precisou ser precedida de uma longa e trabalhosa negociação, não apenas no âmbito Legislativo, mas também envolvendo a participação do Sindicato da categoria (SIMHER) e o próprio Executivo. Para Claudio, o número e o teor das emendas refletem a falta de consenso em torno do projeto. No entanto, ele acredita que o Legislativo cumpriu o seu papel, o que garantiu não apenas a votação da proposta, mas a correção da inconstitucionalidade apontada pelo MP em relação a muitos dos cargos políticos da prefeitura.
(Com informações da jornalista Daiane Madruga)

Rir é o melhor remédio

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Ao meu filho muito amado



“Mi hijo muy amado” hoje completa nove anos de vida neste mundo ora producente, ora infecundo.
Mas diferentemente de outros momentos, gostaria de produzir um registro em homenagem a esta data que não seja em tom nem reflexivo nem poético. Quero me expressar livremente, como um pensamento em voz alta...

Nem todos sabem, mas meu menino não é sangue do meu sangue. Ele é uma cria roubada, ou melhor, adotada que entrou em minha vida apenas para me trazer alegrias. Tomaz é filho de um casal de amigos que, por motivos alheios a sua vontade, não puderam cumprir o sagrado e saboroso dever de conduzir os primeiros passos de um filho pelos caminhos deste mundo. Sorte minha!
Deste modo, Tomaz passou a fazer parte de minha história quando contava apenas uns quinze dias de vida. Era um menino frágil, chorão, mal cheiroso, assustado, encantador.
No início tive receio de me aproximar, de cuidar dele. Afinal, ele viera a minha casa para passar uns dias até que seus pais biológicos superassem a tempestade na qual se viam envoltos.
Mas a tempestade não passava e aos poucos fui abrindo meus braços e meu coração para acolher aquela criaturinha estranha e hipnotizante que, sem perceber, me dava um novo alento para estar vivo. Era como se eu estivesse diante de uma oportunidade para nascer de novo!
Não demorou muito e eu já estava completamente envolvido com aquele ser. O sonho de ser pai, acalentado desde a minha infância, começava a se realizar por um “caminho torto” e inesperado. A vida tem dessas coisas e as maiores alegrias às vezes acabam chegando na hora ou da forma menos esperada, por isso é importante estarmos bem atentos para não perder, muitas vezes por puro pré-conceito, os clarões de felicidade que nos surgem inopinadamente.
Desde então, Tomaz tem estado comigo nos melhores e nos piores momentos da minha vida. Lembro das suas carícias, das palavras de afeto em ocasiões em que eu me sentia a pior pessoa do mundo e ele lá, ao meu lado, tentando me fazer sentir um super-herói. Meu filho é mais que meu filho, ele é meu amigo, meu confidente, meu companheiro, meu puxão de orelha também...
Mas não pensem que a nossa relação é livre de atritos, de conflitos. Não, temos nossas mazelas, nossos desencontros, nossos tapas por entre os beijos.
Também não se pense que por amá-lo costumo passar-lhe a mão por cima. Nã nani nã não, antes de amigo sou seu pai, e pai tem um dever intransferível e inadiável perante seus filhos: o dever de ser responsável pela sua educação, de tolher-lhes os maus alvitres e, ao mesmo tempo, de potencializar suas virtudes humanas. Penso que a maior herança que um pai, uma mãe podem legar a um filho, não é a herança de coisas materiais (embora esta também seja importante), mas a herança de dignidade, de sapiência, de honestidade, de generosidade, enfim de tudo que concorre para que sua prole possa ser reconhecida como gente na verdadeira acepção do termo.
Por fim, devo dizer da minha gratidão a Deus por ter posto essa pessoinha linda no meu caminho... Nem eu nem ele temos qualquer problema pelo fato de inexistir ligação biológica entre nós. Este é um sentimento que pode estar presente nas mentes e nos corações dos egoístas, não em quem acredita e procura viver o amor independente de cor, credo, idade, opção sexual, condição social ou dos tropeços “ajenos”...
Parabéns meu filho, que o Paizão lá do alto permita que possamos continuar juntos por longos e laborosos anos. A vida contigo é mais leve, minha cabeça mais lépida e meu coração mais humano!

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Licença poética



Peço licença uma vez mais para trazer à tona novas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser e inspiradas na minha musa imaginária...

Posso ser princípio ou precipício, passageiro ou infinito.
posso ser príncipe ou sapo, ser sério ou um sarro...

Posso ser mistério ou livro aberto, posso ser sobriedade ou insensatez.
Posso ser tesão ou tédio, criatura ou criador, cio ou frigidez...

Posso ser partícula ou do tamanho do mundo,
mocinho ou bandido; posso ser puro ou imundo...

Posso ser geleira ou vulcão, poder ou servidão.
Posso ser poço ou correnteza, posso ser praia ou profundeza...

Posso ser posse ou gangorra, amor ou masmorra.
Posso ser déspota ou luz; posso ser céu, mas também sua cruz.

Posso ser bom, um boom ou um baque.
Posso ser o cara, um cachorrinho ou o cão,
mas o que mais quero é ser metade de tudo que cabe em seu coração!

Pitada filosófica




O AMOR DA MINHA VIDA...
(Maitê Proença)

O amor da minha vida eu encontrei, tem nome, é de carne e osso, e me ama também. Agora falta encontrar alguém com quem possa me relacionar. É que o homem da minha vida não cabe em mim e eu não caibo nele. Não basta que a gente se queira há muitos anos. Não basta nossos namoros longos, os rompimentos e a teimosia de desejar mais daquilo que não há de ser. Não presta que ele me visite pra acabar com as saudades e fuja correndo de pernas bambas e um bumbo no peito. Não importa que eu esqueça meu nome depois, nem que me perca num oco, ou que os sentimentos corram de ambos os lados, intensos e desarvorados. Não basta que haja amor para se viver um amor. Eu e ele somos as cruzadas da idade média, o Osama e o Tio Sam, o preto e o branco da apartheid, o falcão e o lobo, o Feitiço de Áquila. Seus mistérios me perturbam e minha clareza o ofusca. Tenho fascínio pelo plutão que ele habita, e ele vive intrigado por minha vênus, mas quando eu falo vem, ele entende vai. Enquanto ele avista o mar eu olho pra montanha. Quando um se sente em paz o outro quer a guerra. É preciso me traduzir a cada centímetro do caminho enquanto ele explica que eu também não entendi nada. Discordamos sobre o tempo, o tamanho das ondas, a cor da cadeira. O desacerto é de lascar, e não há cama que resista a tantas reconciliações - um dia a cama cai.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Nota contra o coitadismo



As palavras que ora escrevo não tem a pretensão de um julgamento ou condenação sumária. Estou sempre aberto ao diferente e as diferenças. Trata-se apenas de um leve e despretensioso desabafo.
Ocorre que nunca lidei bem com as rabugices, com o pessimismo, com o azedume, com o queixume reiterado; com as pessoas que procuram e enxergam muito mais as dores do que as flores do caminho. Em suma, com aquilo que chamo de síndrome do coitadismo, na qual a criatura assume uma posição de vítima diante de tudo e de todos, não raro dela mesma, inclusive como forma de justificar um temperamento explosivo ou agressivo.
Digo isso, porque preciso policiar muito a mim mesmo para não incorrer em tal delito gravíssimo, que só não é inútil porque além de promover a exposição muitas vezes gratuita do nosso fel, também vem dar uma baita pancada na cara da felicidade e do amor devotado por quem nos é caro.
Portanto, este talvez seja apenas um limite meu, mas pode ser também um efeito do próprio coitadismo que, quando não semeia desânimo ou comiseração, acaba por despertar um sentimento de repulsa.
Desde cedo aprendi que é preciso cobrar e esperar mais de nós mesmos do que dos outros. Aprendi também que, apesar das dores, incompreensões, frustrações e adversidades, há sempre mais motivos para rir do que para chorar. Aprendi ainda que a dor pode ser um instrumento capaz de nos tornar melhores ou apenas uma estação para mais gemidos e murmurações diante das durezas desta vida. Ou seja, a intensidade de uma dor ou doença vai depender se a recebemos como castigo ou como convite ao amor: amor pelos outros e por nós mesmos.
Não basta estar vivo, é preciso saber agradecer pelo milagre da vida!
Não basta viver, é preciso saber viver!

Música para os meus ouvidos

Não tem como falar nada.
Só sentir e se deixar empapar por este som...


Seguidores