O Blog busca retratar coisas da vida interiorana e do meu interior, numa abordagem que mistura reflexão, notícias, riso, poesia, musicalidade, transcedentalidade e outras cositas más. Tudo feito com produções próprias, mas também com a reprodução do pensar ou do sentir dos grandes gênios que o país e a humanidade pariram.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

De cara nova



O blog do Toninho está de cara nova e a mudança se deve ao motivo já explicitado anteriomente neste meu cantinho no mundão virtual. Ocorre que este blogueiro mudou o foco lançado inicialmente e a apresentação do blog precisava acompanhar esta nova abordagem. Eis a minha velha mania de unir forma e conteúdo.
Sempre valorizei a boa estética no que se refere aos escritos e o ambiente que o envolvem. Mas cá entre nós, fiquei em dúvida se o blog ficou mais bonito ou não em relação ao modelo anterior.
O fato é que o que está feito, está feito, não é mesmo?
Para mim o mais importante é que continues a apreciar o blog do Toninho, com moderação, é claro!

Momento poético



Esperança

Mário Quintana


Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança...
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA...

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Câmara retoma trabalhos após o fim recesso





A Câmara Municipal realizou, na noite de ontem, a primeira reunião ordinária do ano, após o fim do recesso parlamentar.
Confira abaixo as principais proposituras apreciadas na sessão da Casa Legislativa hervalense:


• Projeto de Lei nº 006/2011 (do Executivo) – “Autoriza o Poder Executivo a repassar verba às Entidades Carnavalescas, para o Carnaval 2011”. SITUAÇÃO: discutido, votado e aprovado com ressalvas.

• Projeto de Lei nº 007/2011 (do Executivo) – “Autoriza o Poder Executivo a abrir Crédito Adicional Especial no orçamento vigente e dá outras providências". SITUAÇÃO: Apregoado na Comissão de Educação, Saúde e Ação Social.

• Projeto de Lei nº. 008/2011 (do Executivo) – “Estabelece normas para a revisão geral anual das remunerações e subsídios dos servidores do Poder Executivo, agentes políticos, aposentados e pensionistas". SITUAÇÃO: Apregoado na Comissão de Constituição e Justiça”.

• Projeto de Lei nº 001/2011 (dos Vereadores Claudio e Elio) – “Institui o fundo especial da Câmara Municipal de Herval – FEC. SITUAÇÃO: Apregoado na Comissão de Constituição e Justiça.

• Projeto de Resolução 001/2011 (da Mesa Diretora) – “Estabelece o reajuste de 12,37% no valor do Vale-Alimentação dos servidores do Poder Legislativo Municipal de Herval”. SITUAÇÃO: discutido, votado e aprovado.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Licença poética



Peço-lhes licença para entregar-lhes algumas palavras simples e sutis, arrancadas do fundo do baú do meu ser:


Comunicar-se por meio da palavra escrita é uma dádiva ou um castigo. Ou talvez um pouco das duas coisas!
Comunicar-se por meio da palavra escrita é como se despir diante do outro ou da outra; é revelar nossa nudez a quem nos lê, correndo o risco de que essa nossa nudez seja castigada ou abusada literariamente.
Escrevo não como um meio de vida, mas como um modo de expor o meu modo de vê-la, a vida.
Escrevo também para expelir alguns ares da minha alma, aspirados nas vidas alheias que me avizinham, nas vielas do mundo e nas transpirações do meu próprio corpo.

Quanto a estes escritos, tenho a dizer que não os escrevo movido por uma pretensão filosófica ou para atribuir ao ato de escrever um sentido exato.
Não, mil vezes não. Escrevo aqui e agora pelo puro e insaciável prazer de escrever. Sem pressa, pudores ou precisão. Sem lado nem lucubrações nem lógica. Escrevo como uma espécie de orgasmo, e nada mais.

Escrevo, neste momento, como quem envia um recado despretensioso a si mesmo, dizendo: estou vivo, e a vida pode ser solta como um passo de dança ou presa como um nó na garganta. Ou também que a vida, apesar de breve, pode ser leve como um poema ou pesada como o verbo que condena.

Eis que a palavra se insinua inocente, nua e crua. A mim só me resta dar-lhe a mão e brincar com ela completamente pelado e me encharcar com a chuva deste efêmero instante. Que delícia! Que refrescante!

Rir é o melhor remédio

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Bola fora



Uma amiga me escreveu chamando atenção para o equívoco na autoria do poema intitulado “Desejo”, publicado ontem no blog do Toninho.
Esta poesia, publicada em 1980 no Jornal Folha da Tarde, de Porto Alegre-RS, circula na internet com sua autoria erradamente atribuída a Victor Hugo, e assim foi publicada aqui, mas alertado pela nossa leitora, estou dando os créditos a quem de direito, ou seja, ao autor Sergio Jockymann.
Reproduzo a seguir as palavras da amiga leitora, ao mesmo tempo em que lhe agradeço pela inestimável colaboração.

Olá Toninho,

“Gostei bastante do poema do "Victor Hugo" que tu mandou, daí quis procurar em francês (eu gosto deste autor maravilhoso, e por curiosidade quis ver na versão original e tbm por causa de uma dúvida extrema: não existe joão de barro na frança!!!). Achei este texto em português (muito), em espanhol (um pouco) em english (bem pouco) e em françês (nunca)... Daí procurei em sites franceses e parece que não é dele mesmo. Te deixo descobrir nos links a seguir para não tirar o charme de descobrir o verdadeiro dono desses lindos versos (não é porque não são do V. H. que são feios, ao contrário”.

http://emiliopacheco.blogspot.com/2006/05/clique-para-ampliar.html
http://muneo.wordpress.com/2007/12/15/os-votos-de-sergio-jockymann-a-verdadeira-versao/

Abraço e até logo amigo!

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Momento poético



Desejo (por Vitor Hugo)

Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.

Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.

Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.

Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.

Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.

Desejo que você descubra ,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.

Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você se sentirá bem por nada.

Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga "Isso é meu",
Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.

Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.

Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar ".

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Presidente da Câmara discute repasses com prefeito



O vereador Claudio Inhaia, presidente do Legislativo Municipal, reuniu-se com o prefeito Ildo Sallaberry na tarde desta terça-feira, 8/2.
A pauta da conversa entre os chefes dos dois poderes foi os valores a serem repassados à Câmara pelo Poder Executivo. Isto porque o orçamento para este ano foi definido com base numa estimativa de arrecadação para o exercício 2010. No entanto, a arrecadação total do município superou o montante estimado, fechando na cifra de R$ 9.679.268,81.
Diante dessa discrepância nos números, o vereador Claudio cobrou do prefeito Ildo o aumento do valor a ser repassado mensalmente, passando dos atuais R$ 52.462,40 para o valor R$ 56.462,40, de modo a cumprir o percentual de 7% estabelecido pela lei orçamentária e com vistas ao fortalecimento e a qualificação das ações do Legislativo.
Pela conversa, ficou acertado que o Executivo passará a repassar à Câmara Municipal os valores previstos no orçamento mais a metade da diferença entre o valor estimado e o efetivamente arrecadado.
Além do prefeito Ildo e do vereador Claudio, também participaram da reunião o Diretor da Câmara, o Procurador Geral e o Contador da administração.

Parabéns filhotinha!!!



Fevereiro de 2004, mais precisamente 08 de fevereiro de 2004: um dia de intenso calor e enorme ansiedade durante a interminável espera que antecedeu a chegada ao mundo da minha filha Anahy. Digo interminável porque o parto foi de alto risco para mãe e filha.

Anahy, nome de mulher guerreira.

Não obstante a força do nome, ela adentrou as portas da mundana existência sem esconder toda a sua fragilidade. Ao nascer, parecia uma ratinha de tão frágil e miúda!

Mas o tempo foi passando e, logo, logo, a fragilidade inicial foi cedendo lugar a uma menina determinada e astuta.

Anahy, flor que virou espinho até desabrochar em minha vida; pessoinha teimosa e sedutora que me invade, ilumina e maltrata.

Anahy, menina com mente de mulher; misto de presença e distância; criança que me convida a não perder a gostosura e o encanto da infância.

Neste dia em que completas mais uma primavera em pleno calor do verão, recebas os parabéns e um beijo bem bom do pai, que te ama tanto, minha fulôzinha!

Seguidores